Diálogos furtados na Guanabara

Rio de Janeiro

– Alô, Viva? Sou eu! Sim, estamos bem, curtindo uma refeição feliz num lugar muito romântico… O KFC do Largo do Machado!
– Romântico??? Bah.

***

– Liguei pra Viva. Ela vai passar aqui na praia em poucos minutos.
– Mmmhhh… Vai só passar e dar um alô ou vai pegar a gente?
– Vai só dar um alô. Vai abrir os vidros do carro, passar a uns 60 por hora e abanar. Fica de olho, daqui a pouco ela aparece.

Rio de Janeiro

***

– Então, como fazer para chegar ao Corcovado?
– A gente vai de ônibus, tem que descobrir aonde pegar o Coooooiiixxxmmmeeee Velho.
– Mas a gente precisa ir bem cedo.
– Tá. Podemos tomar café no Boooooiiibbbxxx.

***

– André, faz a pose cliche de braços abertos na frente do Cristo…
– Pra qual lado? Aquele onde Didi Mocó escalou e se dependurou no braço da estátua?
– Não, aquele onde Roberto Carlos andou sobre a murada sem dublê…

Rio de Janeiro

***

– Não-sei-o-quê, não-sei-o-quê… Copacabaaana…
– Puxa, você está há cinco minutos maltratando os versos de Dorival Caymmi… E já mudamos de praia!
– Ah, tá. Não-sei-o-quê, não-sei-o-quê… Ipaneeema…

***

Rio de Janeiro

Na sexta-feira, tempo nublado:
– Ih, nem sei o que vieram fazer aqui. Vi que o final de semana inteiro vai ser de chuva…

No sábado, muito sol:
– Você é uma bruxa!

***

Rio de Janeiro

– Você devia fazer um “Marmota Indica” do Bracarense…
– Ok. Os bolinhos de camarão estão ótimos, mas ainda estamos de pé…

***

– Olha, os arcos da Lapa! E o bondinho!
– Quê??? É nesse negócio que você queria andar, ao lado daquela gente toda saindo pra fora, quase caindo??? Tá maluca???

***

– Moço, adoraria trabalhar aqui nesse sebo! São tantos livros e prateleiras… Ficaria minha vida toda!
– Mas olha, cuidado, ela não preenche um dos requisitos pra trabalhar aqui: tem medo de gatos!

***

– Puxa, nós compramos todas essas garrafas de água?
– Sim. Olhe: papai minalba, mamãe minalba e minalbinha!

Rio de Janeiro

***

– Aqui no Rio Scenarium todo mundo é publicitario, jornalista… Menos eu, que sou formada em engenharia…
– Ah é? Pááá-rabéns!

***

– Viva, não foi naquela avenida perto da sua casa que um sujeito levou um tiro na perna esses dias?
– Não. Foram dois tiros, na barriga e no peito. E foi ali mesmo, perto de onde vocês pegaram o táxi.

***

Já estou com saudades do Rio… Quem sabe no próximo feriado? Se bem que… Xi, agora só no Natal.

Em tempo: não deixe de perder o LoveLive desta semana, gravado na antiga Capital Federal.

Comentários em blogs: ainda existem? (12)

  1. Gostei muito de conhecer o Rio… no reveillon! A queima de fogos vista da praia é impagável!
    A segunda foto é na Colombo? Parece…

    Adorei conhecer a família Minalba!

  2. Confesso que vim parar aqui única e exclusivamente pelo nome “Marmota”, uma amiga me chama assim, mas me diverti com o relato a respeito de dias em minha cidade.

    Volte sempre!

  3. Hum, está na cara que vocês estavam no sebo da esquina da Buarque de Macedo com a rua do Catete, certo? ;-)

    Da próxima vez que estiver por essas bandas, avisa, viu? Abraço!

  4. Ué, eu achei que tinha deixado um comentário aqui…
    Adorei a família Minalba!
    Você se esqueceu de contar a sua descrição do Posto 9, rs.
    Diga ao Bruno Guedes que o Rio não é tão violento quanto parece na mídia. O assassinato em questão foi um golpe chamado “saidinha de banco”: a vítima foi vista sacando cerca de R$60 mil num banco e foi seguida pelos bandidos. Eu sei – explica mas não justifica….

    Adorei ter vocês por aqui:). O quê? Só em dezembro? Que nada! E os vááários cursos que você vai dar aqui na Cidade Maravilhosa? rs (torcida pra isso é o que não falta!)

Vai comentar ou ficar apenas olhando?

Campos com * são obrigatórios. Relaxe: não vou montar um mailing com seus dados para vender na Praça da República.


*