Top 5 dos Jogos Pan-americanos Rio 2007

Alegria alegria, moçada! O Pan acabou! Chega de ouvir o Galvão Bueno fingir que as vaias não são com ele; basta das mesmas entrevistas sem graça de sempre com a Dona Rose, a mãe de Thiago Pereira e torcedora-padrão; nem de aturar os comentários vibrantes da Andreia João na ginástica. E antes que alguém diga “agora, só em Guadalajara” (que, diga-se, competiu sozinha para receber o Pan 2011, sinal que ninguém quer essa bomba), lembre-se que ano que vem teremos os Jogos Olímpicos de Pequim. Assim como em Sydney-2000, quando os eventos aconteciam em nossa madrugada, serão longas noites torcendo por um punhado de medalhinhas (sim, o nível das Olimpíadas deixam os Jogos Abertos do Interior das Américas no chinelo).

Enquanto os chineses nem os mexicanos não começam suas festividades, vamos relembrar alguns momentos batutas que rolaram na Cidade Maravilhosa nos últimos 15 dias. Conto com a ajuda dos três ou quatro amantes do esporte que pintam por aqui para me ajudar a completar as tradicionais listinhas.

Cinco números do Pan 2007:
– Mais de 5.500 atletas de 42 países.
– 657 atletas brasileiros, que faturaram 161 medalhas, 54 de ouro.
– Orçamento de R$ 3,8 bilhões, 800% a mais que o valor inicial.
– 6000 homens da Força Nacional de Segurança, que vão embora e deixar o Rio como era antes.
– R$ 600, salário de Diogo Silva, primeiro brasileiro a levar ouro do Pan.

Cinco atletas que merecem aplausos:

– Lucélia Ribeiro, a única tricampeã pan-americana (só falta o caratê virar esporte olímpico).
– Sebastian Cuattrin, “argentino” que faturou 11 medalhas em Pans para o Brasil na canoagem.
– Hugo Hoyama, nove ouros no tênis de mesa (e não nasceu na China, como os atuais vencedores “pan-americanos”).
– Marta, a melhor jogadora de futebol do planeta (titular em qualquer time da Série A).
– Thiago Pereira, seis ouros na piscina do Parque Maria Lenk. O Pan do Rio foi dele.

Cinco medalhas de ouro sensacionalmente inesperadas:
– Tênis de mesa por equipes (não foi fácil Hugo Hoyama passar por chineses e conquistar sua nona medalha de ouro em Pans).
– Juliana Gomes dos Santos nos 1500m feminino (claramente inspirada na incrível prata do marido Marilson instantes antes).
– Flávio Saretta, no tênis, no último dia (infelizmente quase sem público), depois de praticamente perder o jogo tanto na final quanto na semifinal. Incrível.
– Pedro Lima, no boxe, depois de ter deixado o campeão mundial Demetrius Andrade (pelo nome vê-se que é dos EUA) tirar a vantagem e virar a contagem.
– Mosiah Rodrigues, na barra fixa, depois dos favoritos norte-americanos caírem (de quebra, isso deu o bronze ainda mais inesperado a Danilo Nogueira).

Cinco modalidades heróicas:
– Boliche, com um bronze inédito em duplas masculinas.
– Badminton, mais um bronze inédito sem qualquer recurso.
– Yane Marques, no pentatlo moderno (onde o atleta compete mais ou menos em cinco provas).
– Patinação artística (engraçado, o Marcel Sturmer só aparece a cada quatro anos).
– Taekwondo, com excelentes resultados sem qualquer investimento pesado.

Cinco injustiças absurdas:
– Natália Falavigna, minha musa, que sofreu absurdamente com aquela prata no peito.
– Flávio Canto, ouro garantido, que sofreu uma luxação no cotovelo durante a semifinal.
– Érika Miranda, que viu o juiz levantar a bandeira a favor dela e mudar de idéia, evento que culminou com a briga generalizada entre brasileiros e cubanos fora do tatame.
– Aline Campeiro , a levantadora de peso que saiu comemorando seu segundo lugar geral antes da decisão, mas machucou o joelho e ficou fora da disputa.
– Bernardo Arndt e Bruno Oliveira, que treinaram, competiram e venceram suas regatas da classe Hobie Cat 16 mas foram surpreendidos por uma eliminação, baseada numa peça estúpida de alumínio usada em seu barco.

Cinco amareladas inacreditáveis:
– Vanderlei Cordeiro, que levou a bandeira na abertura, continuou treinando na altitude e terminou com cãibra (felizmente o Franck Caldeira salvou a pátria).
– Jade Barbosa, líder na disputa do individual geral (mas que compensou o nervosismo no salto sobre o cavalo e no solo).
– Lulinha e os moleques do futebol masculino, que deixaram Equador e Jamaica (Meu Deus!) decidirem o ouro, com direito a Bolívia e México na semifinal.
– Basquete feminino, na despedida de Janeth, ganhando a partida até o terceiro quarto diante das juvenis norte-americanas.
– Vôlei feminino diante de Cuba, como de praxe.

