Atenas: bombas, boicotes e paranóia…

O texto que você vai ler a seguir, sobre atentados na Grécia e a paranóia dos boicotes, foi redigido há um mês e publicado originalmente aqui, pelo jornalista Fernando Narazaki. Cidadão que, como alguns devem lembrar, chegou a escrever uma coluna no MMM. Entre inúmeras alegações, o nipônico dizia que “ninguém mais prestava atenção no que ele dizia”, e por esse motivo desistiu de participar.

Pessoalmente, discordo. Bem que poderíamos fazer deste post um abaixo-assinado “volta Narazaki”. Mas enfim, vamos ao que interessa. Com a palavra, Narazaki.

“A paranóia começou. O pontapé para o início das pressões e ameaças às Olimpíadas de Atenas teve início assim que explodiu a primeira bomba em Kalithea, próximo a Atenas, local de muitos hotéis e responsável pela hospedagem de muitos dirigentes esportivos durante os Jogos.

Na madrugada desta quarta (5 de maio) , três bombas explodiram no coração olímpico no dia em que o Comitê Olímpico Internacional anunciava o início da contagem regressiva para os Jogos. Faltam menos de cem dias para o futebol abrir a maratona esportiva em Atenas, o que ficou em segundo plano.

Logo após os atentados, o Senado dos EUA (sempre eles) abriu uma comissão para estudar os possíveis riscos com a ida dos atletas do país para os Jogos. Alguns senadores mais afoitos anunciaram até que o boicote seria a melhor forma de evitar o constrangimento dos norte-americanos em território grego, já que eles esperam muita hostilidade da torcida.

Há uma semana, o mesmo discurso foi defendido por Mark Spitz, único atleta da história a conquistar sete medalhas de ouro em uma única Olimpíada. Protagonista dos Jogos de Munique-1972, Spitz fugiu às pressas da Vila Olímpica, após a invasão de grupos extremistas da Palestina, que mataram 11 israelenses, todos atletas ou técnicos.

Em pouco tempo a idéia do boicote ganhou o apoio de dirigentes da Austrália e da Nova Zelândia. Na Europa e no Brasil, prevaleceu a cautela. Os dirigentes afirmaram que os planos de segurança precisam ser revistos, mas que confiam na organização de Atenas. O mesmo discurso, pelo menos oficialmente, foi feito pelo Comitê Olímpico dos EUA e outros da América Latina.

Por enquanto, a idéia de boicote soa mais como ameaças gratuitas ou mera paranóia. Desde os atentados de 11 de setembro (de 2001, nos EUA) e 11 de março (de 2004, na Espanha), qualquer ataque já é motivo de possíveis teorias da conspiração e intensas reuniões. Foi assim após as bombas em Kalithea. E será assim até o final dos Jogos. Só lamento que, justamente, o esporte tenha sido escolhido como alvo…”

Contagem regressiva: faltam 70 dias para Atenas 2004!

André Marmota acredita em um futuro com blogs atualizados, livros impressos, videolocadoras, amores sinceros, entre outros anacronismos. Quer saber mais?

Leia outros posts em Especiais do MMM. Permalink

Comentários em blogs: ainda existem? (3)

  1. Oi menino, que saudades. Eu sumi, fiquei um tempão sem postar por pura falta de vontade. Enfim, voltei, continuo a mesma solteironha de sempre, reclamando da vida e dos homens, risos. Que bom te ver por lá. Beijos e bom final de semana.

  2. Eu quero que os Norte-Americanos sumam do mapa. O mundo seria muito melhor se não existisse Estados Unidos.

    Eu fui agredido só por ser brasileiro no fórum de discussão do site lesbofeminista IHateMen.com – http://www.network54.com/Forum/197189 – onde agrediram a mim e ao Brasil com todos os nomes mais racistas possíveis só porque não gostaram das opiniões que eu dei por lá, principalmente os anônimos cujos IPs começam pelos números 168 e 213 e um tal de Michael.

    Eu quero ver a morte dessa raça.

    Hoje é dia 6 de junho e se a gente somar os algarismos de 2004 também dá seis, hoje é o dia 666, e aqueles bandidos estão todos reunidos na França comemorando os 60 anos do dia D.

    Essa raça é a própria besta, eu não tenho dúvida nenhuma que a Babilônia do Apocalipse são os Estados Unidos.

Vai comentar ou ficar apenas olhando?

Campos com * são obrigatórios. Relaxe: não vou montar um mailing com seus dados para vender na Praça da República.


*