Oportunidade à vista com o “boom” do iPad

Então a Apple decidiu aumentar o iPod touch, deixando-o do tamanho de uma folha sulfite. Lógico que, por trás desse meu conceito simplista, é possível observar umam porção de coisas, desde avaliações de comportamento até insatisfações de futuros consumidores – falta webcam, falta porta USB, não roda vídeos em alta definição, não roda Flash… Sem falar nos tablets concorrentes, como o protótipo do Google ou o já pronto ExoPC (juro que li “ExuPC” quando vi da primeira vez).

Longe desse turbilhão, o insight veio em algumas linhas deste artigo do Rafael Cabral, no Estadão. “… O nicho iniciado pelo iPad promete mais: a criação de um novo meio. Jornais e revistas podem criar conteúdo híbrido, com áudio, vídeo e gráficos, e os livros podem fundir-se, narrativamente, com os games. É a exploração do digital ao limite.”

Algo na mesma linha foi dito pela professora Beth Saad, no Intermezzo: “Os produtores de informação e entretenimento poderiam olhar tal processo evolutivo como uma vantagem competitiva que caiu de presente em seus quintais: um device convergente como o iPad agrega um mercado jovem, que considera o modo touch-lúdico como algo natural, com alto potencial de absorção de informações. Os NYTimes e Estadão da vida deveriam estar dando pulos de alegria…”.

Já deve ter gente pensando em como desenvolver conteúdos informativos atraentes, capazes de serem facilmente “navegáveis” num iPad. Um passo à frente dos exemplos reunidos aqui, pelo André Deak – usando um software batuta chamado Prezi, que merece um texto só pra ela.

Em tempo: desde a aquisição do Flash pela Adobe, há um certo “ranço” entre as empresas. Diz Steve Jobs que, de tanto travar, logo ninguém mais vai usar Flash. Mas isso é uma outra história.

André Marmota acredita em um futuro com blogs atualizados, livros impressos, videolocadoras, amores sinceros, entre outros anacronismos. Quer saber mais?

Leia outros posts em Plantão Marmota. Permalink

Vai comentar ou ficar apenas olhando?

Campos com * são obrigatórios. Relaxe: não vou montar um mailing com seus dados para vender na Praça da República.


*