Que tal estudar (de verdade) na Alemanha?

Qualquer razão é muito boa para uma viagem a Alemanha. Conhecer lugares históricos ou os estádios da última Copa, fazer turismo com um passe de trem e uma mochila, visitar aquele parente distante na Pomerânia, comer chucrute com salsicha e tomar cerveja… Imagine a chance de se fazer isso aliado a uma oportunidade de estudos.

Se você se sente gabaritado para encarar um desafio na carreira, atenção para este aviso muito bacana do Marcio Weichert, assessor de comunicação do DAAD (sigla de Deutscher Akademischer Austausch Dienst, que quer dizer Serviço Alemão de Intercâmbio Acadêmico): estão abertas inscrições para mais um programa de bolsas de estudo para o aperfeiçoamento de jovens profissionais e acadêmicos na Alemanha. São cursos de pós-graduação em áreas relevantes para países em desenvolvimento.

Claro que isso não é para qualquer mané (como eu). São 41 cursos (três deles de doutorado), em alemão e inglês, nas áreas de administração, engenharia, matemática, agronomia, entre outros, espalhados em diversas cidades alemãs, com duração entre 18 e 36 meses entre 2008 e 2009. A bolsa mensal para os cursos master é de 715 euros, enquanto para os doutorados é de 975 euros. O DAAD ainda pode oferecer ajuda posterior de custo para viagem, auxílio-família e outros adicionais.

Ficou entusiasmado? Então veja se você preenche os pré-requisitos básicos: graduação completa (ou mestrado, para os cursos PhD), idade até 36 anos (em alguns casos até 32) e no mínimo dois anos de experiência profissional na área do curso escolhido.

Ah, sim, para cursos oferecidos em inglês será exigida proficiência no idioma – e aqui a coisa pega. Se você se garante no idioma bretão, o DAAD oferece um curso intensivo de alemão de dois meses antes da pós-graduação. Para os cursos em alemão, embora a bolsa inclua até seis meses de aulas do idioma, levam vantagem aqueles que comprovarem já estar estudando a língua ou terem conhecimentos de alemão.

A comissão de seleção vai levar em conta a qualificação do candidato, bem como a relevância da pós-graduação pretendida para sua atividade profissional ou acadêmica. Especialistas gestores em empresas privadas e estatais, órgãos públicos e organizações não-governamentais e profissionais em função de liderança têm prioridade. Terão preferência ainda os candidatos que sejam licenciados de seu trabalho, com promessa de reincorporação em seu retorno.

Mesmo que você não faça parte do público-alvo, não custa dar uma especulada ou mesmo arriscar e tentar. O programa de bolsas do DAA está completando 20 anos em maio, e desde então foram mais de quatro mil bolsistas, sendo que 90% deles concluíram os cursos, 76% retornaram a seus países de origem e 55% ocupam hoje posições em escalões intermediários ou altos. Ou seja: há uma grande chance de sua vida mudar.

Se você está interessado em fazer, ou conhece alguém que adoraria estudar em um país sensacional como a Alemanha (como a Menina Eva, espalhe a notícia. As inscrições para essas áreas vão até 24 de agosto. Independente deste programa, o DAAD orienta interessados em estudar e pesquisar na Alemanha a qualquer época. Além disso, esporadicamente surgem programas de bolsas nas áreas de medicina ou música e artes plásticas.

Agora, se você achou que é muita areia para a sua caçambinha, não desista: o escritório do DAAD em São Paulo fica no mesmo prédio ocupado pelo Instituto Goethe, que oferece cursos de alemão na Alemanha (é na Rua Lisboa, travessa da Cardeal Arcoverde, bem perto da Igreja do Calvário). E quando você já estiver na Alemanha, dê um toque: quem sabe eu não arrume um pretexto para rever essa terra tão bacana?

André Marmota tem uma incrível habilidade: transforma-se de “homem de todas as vidas” a “uma lembrancinha aí” em poucas semanas. Quer saber mais?

Leia outros posts em Plantão Marmota. Permalink

Vai comentar ou ficar apenas olhando?

Campos com * são obrigatórios. Relaxe: não vou montar um mailing com seus dados para vender na Praça da República.


*