Precisamos de um gatekeeper bloguístico?

Em 24 horas, o planeta dá uma volta completa em seu próprio eixo. Tempo que deve ser longo o suficiente para qualquer cidadão dormir, acordar, ir e voltar ao trabalho ou a outro local, trabalhar, ajudar a quem pede, comer e beber, conhecer gente nova, dar comida pro velho sonho, dar atenção a quem merece… E até lidar com o volume de informação.

A Internet fez com que essa enxurrada de notícias aumentasse violentamente. Mesmo se o cidadão selecionar apenas um assunto específico, não vai conseguir digerir tudo que encontrar. Isso é muito comum em listas de discussão, por exemplo: mesmo usando uma ferramenta como o Gmail, que organiza tudo pelo assunto, é praticamente impossível ler todas as mensagens.

Obviamente, nem todo mundo se sente incomodado – há quem participe de uma pancada de listas e acha divertido passar os olhos em centenas de mensagens, abrindo apenas o que interessa – afinal de contas, se nem o Presidente da República se dá o trabalho de ler jornal, pra quê se preocupar, não é verdade?

Mas divago. O fato é que a maioria dos mortais sentem falta de um negócio chamado filtragem. É o que o Google News tenta fazer, por exemplo. A coisa é retroalimentada constantemente: o cidadão pinça a notícia de um site grande no Google News e publica no seu blog; aparece um robô como o Blogdex que lista o mesmo artigo em sua página, fazendo com que outros blogs o publiquem… Praticamente uma hemodiálise.

Conversei sobre o tema esses dias com o Inagaki e chegamos a um consenso sobre uma ferramenta que não existe de forma bem estruturada – especialmente no Brasil. Em resumo, seria um “gatekeeper bloguístico”. Um (ou mais) cidadão(s) avaliaria(m) o conteúdo de um universo significativo de blogs (poucos, mas com conteúdo) e formatariam uma “agenda setting” diária e comentada, pinçando inclusive citações e links relevantes desses blogs.

Muitos vão lembrar do Toplinks, similar tupiniquim do Blogdex concebido pelo CrisDias, que propõe quase a mesma coisa. No entanto, o Toplinks peca por alguns detalhes: o cadastro, feito manualmente pelo heróico programador, reúne grande quantidade de páginas. O que provoca distorções – a minininha fofuxa tem dois ou três blogs, põe o link do site oficial do fã clube do Rapazola e pronto, tá ali no topo da agenda.

Eu me arrisco a dizer que, se alguém inventa um gatekeeper bloguístico, selecionando blogs e opiniões relevantes, esta seria uma ferramenta indispensável – não só para quem mantém um, mas principalmente para quem deseja ficar por dentro do que acontece sem perder tempo. Sem falar que, com alguma credibilidade, a própria mídia passaria a observar os blogs de outra forma.

Adendo um – Assim que o papo com o Inagaki encerrou, escrevi sobre o tema para a lista de discussão que reúne blogueiros de esquerda – criação do Idelber. Como em qualquer assembléia petista, todos falam mas ninguém se entende. Acharam que eu só reclamei do excesso de mensagens, que isso ia provocar mais mensagens, que existem listas maiores, é só ler o que interessa, e que a idéia da lista não era selecionar links diários. Claro que não, ora pois!

Obviamente, fico pensando como seria a mesma discussão em uma lista de direita. Certamente um cururu diria que “a idéia inicial parece interessante, mas que precisa de alguns ajustes para se tornar comercialmente viável”. Ou pior: diriam que a idéia é um lixo, ou um lacônico “vamos pensar no caso” – só para desmotivar o interlocutor e botar a mão na massa, criando um produto de sucesso e contemplando os louros do sucesso. Mas a vida não teria a menor graça sem essa diversidade.

Adendo dois – Não sou especialista em programação, dificilmente criaria uma ferramenta dessas sozinho. Mas meus conhecimentos toscos já me permitiram uma brincadeira nova: o Plantão Marmota ganhou uma página própria, tornando-se o meu agregador de feeds personalizado – além de mais uma forma de aproveitar o potencial do site, que deve ganhar, um dia, sala de chat e um wiki sobre jornalismo online. Que tal?

André Marmota tem uma incrível habilidade: transforma-se de “homem de todas as vidas” a “uma lembrancinha aí” em poucas semanas. Quer saber mais?

Leia outros posts em Plantão Marmota. Permalink

Comentários em blogs: ainda existem? (7)

  1. Imagino que se tu colocasse a idéia numa lista de direita, provavelmente o povo ia comentar algo do tipo “bacana, mas estou ocupado demais para perder tempo com isso” . Aliás, pessoas de direita também não perderiam tempo com listas de discussão. Estão ocupadas demais tentando ganhar o primeiro milhão :-P

  2. É por essas e outras, caro Marmota, que visito o seu blog diariamente. Reflexões estão aí para serem levadas a sério, quase como um pensamento “profético”.
    Quer mais? Estou aguardando o “Portal Marmota”. Que venha!

  3. Olha, tb não sei programar quase nada, mas ajudaria num projeto como este com certeza! Ah, o plantão marmota está já como minha página inicial. Gostei.

  4. O problema dessas ferramentas é que o que é “significativo” para mim é diferente do que é para você e do que é para a garota fofuxa. O mais próximo que chegamos é o del.icio.us, onde eu posso ver rapidamente o que a galera anda “bookmarkzando”.

Vai comentar ou ficar apenas olhando?

Campos com * são obrigatórios. Relaxe: não vou montar um mailing com seus dados para vender na Praça da República.


*