Alienígenas? Trekkers? Filme desconhecido? Mistéééério…

Uma das maiores dúvidas existenciais da humanidade, a “estamos sozinhos neste universo?”, aguça ainda mais a nossa imaginação quando se transforma em ficção, especialmente na TV ou cinema. Alguns se deixam contaminar de verdade e criam uma realidade paralela aos mundos concebidos em aventuras como Jornada nas Estrelas.

Pois bem. Semana passada, deixei a televisão ligada antes de dormir e, despretenciosamente, assisti ao início de um curioso filme. Era uma versão caricata da turma do capitão Kirk e doutor Spock, seguido de uma gigantesca convenção semelhante a promovida por “trekkers” – ou trekkies, como são chamados os fãs da série original. Ao mesmo tempo, surgiram os nomes do elenco: Tim Allen, Sigourney Weaver, Alan Rickman, Sam Rockwell…

Não resisti e permaneci no sofá. E no desenrolar da história, surgiu outra dúvida: como é que um filme desses foi se encostar no Intercine? É cartaz de Tela Quente, ou, pra não pecar por excesso, Sessão da Tarde. Galaxy Quest, trazido ao Brasil com o terrível nome Heróis Fora de Órbita, é sensacional.

Segundo pesquisinha rápida que fiz, a fita saiu dos estúdios da Dreamworks em 1999. Mas sei lá por que cargas d’água esse filme fez pouco barulho nos cinemas (vai ver o título inibiu o público), fazendo com que eu fosse apresentado a ele tão tardiamente, numa madrugada. Na primeira parte, os personagens da série descontinuada fazem bicos em convenções, inaugurações, entre outros compromissos sacais.

Até então, bem plausível. Mas um bando de thermianos se apresenta a Tim Allen (versão cômica de William Shatner), convidando-o para uma missão especial: combater o sádico Sarris e salvar o seu planeta. Mal sabe ele que os tais alienígenas são verdadeiros. E mais: todos os pilares de sua sociedade, desde a nave espacial até sua cultura, são baseados nos documentos históricos verídicos destas incríveis batalhas. Na verdade, todas travadas em algum estúdio nos anos 60 e registradas em centenas de episódios.

Daí em diante, os decadentes atores da velha série deixam de interpretar, reassumem seus postos fictícios em uma nave de verdade e viram a única esperança de toda a galáxia. Pânico, imperícia, duelos, complexos problemas técnicos, bizarrices, conflitos éticos, frases feitas (Nunca se renda, nunca desista! Pelo martelo de Grabhtar, pelos sons de Worvan, você será vingado!)… E mais uma pancada de referências a Jornada nas Estrelas.

A grande cena do filme é quando o canastrão Tim Allen usa um intercomunicador para pedir ajuda a um superfã – o mesmo que foi totalmente desprestigiado na convenção da abertura do filme.

Fã (conformado) – Eu só gostaria de dizer que pensei muito sobre o que você disse…
Tim Allen (nervoso) – Tudo bem, tudo bem… Agora me escute…
Fã – Mas eu queria que soubesse, não sou maluco, entendeu? Eu entendi completamente, tudo não passa de um programa de TV. Eu sei que não existem esferas de berilo…
Tim Allen (mais nervoso) – Espere, espere…
Fã – … Sem teletransporte, sem nave espacial…
Tim Allen (desesperado) – Espere, pare por um segundo, pare. É tudo real.
Fã (exaltado) – Ai… Meu Deus!!! Eu sabia!!! EU SABIA!!!

Ao final, sobraram novas perguntas. Será que a indústria cinematográfica deixou escapar mais alguma comêdia do gênero Spaceballs e Guia do Mochileiro? Será que uma raça qualquer pode encontrar as temporada de Star Trek e conceber a Entrerprise e todo seu universo, acreditando que é tudo verdade? Será que consigo achar esse filme em DVD? Como diria Dona Milu, Mistééério…

Comentários em blogs: ainda existem? (11)

  1. Esse filme é ótimo! Vi no cinema (não foi divulgado porque SciFi – exceto Star Wars – nunca é, mesmo quando se trata de sátira) e acabei revendo no Intercine e rolando de rir.

    Star Treke, aliás, já usou um tema parecido num episódio… um planete teve contato com a história de Al Capone e construiu toda uma sociedade baseada no gangsterismo. É um dos episódios mais divertidos da Série Clássica.

  2. Esse filme e muito melhor do que eu esperava.. olhei com maus olhos o comercial na fox.. mais quando vi até que me tirou algumas risadas =]

  3. Tenho o DVD (Que só consegui achar após uns três anos de procura). Também vi no cinema. Embora a referência principal seja Star Trek, o filme é uma deliciosa homenagem aos fãs de ficção em geral. Aquela coisa das convenções, pode crer, é real.

  4. Tá, primeiro de tudo, QUEM É Dona Milú? Hehehe!

    Segundo de tudo, esse filme já passou várias vezes na TV, senão eu já não o conheceria antes de vc mencionar. :)

  5. Este foi um dos grandes filmes de ficção científica daquele ano, embora seja uma comédia. Foi capa da revista Sci-Fi News, e aqui no interiorzão onde moro nem passou perto dos cinemas. Tive que me conformar com o lançamento em vídeo. Grande história, grandes atores e, acima de tudo, uma sátira inteligente. Coisa que o cinema há muito tempo não vê.

  6. Se com o pouco que sei dos bastidores consegui pescar algumas referências, imagina o que um trekker de carteirinha — a minha já venceu (é sério) — não deve aproveitar?

    Ah, e a seqüência inicial, em que perguntam “Quais suas ordens, capitão?”, é referência ao episódio “O ardil carbonite”, da série clássica. Nesse episódio, um comodoro (ou era almirante?) destitui Kirk do comando e acaba se deparando com uma situação que o deixa paralizado — é aí que a tripulação fica lhe perguntando quais seriam suas ordens [para enfrentar a ameaça klingo].

  7. Cara, eu AMO esse filme! Aqui em casa todo mundo era trekker até vermos esse filme. Aí nunca mais conseguimos assisir a um episódio de Jornada sem cair na gargalhada.

  8. Esse filme é foda.
    Quando começou fiquei olahdno só por curisodade. Parecia aqueles filmes bestas. Mas o negócio é besta de uma forma nonsense e engraçada. Gostei demais.

Vai comentar ou ficar apenas olhando?

Campos com * são obrigatórios. Relaxe: não vou montar um mailing com seus dados para vender na Praça da República.


*