Praticamente completando o “perfil do autor”

Bem ali, num cantinho do menu, tem um link apontando para “quem é Marmota”. Nem todo mundo encontra, haja vista o volume de e-mails contendo ameaças como “quem você pensa que é para fazer/falar uma coisa dessas?”. Se clicassem ali, certamente encontrariam alguma resposta.

Infelizmente, meu breve perfil reflete o descaso das áreas no domínio próprio, e não passa por grandes atualizações há um bom tempo. Depois que eu finalmente participar da solene inauguração do Clube dos Procrastinadores Anônimos, pretendo incluir ali uma espécie de “faq do Marmota”, com perguntas e respostas corriqueiras sobre uma porção de temas. Ainda que pareça uma tremenda grosseria, é uma forma rápida e fácil de atender aos três ou quatro questionários repetidos que surgem vez ou outra – se bem que, a graça da vida é responder a uma mesma pergunta de maneira distinta a cada momento…

Mas enfim. Enquanto não faço isso, aproveito este começo preguiçoso de feriado para atender ao pedido da Bárbara. Entusiasmada com “seu primeiro meme”, ela me convidou para responder ao questionário chupinh… ops, sugerido pelo precoce Ibrahim Cesar a partir desta entrevista de Tobin Bell para a Variety. Obrigado, Bárbara!

Último livro comprado
Foi no aeroporto de Guarulhos, a caminho do BarCamp Rio esses dias: Almanaque da Telenovela Brasileira, do Nilson Xavier. Não sei como eu consegui passar a minha vida sem esse guia de referência fundamental.

Estou lendo agora
Estou terminando de ler “Conectado – o que a Internet fez com você e o que você pode fazer com ela”, de um dos meus ídolos, o Juliano Spyer. Os primeiros capítulos apresentam conceitos relativamente conhecidos para quem trabalha no ambiente virtual. Mas também apresentam definições que preenchem lacunas fundamentais para quem quer entender a dinâmica das redes sociais. Deixei para ler no feriado, com a mente aberta, a parte final, com exemplos de comunidades, questões diversas e desafios para o futuro. O Vicente Tardin e o Gilberto Jr também comentam o livro.

Número de livros que eu tenho
Uns cinco. Só na cabeceira da minha cama. Se contar estantes, prateleiras, sofás, mesas, armários, banheiros e afins, dá muito mais. Se um dia eu tiver que sair de casa e levar todos eles para um outro canto, vai ser o apocalipse.

Três livros que significam muito pra mim
Difícil atribuir a apenas três livros algum significado que transcenda o significado de uma existência. Alguns que surgem na memória agora: meu antigo “Manual da Redação da Folha”, que folheei esses dias, praticamente confirmou minha escolha profissional; “Alta Fidelidade” , do Nick Hornby, que só tive a chance de ler enquanto viajava por Buenos Aires e Montevidéu, em 2006; finalmente, “Sala de Redação”, do José Coiro e Cléber Grabauska, conta a história de uma das mais tradicionais “mesas-redondas” do Rio Grande do Sul – e é fonte de inspiração para o meu projeto interminável de podcast…

Últimos filmes que eu vi
No cinema, “Tropa de Elite”, como outros milhões de brasileiros. Em casa, “Motoqueiro Fantasma”, com o cara de tacho do Nicholas Cage e a indescritível Eva Mendes.

Filmes que significam muito pra mim
De Volta Para o Futuro, como já escrevi antes.

Último CD que eu comprei
Foi esses dias, num passeio pela Rua Augusta: encontrei a incrível trilha de Kill Bill a um precinho bem camarada.

Três músicas que significam muito pra mim
Nossa, a trilha sonora da minha vida deve ter uns 500Gb ocupados… Mas enfim. As três mais tocadas no playlist atual: Baba O’Riley, do The Who; Sobre o Tempo, do Nenhum de Nós; e Rolam as pedras, do Kiko Zambianchi.

Bebida favorita
Água, e todos os seus derivados. Se bem que, de uns anos pra cá, tenho exagerado na Coca-Cola…

Entidade favorita
Entidade? Como assim? Segundo a Wikipedia, o termo “entidade” pode ser: um conceito de filosofia; um ser sobrenatural no candomblé, no espiritismo e na umbanda; um conceito de informática e computação; um princípio contábil de escrituração. Tem ainda aquela que forma o chavão “entidade sem fins lucrativos”… Puxa vida, não tenho nenhuma entidade favorita. Será que eu tenho cura?

Férias favoritas
As próximas, que sempre renovam aquela sensação indescritível das anteriores.

Vício favorito
Esse tal MSN (maldito sugador de neurônios)…

Como de praxe, não vou passar a corrente para ninguém. Agora, se você ficou interessado(a) em seguir com a brincadeira, avise seu nome e endereço que eu registro seu link por aqui o quanto antes.

André Marmota é professor universitário e ouvinte frequente da pergunta “mas e além disso, você também trabalha?”. Quer saber mais?

Leia outros posts em Alô Marmota. Permalink

Comentários em blogs: ainda existem? (3)

  1. Não sei se você está de bob e meu comentário está em fila. Vou seguir teu meme, coisa rara, só porque é bom para atualizar perfil também, e é você quem o escreveu( seu meme) de forma bem humorada como sempre.

  2. Nossa, como conseguiram te fazer participar desse meme? À base de chicote e pau de arara? O.o

    Bom, mas vem cá, pra quando está marcada a inauguração do Clube dos Procrastinadores Anônimos mesmo? É pra essa segunda ou na outra?

  3. Aha, o senhor tarda, mas não falha, né? Assim com eu. Faz mais de 15 dias que vc fez o post e só agora eu vim comentar!

    Beijos

Vai comentar ou ficar apenas olhando?

Campos com * são obrigatórios. Relaxe: não vou montar um mailing com seus dados para vender na Praça da República.


*