Referendo sobre armas: sim ou não?

O Brasil quer saber se o comércio de armas de fogo e munição deve ser proibido no Brasil. As frentes que defendem as duas respostas possíveis, sim e não, estão em plena campanha, apontando prós e contras.


Clique nos logos para visitar os sites oficiais

Sinceramente, não sei o que pensar. Vejo o “sim” com simpatia mas ao mesmo tempo com uma romantização excessiva, como se um voto pudesse determinar a paz do nosso povo. Ao mesmo tempo, a maior revista do país justifica seus argumentos para o “não” na sintaxe da pergunta proposta… A coisa é mais confusa do que se parece.

Aproveite sua resposta para pensar num texto sobre o assunto – e publicá-lo na próxima segunda-feira, em mais uma ação conjunta.

André Marmota acredita em um futuro com blogs atualizados, livros impressos, videolocadoras, amores sinceros, entre outros anacronismos. Quer saber mais?

Leia outros posts em Marmota pergunta. Permalink

Comentários em blogs: ainda existem? (8)

  1. Ambíguo também é meu pensamento sobre o assunto. Mas acho que vou acabar votando no não, por achar que não é proibindo a venda que as mortes por arma de fogo vão diminuir… Fazendo uma comparação: se há muitas mortes por atropelamento ou acidentes de trânsito, o que fazer? Proibir a venda de automóveis ou educar o motorista brasileiro e rever as leis de trânsito?

    Eles estão tentando “acabar” com a conseqüência, e não com a causa. Acho que o caminho não é esse…

    Um abraço!

  2. A propaganda eleitoral do NÃO me dá medo. Não, eu não sou a Regina Duarte, mas poucas vezes vi tão claramente a ‘direita’ entrar na minha casa. Romantizaçãoà parte do SIM, os argumentos para o desarmamento são mais nobres, eu diria. Uma arma, independentemente de educação, já foi fabricada com dois propósitos: matar (ou tentar, não importa o motivo) e movimentar a bilionária indúsria bélica, que com certeza está por trás do NÂO e por décadas possui um lobby poderoso no congresso. Dizer que é preciso desarmar os bandidos, não a população, é um discurso um tanto demagogico, eu penso. O bandido nunca teve autorização para ter uma arma. A arma dele é tão ilegal quanto será a do cidadão de bem.

  3. Eu voto SIM. Achei o fim a VEJA se manifestar com essa parcialidade. Os veículos de imprensa não deveriam ser sempre imparciais?

  4. Liberar o comércio de armas é aprovar o estado de caos social e o bangue-bangue com o qual nos acostumamos a conviver no Brasil.

    É claro que a simples proibição não irá acabar com a violência, mas é um passo básico pra sonharmos, um dia, com uma sociedade menos assassina e mais humana.

    Isso sem contar as experiências de outros países: olhemos para os Estados Unidos, com armas livres, e para seu vizinho Canadá, sem armas. Eu fico com a segunda opção, sem pensar muito!

    Ademais, sou frontalmente contrário à “Veja” logo de saída. Se ela diz não, eu digo sim; se ela apóia A, eu estou com B! Por princípio.

  5. Voto não. Tudo o que é proibido gera corrupção. Não precisamos de mais incentivo. Imagine a polícia negociando suas armas no paralelo…Socorro!!!!

  6. Voto não. E acho que nosso povo ainda não se acostumou com revistas que assumem claramente suas posições editoriais. Oras, a Veja faz campanha pro não, a Trip faz campanha pro sim, e cada um que fique feliz com sua revista preferida, ou com nenhuma delas.

Vai comentar ou ficar apenas olhando?

Campos com * são obrigatórios. Relaxe: não vou montar um mailing com seus dados para vender na Praça da República.


*