Uma carta para o futuro

“Como será o amanhã” é a típica pergunta cuja resposta só virá, obviamente, amanhã. Criar qualquer história concreta sobre o futuro pode ser frustrante, mas não deixa de ser bacana sonhar e imaginar como será a sua vida em uns cinco, dez, vinte anos. Mais do que isso: estabelecer objetivos a longo prazo e segui-los à risca é uma das dicas primordiais em qualquer manual de auto-ajuda-quem-não-atrapalha.

Você tem algum objetivo em mente? Ou, mais alucinado ainda, tem a exata noção de como será a sua vida no futuro? Então faça uma experiência: abra o editor de texto e escreva um e-mail para você mesmo, mas para chegar daqui a, no mínimo, três anos. Sentiu vontade?

A dica é da Folha Online: os norte-americanos Matt Sly e Jay Patrikios criaram em 2002 o Future Me. Segundo a matéria, esse tipo de serviço está se popularizando com facilidade, especialmente por conta da curiosidade dos internautas – se esse site cai no gosto brasileiro, a dupla vai ter problemas sérios de tráfego…

Mas enfim. Existem duas tendências de mensagens nesse site: ou você escreve alguma coisa sobre você hoje, para lembrar mais adiante, ou alguma intenção ou plano futuro, só para saber se foi ou não cumprido. Nos dois casos, o e-mail serve como uma sacudida em nossas memórias. Outra dica importante para ver a coisa funcionar: convém usar uma conta de longa duração, para não correr o risco de ver sua mensagem no limbo.

Então, já pensou como vai ser sua carta para o futuro? Se fosse mandar alguma coisa para mim, seria curta e grossa: “Continue cultivando com carinho suas memórias, além de seguir em frente sem qualquer ansiedade ou expectativa. Relaxe e aproveite a vida, como sempre”.

André Marmota acredita em um futuro com blogs atualizados, livros impressos, videolocadoras, amores sinceros, entre outros anacronismos. Quer saber mais?

Leia outros posts em Faça fazendo. Permalink

Comentários em blogs: ainda existem? (3)

  1. É interessante, mas há meios mais simples, e que nao dependem de e-mail que expira pra funcionar. O blog é uma delas… Pra quem é mais reservado, pode escrever num documento e deixar arquivado no HD, para ler daqui a alguns anos. Essa alternativa requer um cuidado ímpar com o sistema operacional e HD, já que basta um crash pra todo o trabalho ir para o ralo. Por fim, tem aquela famigerada caixinha do tempo, que aparece muito em seriados e filmes. O cara pega um monte de tranqueira, escreve uma mensagem, joga tudo dentro de uma caixa ultra-resistente, e enterra em algum lugar. Aí ele escolhe: ou ele mesmo a abre daqui a alguns anos, ou deixa lá, até que algum arqueólogo a ache. Julgo ser essa última opção (a do arqueólogo) a mais interessante, e ainda hei de fazer algo do gênero.

    []’s!

  2. Que site interessante, Marmota. Estou aqui a pensar o que escreveria….
    Uma vez, numa daquelas famigeradas dinâmicas de grupo que estiveram na moda nas empresas nos anos 90, fizeram isso com o meu grupo de trabalho. Deram um papel e um envelope para escrevermos uma mensagem para nós mesmos que seria entregue dentro de um ano. Eu estava puta com a empresa por não terem liberado minhas férias na data que eu queria. Escrevi apenas: “tudo passa”.

  3. Pois é, escrevi a minha! Já tinha feito isso antes, deixando uma mensagem pra mim mesma que só foi aberta dois anos depois de escrita. Repeti a dose, tem uma cópia lá no meu blog.

Vai comentar ou ficar apenas olhando?

Campos com * são obrigatórios. Relaxe: não vou montar um mailing com seus dados para vender na Praça da República.


*