Um dia perfeito na Vila

Por Marília Figueiredo

Acordei numa bela manhã de domingo e notei que tinha algo diferente no ar… Os pássaros cantavam mais alegremente, o sol brilhava sem queimar, a brisa batia suave no lençol…

Lilo estava toda contente, com um brilho novo no olhar.

“É hora do passeio”, pensei eu, com minha mente humana limitada.

E, no passeio, encontramos seus amigos caninos, todos com os olhares radiantes. Conversei com seus donos e, também, todos notavam algo diferente, mas não sabiam explicar.

Então aconteceu: as demais pessoas que circulavam pela praça vieram conversar conosco, desejar bom dia, tecer comentários agradáveis e gentis.

Surpresa, resolvi dar uma volta com a Lilo pelo quarteirão: deparei com mais pessoas educadas, pessoas gentis também no trânsito… Reparei que as calçadas estavam limpas e as lixeiras não estavam mais vazias. Não havia pressa no olhar das pessoas, havia, simplesmente, respeito ao próximo.

Entendi que as pessoas estavam menos “humanas” e mais “caninas”.

Explico: há muito andava descontente com os seres humanos e suas atitudes insensatas, principalmente com relação aos animais (abandonos, atropelamentos, maus-tratos…). Andava indignada tentando entender o que poderia levar uma pessoa a maltratar seu cão, um animal tão puro de sentimentos, tão fiel, leal, companheiro. Animais com a hombridade que todo homem deveria ter.

Lembrei que, na noite anterior, fui dormir pensando nisso: em como o mundo seria melhor se cada um pensasse no bem-estar do seu próximo, seja ele bípede ou tivesse quatro patas.

Tive, então, meu desejo realizado!? Como isso seria possível??

Foi então que o despertador tocou. Lilo veio me dar seu costumeiro bom-dia.

Em seu passeio matinal, nada de novo aconteceu.

Triste, voltei pra casa e sentei-me ao chão com ela. Ganhei uma lambida e um olhar, como quem diz: “Ei, estou aqui! Nem tudo está perdido!”.

Suspirei.

Quem sabe um dia as pessoas realmente importem-se umas com as outras…

Vou continuar fazendo minha parte.

E você? Já faz a sua?

Enquanto Marmota passa por dias perfeitos descansando e viajando, a série Colônia de Férias apresenta textos gentilmente preparados por seus amigos.

Comentários em blogs: ainda existem? (4)

  1. Eu tento fazer a minha parte também, todos os dias, de alguma forma. Mas ainda é pouco, o que é uma pena.
    O ser humano não vale um bicho, não mesmo.

Vai comentar ou ficar apenas olhando?

Campos com * são obrigatórios. Relaxe: não vou montar um mailing com seus dados para vender na Praça da República.


*