Vai, Massa, parte 11: a pior corrida da vida dele

O circuito de Hungaroring é um dos mais travados da temporada. É quase impossível ultrapassar alguém… Mesmo assim, elas acontecem. Ou deveriam acontecer com quem tem alguma vontade de conquistar um título. E quando alguém quer mostrar serviço, é capaz de qualquer coisa.

Vejam o caso de Alonso, por exemplo. Não importa o mentor da idéia, mas sim sua execução: pouco antes do treino classificatório acabar, o bicampeão metido a besta ficou lá, sentado em seu cockpit, parado feito um dois de paus, segurando Lewis Hamilton nos boxes. Assim, o líder da temporada não conseguiu sair para tentar melhorar seu tempo, deixando o espanhol com a chance de ouro para largar na frente. Foi o que aconteceu.

Felizmente, a palhaçada rendeu uma punição ao espanhol, já nas primeiras horas de domingo: cinco casas para trás no tabuleiro. Isso permitiu ao britânico a chance de vencer o GP da Hungria de ponta a ponta, abrindo vantagem na liderança do campeonato. Entre os quatro potenciais candidatos ao título, foi Kimi Raikkonen quem teve a chance de desbancar “Robinho”: o finlandês acompanhou de perto, chegando apenas sete décimos de segundo atrás do vencedor.

E Alonso? Largou em sexto, e teve que fazer uma corrida de recuperação, em busca de um lugar no pódio. Não conseguiu, mas andou duas casas, chegando em quarto lugar – resultado que o deixou a sete pontos atrás de Hamilton (80 a 73). Tudo indica, portanto, que a temporada 2007 será decidida entre os dois, apesar do segundo lugar de Raikkonen ter garantido a ele o terceiro lugar na classificação, com 60 pontos.

Isso mesmo. Até o Raikkonen, que até esses dias era carta fora do baralho, ultrapassou Felipe Massa na pontuação geral. Tudo porque o brasileiro errou feio na segunda parcial do treino classificatório, largando em 14º (péssimo-quarto). E a corrida de recuperação dele? Perdeu duas posições nas primeiras voltas, ficou atrás do Takuma Sato boa parte da prova, ultrapassou três carros… Foi o 13º (péssimo terceiro).

“Foi a pior corrida da minha vida”, disse ele. E eu já joguei a toalha: perdi a aposta, definitivamente. Pior que ele, só o Barrichello, 18º (péssimo-oitavo, ou último). Se bem que… Corrida ruim teve mesmo o escocês Dario Franchitti, que protagonizou um acidente espetacular no GP de Michigan da IRL. Ao menos Franchitti não se machucou demais, é o líder e ainda pode ser campeão.

(Para entender a aposta, leia a parte 1. E se quiser mesmo acompanhar e entender de verdade o mundo do automobilismo, leia a Bárbara Franzin, o Ivan Capelli, o Livio Oricchio, o Fábio Seixas e o Flávio Gomes).

Comentários em blogs: ainda existem? (4)

  1. Você foi aos Malvados.com.br? Então vá.

    Vou comentar aqui porque estou com preguiça e cansada. Não acompanho mais
    F1 desde o Fittipaldi mas amei o post sobre chavões até me senti meio mal pois sou mestra em frases feitas.

    Beijinhos.

  2. Essa corrida foi muito chata, deu até pra tirar um cochilo pela falta de emoção e pelo desempenho pífio dos brasileiros.

    Obrigada pelo link!

    Abs

  3. Não tem jeito: o Massa tem de comer muito arroz e feijão para se igualar à dupla Alonso-Hamilton.

    Aliás, está saindo faísca dos boxes da McLaren, né? Um nem fala mais com o outro, hehehe!

    Tá com pinta de Hamilton, mas ainda cravo no Alonso.

Vai comentar ou ficar apenas olhando?

Campos com * são obrigatórios. Relaxe: não vou montar um mailing com seus dados para vender na Praça da República.


*