Na estrada

Divagava esses dias sobre a semelhança entre alguns aspectos da vida e o ato de dirigir. Em linhas gerais: é preciso disciplina e responsabilidade constante, além da prática para diminuir os erros. Mas tem mais.

Lembro perfeitamente da primeira vez que sentei no banco do motorista, para dar os “primeiros passos”. Estava em uma estrada de chão batido deserta, em algum ponto entre Capão do Leão e Pedro Osório. Ninguém por perto, era a minha chance de errar sem ser notado.

Levou tempo até o medo sumir completamente. Quando dei por mim, o carro já era uma extensão do meu corpo – era como se ele sempre fizesse parte da minha vida. O que contribui muito para aumentar minha indignação diante de alguns manés, que não demonstram qualquer amor próprio. No volante ou fora dele.

Tamanha autoconfiança, é claro, costuma se chocar com a nossa ignorância em momentos difíceis, quando o “poisé” te deixa na mão sem qualquer explicação, o que é bastante comum. Nesses casos, a paciência é primordial. Se a situação for inédita, admitir a inexperiência também ajuda. Já dizia o velho deitado: a perfeição só aparece depois de muitos erros.

Agora experimente separar os fatos das sensações. Guarde para si apenas os medos, o frio na barriga, as lambanças iniciais, as oportunidades bem aproveitadas (ou não), a sensação de liberdade, o constante aprendizado, as decepções, a irresponsabilidade alheia, as barbeiragens, as grandes realizações, a vontade de trocar essa porcaria…

Pronto. Já estamos falando da nossa vida. Ou não?

Bom, dia desses estava com alguém que não gostou muito da comparação – ainda mais quando disse que “tive que aprender a guiar por pura obrigação”… Concordo. Viver não é uma tarefa, mas sim uma dádiva.

Pois é. Se admitirmos que viver é como dirigir, sinto que a velocidade com que as coisas acontecem aumenta na mesma proporção da evolução dos motores. E seguindo a mesma analogia, imaginando cada ano de vida como um quilômetro percorrido… Opa, em instantes chego ao km 27. Preciso urgente de um mapa decente no porta-luvas…

(Postado em 06/05/2004. E já estou a poucos metros do quilômetro 30.)

Vai comentar ou ficar apenas olhando?

Campos com * são obrigatórios. Relaxe: não vou montar um mailing com seus dados para vender na Praça da República.


*