Porque não costumo opinar sobre política

Assim como praticamente toda a massa de cidadãos desse país, admito minha parcela de alienação e comodismo, culminando na conivência nacional diante de um sistema acostumado a privilegiar um bando de gente mal intencionada, mas escolhidos por nós para defender os interesses da sociedade. Devia agir como os colegas do Bombordo e buscar reflexões sensatas para formar um ponto de vista político minimamente consciente.

Mas para isso, tenho que tomar um banho de sal grosso e descarregar essa inércia mental, o que não é mole. A constatação veio essa semana, assim que reli um comentário que fiz em agosto, sobre o então ministro Antonio Palocci. Na época, o furacão das CPIs permanecia implacável, e as primeiras denúncias envolvendo o ex-prefeito de Ribeirão Preto começaram a pipocar – todas ligadas ao seu mandato na cidade paulista.

Evidentemente, jamais colocaria a mão no fogo por ele, mas achei muito bom o simples fato do Palocci ter reunido a imprensa em pleno domingo (domingo!) e se posicionou com firmeza, preservando a confiança do mercado nos rumos da economia. Tudo bem, conhecemos o roteiro de qualquer crime: pensar friamente, executar silenciosamente e negar veementemente. Mas em meio a um bando de bananas governistas do executivo e legislativo, Palocci tinha sido o único até então a falar sem se esquivar, personificando o “lado bom” da administração federal.

O tempo passou e a firmeza do homem forte do governo não existe mais. O cururu se reunia com correligionários e moças de fino trato, numa casinha simpática perdida no Lago Sul em Brasília, para falar do caixa 2 do partido e se divertir um bocadinho – exemplo cabal de que o PT definitivamente confundiu partido com governo, talvez seu grande erro. A instalação da República de Ribeirão foi testemunhada pelo caseiro Francenildo Santos Costa, que virou testemunha importante para elucidar a lambança. O destino do ex-ministro foi selado, no entanto, quando o extrato bancário do pobre Nildo foi parar nos jornais: ele tinha recebido um belo incentivo para falar. Mas a questão foi: quem diabos tem o direito de quebrar o sigilo bancário para desmoralizar uma testemunha? Com a suspeita em suas costas, a casa definitivamente caiu para o Palocci.

Mas nem sempre o buraco do poço acaba. Ao contrário do que fez em agosto, resolveu brincar de esconde-esconde com o país, conseguindo mobilizar jornalistas para um lado, enquanto a Polícia Federal estreou um novo serviço: o depoimento delivery, onde delegado vai até sua casa para ouvi-lo e indiciá-lo! Claro, desde que você seja alguém influente. Ou você acha que o Nildo também tem direito ao serviço prime da PF? Francamente.

Talvez uma das poucas coisas aproveitáveis do discurso de agosto foi a frase: “as pessoas passam, mas as idéias econômicas ficam”. Mas qual foi a minha conclusão daquela vez? Que o PT devia aprender com o Palocci. Hahahaha! É melhor recolher minha ignorância, deixar a política de lado e falar sobre as peladas do Big Brother.

André Marmota acredita em um futuro com blogs atualizados, livros impressos, videolocadoras, amores sinceros, entre outros anacronismos. Quer saber mais?

Leia outros posts em Plantão Marmota. Permalink

Comentários em blogs: ainda existem? (5)

  1. Pois eu repito, hoje, um trecho do comentário que fiz no post de agosto:

    “De fato: eu digo que isso não passou de lorota para engambelar o mercado – coisa que o governo aprendeu bem com o anterior -, discordo da política econômica e da falácia do crescimento e geração de empregos, e acho que é mais um teatrinho, já que o cidadão tem tudo para estar metido na chafurdagem”.

    Ah, e continuo achando que o pior de tudo isso, mais até que o caseiro e a casa do lobby (que são mesmo lamentáveis), é a POLÍTICA ECONÔMICA do Palocci. Ou melhor: do Palocci, do Lula, do Malan, do FHC…

    Será que o Brasil um dia vai perceber que PT e PSDB não são as únicas cerejas do bolo???

    Abraço!

  2. Você fala em alienação? Olha o que o meu mês de férias me causou: Ainda não vi a tal da dancinha da deputada; não sabia que o Palocci havia caído (e levado junto o presidente da Caixa)…

    Alienado sou eu, que nem consigo formar uma opnião a respeito…

    Um abraço!

Vai comentar ou ficar apenas olhando?

Campos com * são obrigatórios. Relaxe: não vou montar um mailing com seus dados para vender na Praça da República.


*