Cinco esportes onde tinha brasileiro, mas não deu em nada:
– Beisebol (se bem que o local dos jogos não passou em branco).
– Tiro com arco (o famigerado “arco e flecha”).
– Patinação e ciclismo de velocidade (ao menos temos um novíssimo velódromo).
– Triatlo feminino (mas as brasileiras competiram com as melhores do mundo).
– Hóquei sobre grama (aquela modalidade onde os atletas foram recrutados pelo orkut).

Cinco exemplos de organização impecável:

– Ingressos vendidos antecipadamente sem assentos marcados nem adversários definidos – teve gente que comprou Brasil x Venezuela mas viu Cuba x EUA.
– Voluntários mal-educados interessados apenas em passear – como os que bloquearam idosos e deficientes nos elevadores do Engenhão, reservados exclusivamente às autoridades e a “Família Pan” (técnicos, dirigentes e atletas).
– Seguranças estúpidos que não permitiam a entrada de qualquer alimento (torcedor tinha que pegar fila e encarar quiosques do Bob´s). E ainda por cima comiam às custas do torcedor!
– Instalações mambembes no Morro do Otário (ops, do Outeiro), onde só as autoridades e a “Família Pan” tinham direito a sombra e cadeiras.
– Sensacional campo de lama desabável para o beisebol – esporte que quase ninguém dá bola em Cuba, EUA, Venezuela, México… Entre outros países latinos para onde supostamente o Brasil queria mostrar alguma coisa boa.

Cinco frases geniais:
– “Evolui. Abre os braços, sempre em círculo. Com brilho, está sem camisa, no estilo de sempre. Estilo malandro, malandro da Lapa.. Gira, gira, gira”. Sérgio Guimarães, correspondente da Rádio Gaúcha no Rio, segurando por quatro minutos a transmissão ao vivo da performance de Marcel Sturmer. Isso mesmo, no rádio.
– “Desse jeito quando as delegações chegarem, os atletas não vão ter onde sentar”. Marcos Vinícius Freire, chefe da delegação brasileira, ao ver alguns voluntários bonzinhos colocar algumas pessoas nas áreas reservadas no Morro do Outeiro (declaração pinçada do UOL).
– “Vai cair, chileno!”. Oscar Schmidt, torcendo contra um ginasta nas arquibancadas.
– “Foi uma surpresa, porque antes da prova ela estava descontrolada”. Coaracy Nunes, presidente da CBDA, ao destacar o bronze de Juliana Veloso – a mesma que reclamou do carpete escorregadio na plataforma do Parque Maria Lenk (se bem que, “descontroladas” mesmo ficaram as meninas do vôlei, com direito ao famoso funk executado para a torcida).
– “Meu amor, nada vai mudar entre a gente depois dessa medalha. Você sabe onde eu tenho aquela tatuagem pra você, naquele lugar que eu não posso mostrar na tevê”. Pedro Lima, ouro no boxe, em entrevista à ESPN Brasil.

Cinco exemplos edificantes de bom jornalismo:
Cauê descansa em Deodoro: fotolegenda imprescindível, com um enorme boneco deitado em Campo Grande.
Atletas enlouquecem na boate do Pan: enlouquecem? Chamem uma ambulância!
Free Willy acaba com o Brasil: na verdade, é uma atleta norte-americana do softbol um pouco cheinha.
Hugo Hoyama usa cueca do Palmeiras: ah, tá explicado porque ele faturou a medalha de ouro por equipes.
Atletas falam sobre “pegação” na Vila: claro, pra quê falar em chance de medalha?

Cinco cenas inesquecíveis das festas de abertura e encerramento:
– Elza Soares cantando o Hino Nacional (nunca mais, hein?) e Chico César de branco!!!
– Caglos Agthur Nugzman dando uma de pastor evangélico em seus discursos.
– Fernanda Abreu cantando “me dá um dinheiro aí” e transformando o Maracanã num baile funk.
– Mário Vázques Raña, que ao ver seu “hoy” virar “oooiii” se transformou em uma figura simpática para a galera.
– As “homenagens” a Lula e a César Maia (o feitiço virou contra o feiticeiro).

Cinco histórias não-esportivas que fizeram barulho:
– Victor Borges, 11 anos, menino que ganhou medalha de bronze do tênis de mesa (que uma norte-americana desprezou) e ficou ao lado de Paraguai, Honduras e Barbados, entre outras delegações, na 25ª posição no quadro de medalhas.
– As lindas moças do softbol, que posaram em fotos maravilhosas antes dos Jogos e, ao vencerem Porto Rico, ficaram em sétimo lugar (haviam oito países participantes).
– O americano idiota, que não viu o Pan de perto por conta de uma frase infeliz no Centro de Imprensa do Riocentro: “welcome to the Congo”.
– A diarréia de Poliana Okimoto, cuja prata na maratona aquática lhe custou goles de água do mar contaminada com coliformes fecais.
– A vaia, sem dúvida a grande personagem do Pan.

