Qual seu país favorito na Europa?

Além de viajar comigo, com o Lello e com a Lu durante três semanas, o MMM convidou seus visitantes a opinarem sobre o nosso itnerário. Elencamos os países europeus onde nos perdemos – Portugal, Espanha, França e Itália – e perguntamos: qual deles você tem mais vontade de conhecer? Em pouco menos de um mês, nossa enquete contou com a opinião de 67 votantes. Vamos aos resultados!

As duas opções que englobam (ou não) as quatro nações foram bem votadas: 20,9% dos internautas preferem repetir a nossa “sandice” e conhecer todos – garantimos que funciona bem, apesar do cansaço. Outros 14,9% não vêem graça nenhuma – aqui entram motivos nacionalistas (algo como “prefiro conhecer o Brasil primeiro”) ou não (os do time “alternativo”, com preferências exóticas).

Portugal e Espanha, com 11,9%, foram os dois países que receberam menos votos. Pessoalmente, reservaria 30 dias de férias num futuro mais distante para conhecer todos os recantos de nossos colonizadores – sem esquecer da conservadora Porto e a cosmopolita Lisboa, duas cidades muito contrastantes, mas com um idioma que nos faz sentir em casa.

Em Madrid e Barcelona, passamos longe das atrações ditas “tradicionais”: ao invés de touradas e outras coisas típicas, encontramos duas cidades agitadas e de astral bastante elevado. Quem sabe um dia eu consiga comparar esse clima com o de locais como sevilha ou mesmo Toledo, mais perto da capital espanhola.

Na sequência, aparece a França, com 14,9% da preferência do eleitorado. E aqui, cabe uma ressalva: uma coisa é o país, outra é Paris. Definitivamente, a cidade-luz é parada obrigatória. Desde suas maiores atrações até o supermercado do bairro. Não é difícil se apaixonar pela cidade, apesar da presença dos franceses. Sem eles, Paris seria perfeita.

Brincadeiras à parte, saí da cidade com a impressão de que, aos poucos, o povo da cidade está menos resistente à presença estrangeira. Não apenas nas principais rádios FM – emissoras tão pop quanto a nossa Jovem Pan, mas também no tratamento com os estrangeiros. A maioria não dava a menor pelota para o nosso idioma, mas uns poucos (boa parte deles vendedores se esforçavam para estabelecer comunicação.

A opção mais votada pelos nossos visitantes, com 25,4%, é a Itália. E realmente vale a pena – com exceção de Roma, que me provocou uma teimosa decepção – se não tropeçava em história, esbarrava em sujeira ou em indivíduos mal educados. Nosso bate-e-volta em Bari e Polignano a Mare, na região da Puglia, foi um dos melhores momentos da viagem.

Sem falar em Veneza, a única das sete cidades que me deu vontade de voltar – preferencialmente bem acompanhado. Um detalhezinho ínfimo, que pode ser resolvido a qualquer momento.

Como sempre, nossa enquete nunca acaba quando termina: não deixe de registrar suas observações sobre Portugal, Espanha, França e Itália, ou mesmo destinos quaisquer na sua viagem dos sonhos.

Comentários em blogs: ainda existem? (10)

  1. Na primeira e única vez em que tive a chance de ir à Europa, seis anos atrás (quando o nosso glorioso real estava 1 a 1 com o dólar, ilusão que se desfez poucos meses adiante, mas isso é outra história…), conheci Itália, França e Espanha – além da Inglaterra. Ou seja: quero ir pra Lisboa!!! Uma grande pena não ter passado na “terrinha” daquela vez. Vai saber quando terei a chance de novo…Portugal, Portugal, Portugal!

  2. Bom, gostaria muito de conhecer Portugal, além de todo o resto da europa tb. Quanto a questão de reconquistar pessoas, do filme como se fosse a primeira vez tb achei bem legal. Outro filme que, de certa forma aborda essa questão dos relacionamentos é ‘brilho de uma mente sem lembranças’, bem interessante também.

  3. Eu votei em nenhuma dos 4 países listados porque se eu tivesse como ir pra Europa, iria para outros 4 lugares: Reino Unido (Londres, Manchester, Liverpool, Glasgow e Dublin), Leste Europeu, Russia (Moscow e Sibéria) e Grécia (pela rica história)…

    Se bem que só o Reino Unido já valaria um mês de viagem…

    Um abraço!

  4. Portugal e Espanha nao tive a oportunidade de conhecer ainda, mas Italia (uma grande volta de carro e duas repeticoes do norte, em especial)e Franca, sempre Paris, o Vale do Loire, Alsacia e sua rota do vinho, Lorena, Rhone (Lyon) e os Alpes, tudo soou perfeito nos planos e na execucao dos mesmos. Sao atracoes para serem degustadas aos poucos, em boa companhia,como os bons vinhos. Roma, depois da Grecia, eh de onde viemos. Fiquei encantado com ela tambem.

    A experiencia com os locais, sejam italianos ou franceses, eh relativa e pessoal: nunca tive nenhum tipo de problema com nenhum deles…

    abraco.

  5. Eu votei em nenhum deles porque não tenho preferência. Mas se fosse viajar, realmente prefifiria conhecer alguns lugares do Brasil primeiro, sem necionalismos, porque tem gente que só conheço por internet ou cartas e gostaria de conhecer pessoalmente (e a pessoa lá também). Além disso, tenho uma cunhada morando na Bélgica e tenho um amigo casado com uma austríaca. Se fosse para a Europa, passava por esses lugares.

  6. André, tanto falam dos incômodos franceses que tá na hora de reclamarmos Paris como patrimônio humano E tirarmos os franceses de lá. Vamos encher Paris de alemães!!!! O quê? Não vai dar certo?

  7. Eu adoro Roma, embora a minha cidade seja Paris. Não gostei de Veneza, talvez por estar cansado, talvez por não gostar do cheiro, não sei. E a Grécia, com exceção de Rodes e da Acrópole em Atenas, foi uma das maiores decepções da minha vida.

  8. Como português e sendo Lisboa a minha cidade (é uma bela cidade e requer tempo na visita), considero que há diversas cidades na Europa que merecem visitas alongadas, nomeadamente as supracitadas, mas também outras, como Praga ou Cracóvia. A Europa embora seja do tamanho do Brasil (ou será mais pequena?) também ela é, multicultural e como tal, plena de interessa em qualquer ponto. Eu neste momento atirar-me-ia para Istambul ou Dublin.
    Um grande Abraço

Vai comentar ou ficar apenas olhando?

Campos com * são obrigatórios. Relaxe: não vou montar um mailing com seus dados para vender na Praça da República.


*