Vivendo em bunkers

Bonn (Alemanha) – Em uma das visitas mais incriveis que fiz em Berlim, respiramos historia em um dos antigos abrigos antiaereos da cidade, redescoberto pela Assoiacao Mundo Subterraneo – Berliner Unterwelten – perto da estacao Gesundbrunnen do metro.

Um dos meus amigos de curso, com claustrofobia – sem falar no ambiente pesado, teve problemas e sequer passou da primeira porta. Os que seguiram em frente sentiram no ar, nas paredes e na tonalidade das (poucas) cores toda a angústia de centenas de pessoas abrigadas durante a Segunda Guerra Mundial, ou mesmo a paranóia dos tempos de Guerra Fria. Sílvia, nossa guia equatoriana (que fala muito bem portugues) entendia do ramo: sua associacao prestou consultoria para o filme A Queda, que se passa no famoso bunker de Hitler.

Todos saíram com vontade de recordar as informacoes históricas desse período da história – sem falar em seu desdobramento mais inconcebível, que esteve durante trinta anos ali, em forma de muro. Berlim desperta essa veia histórica, mas no meu caso a reflexao foi alem.

Sou teimoso, medroso, preocupado, contraditório, racional, programado, bloqueado. E nao é um mes em outra vida que vai me fazer mudar. Para explicar isso, normalmente uso para isso uma metáfora amena: pular ou nao da prancha. Porque sempre me senti confortavel em cima da plataforma.

Mas ao sair daquele mundo de túneis, fui obrigado a repensar coisas. Na verdade todos esses atributos funcionam como protecao de um bombardeio, fruto de uma guerra fria e desnecessaria. Como se estivesse em um bunker.

Felizmente, por hora, estou em uma terra espetacular. Nem quero pensar na volta, e na sensacao horrivel de estar em um abrigo antiaereo outra vez. A bem da verdade é que estou fazendo tudo para me livrar dessa idéia explosiva de uma vez por todas.

Berlim é uma delícia, mas nao há lugar melhor que o lar… Já me sinto em casa em Bad Godesberg, ao sul de Bonn, ou mesmo em Colonia, a mais brasileira das cidades deste país. A temperatura ajuda: máximas de 20, 21 graus. É o mes de outubro mais quente dessas bandas em mais de 100 anos. Nao tem como se sentir distante num clima desses.

Em muitos estabelecimentos comerciais, os atendentes nao se esforcam nem um pouco para se comunicar com os turistas. Alguns esbocam um ingles meia boca, mas logo emendam um “sprechen deutch” ou algo do genero. Como se estivessem “selecionando” quem atender. Se por um lado os estádios estao preparados para receber uma Copa, nao se pode dizer o mesmo dos alemaes, em sua maioria um bando de grossos.

Ainda nao contei detalhes do curso que estou fazendo – e talvez nem conte muito por aqui, minha mae pediu para que eu deixasse de falar na minha vida pessoal aqui e evitar a criacao de um personagem de mim mesmo. Mas nao posso deixar passar: somos em 12 alunos, sendo seis brasileiros, cinco africanos de países lusófonos e uma heróica sobrevivente da guerrilha do timor leste – que se esforca bravamente para resgatar o portugues que estava preso após anos de dominacao indonésia. Sem falar que sua lingua nativa é o tetum. Interculturalidade é a palavra de ordem para resumir esse encontro inusitado.

Enquanto isso no Brasil, o assunto referendo acabou, reabrindo as empoeiradas CPIs. Por aqui, soube que estudantes em América Latina na Faculdade de Colonia aprovam o líder Lula, carismático e comprometido com o combate a corrupcao. E nao adianta dizer a eles que nao é assim: alemaes que estudam em lugares como Humboldt estao sempre certos.

André Marmota dialoga muito com o passado, cria futuros inverossímeis e, atrapalhado, deixa passar algumas sutilezas do presente. Quer saber mais?

Leia outros posts em E eu, uma pedra. Permalink

Comentários em blogs: ainda existem? (11)

  1. …então a gente precisa marcar, na sua volta, uma reunião no Pinheirinho. Ou lá em casa!

    Um abraço!

  2. Ê! Que maravilha deve ser estudar com essa gente toda :)

    E tá calor assim? Que bom hein? Se bem que uns 10 graus pra mim tava legal! :D

    Beijo pra vc André!
    :)

  3. Bom saber que tudo vai bem… Aproveite os novos contatos – tenho certeza de que essas pessoas ficarão na sua memória.
    Imagino que a sua volta esteja sendo aguardada por muitas pessoas e que talvez até mesmo você já esteja fazendo planos para o fim de novembro… Mas não se esqueça do nosso petit gateaux!
    Beijo!

  4. Pô, mas é tão legal criar um personagem de si mesmo! Eu adoro, faço isso o tempo todo, hehehe!

    Quando eu econtro no meio dos seus textos uma palavra em alemão com mais de 4 letras, eu pulo na hora. Alguém mais faz isso, ou sou só eu mesmo? :) Hehehe!

  5. Apenas pra avisar: estou num totem da T-Com em Colonia. O curso acabou, mas a viagem segue. Aguardem novidades!

  6. Na internet atualmente são tantas opções de sites onde possa buscar atualidades sobre tecnologia, saúde, música e a internet própriamente dita. E se isso tudo estivesse em um mesmo lugar, onde você possa ler tranquilamente, um a um, ter imagens sobre o assunto e o melhor dar sua opinião sobre cada assunto?
    Gostou? Então visite o Blog Jornal.
    http://blogjornal.blogger.com.br

Vai comentar ou ficar apenas olhando?

Campos com * são obrigatórios. Relaxe: não vou montar um mailing com seus dados para vender na Praça da República.


*