Cinco coisas que os cubanos fizeram no Rio:
– Comprar bugigangas e vender seus próprios uniformes.
– Pegar todas na Vila Pan-americana (inclusive as moças da limpeza).
– Fugir da ilha em busca de oportunidades profissionais.
– Voltar para a ilha de repente, a mando do tio Fidel.
– Ver os brasileiros inventarem uma competição idiota pelo segundo lugar no quadro de medalhas.

Cinco esportes que vão nos salvar em Pequim:
– Vela, com Scheidt na classe Star (talvez o Bimba).
– Judô, umas duas ou três, como de praxe.
– Natação (Thiago, Cielo e/ou Kaio Márcio).
– Atletismo (Fabiana Murer e/ou Jadel Gregório em um excelente dia).
– Vôlei, na praia e na quadra (exceto as mulheres).

Cinco boas apostas olímpicas:
– Natália Falavigna e Diogo Silva (ambos quarto lugar em Atenas).
– Hipismo por equipes (Rodrigo Pessoa e mais quatro, se ninguém refugar).
– Futebol masculino (sim, eu vou me iludir outra vez).
– Diego Hypólito no solo (se não der “complexo de Daiane” nele).
– Futebol feminino (ao menos a torcida é grande).

Cinco perguntas que ficaram sem resposta:

– Por que a organização cortou um pedaço do Hino Nacional em quase todos os pódios brasileiros, menos na ginástica rítmica?
– Há relação entre o slogan e refrão do hino do Pan (o “viva essa energia”) ser exatamente igual à campanha da Petrobrás, um dos patrocinadores-master do evento?
– Será que Bernardinho tinha certeza que levaria o ouro escalando qualquer equipe, por isso decidiu dar um tempo no trivial embate de egos e cortar Ricardinho?
– Os cubanos realmente fariam uma deserção em massa, e por isso foram levados um dia antes para o aeroporto, ignorando o bronze no vôlei? Então como explicar os atletas de Cuba que estiveram na cerimônia de encerramento?
– Se sabiam que julho era um mês tradicionalmente chuvoso e sem ventos, prejudicando o tênis no Marapendi, o pântano da Cidade do Rock e até as regatas da Marina da Glória, por que não deixaram para outra época?

Comentários em blogs: ainda existem? (10)

  1. Hahahaha, sensacional! Parabéns pelas lembranças, cara! :)

    Ah, e a minha musa é a Flávia Delaroli, disparado! Ah, Flavinha… E descobri que ela nasceu em 28/12/1983, exatos três dias antes deste que vos escreve. Ai, ai…

    E o público carioca fez justiça no encerramento, vaiando também o César Maia. Só faltou o Nuzman, mas tudo bem.

  2. Nada como ler um jornalista da área falando, de modo espirituoso e bem-humorado, sobre o desempenho brasileiro (ou a falta de) no Pan. Ótima seleção de cincos.

  3. Também já havia perguntado sobre a coinciência entre o “Viva essa energia” o o “O desafio é a nossa energia”. Ninguém soube responder.

  4. André, que resumo otimo. eu não vi nada além do voley e umas ginastas, e agora sei tudo….
    nota dez, em todos seus cincos…
    bjos

  5. Só não concordo com esse papo de Marta em qualquer time da Série A. Com o devido respeito que a modalidade merece, mas ainda está loooooonge, muito longe da competitivade do futebol masculino. Os jogos foram horríveis, até o campeonato citadino de várzea aqui da região é melhor que aquilo. Claro, a ruindade de zagueiras, por exemplo, provoca o surgimentos de gols “aparentemente” bonitos, mas até aí existiam gols lindos no masculino na época em que se amarrava cachorro com linguiça, como bem disse o Felipão certa vez falando de outro assunto :-D

  6. Levantamento completo e bem humorado sobre o Pan :D Ótimo para quem acompanhou só uma ou outra modalidade… :)

    (e não sei quanto tempo vou levar para parar de rir da legenda da foto do Cauê deitado…)

  7. eu adorei!
    pra mim foi todos, os atletas se esforsaram bastante pra dar madalha para o Brasil
    estão de parabens!

    continuem assim!!!!!!!!!!

  8. Vocês estão de parabéns pelo o site pois fazem umas criticas ao Brasil que o mundo todo quer fazer e não tem coragem e aponta também não só os pontos fracos do brasil mais sim também fazem elogios….Parabéns

  9. Amei o “Top 5 dos Jogos Pan-americanos Rio 2007”

    Usei até para um trabalho escolar…
    Todos pra qm eu mostrei tbm gostaram muito…

    Só faltou falar do Desastre do futebol masculino… rsrs

Vai comentar ou ficar apenas olhando?

Campos com * são obrigatórios. Relaxe: não vou montar um mailing com seus dados para vender na Praça da República.


*