Paulo Leminski oculto

Parada Cardíaca

Essa minha secura
Essa falta de sentimento
Não tem ninguém que segure
Vem de dentro

Vem da zona escura
Donde vem o que sinto
Sinto muito
Sentir é muito lento

O poema acima representa uma gota d’água diante do oceano produzido por Paulo Leminski. Reconhecido como um dos escritores mais importantes do país – e verdadeiro ícone da capital paranaense, o ‘poeta marginal de Curitiba’, falecido em 1989, deixou sua marca em crônicas, prosas, ensaios, novelas, quadrinhos, letras de música, roteiros para cinema… E até poesias.

Pois acredite: a figura de Paulo Leminski surgiu durante uma visita ao Espaço Cultural Frans Krajcberg, no Jardim Botânico. Em meio a esculturas de cipós e troncos de madeira queimada – um verdadeiro clamor em favor da preservação da natureza, algumas fotografias de áreas devastadas, entre elas a que está reproduzida abaixo.

Agora repita a sugestão do guia turístico Fernando e observe atentamente a foto. Com pouco esforço, é possível enxergar Paulo Leminski, atrás da arvorezinha central, erguendo seu braço esquerdo.

Conseguiu? Não? Bom, talvez seja mais fácil observar o meu reflexo ao fundo…

(Postado em 28/04/2004. E neste fim de semana, tem mais Curitiba.)

André Marmota tem uma incrível habilidade: transforma-se de “homem de todas as vidas” a “uma lembrancinha aí” em poucas semanas. Quer saber mais?

Leia outros posts em Marmota ilustrado. Permalink

Comentários em blogs: ainda existem? (6)

  1. Esta foto é de verdade? Dá para ver alguém parecido com ele…bem estranho…eu sou o filho dele que vive no Rio de Janeiro, estou na biografia, sem fotos, apenas minha certidão de nascimento.
    Valeu!!

Vai comentar ou ficar apenas olhando?

Campos com * são obrigatórios. Relaxe: não vou montar um mailing com seus dados para vender na Praça da República.


*