Pânico na TV: o que acha?

“Vocês são o novo Monty Python”, disse certa vez o empresário Roberto Justus, em entrevista ao Programa Pânico, comparando a nova coqueluche da TV nacional aos humoristas ingleses – responsáveis por uma verdadeira quebra de paradigma do humor mundial.

Sim, porque boa parte das “experiências” que vieram depois das idéias de John Cleese, Graham Chapman, Michael Palin, Terry Jones, Eric Idle e Terry Gilliam, podem ser consideradas “inspiradas” nas críticas ácidas e idéias nonsenses dessa trupe. E isso inclui “TV Pirata”, “Casseta & Planeta” e, porque não dizer, o próprio Pânico na TV, exibido aos domingos pela Errei de TV.

Ou seja, apenas para frisar minha opinião: genial foi “Monty Phyton”. Como acredito ser “Seinfeld” ou “Saturday Night Live”. Não o Pânico. O que não se pode negar, evidentemente, é a carga extra de ousadia do grupo comandado por Emílio e Bola. Na defesa, três zagueiros: Japa, Carioca e Mendigo. No meio, um “Zé Fofinho” que virou mania imitando Gugu Liberato e seu “olhaaaaa!!!”. E no ataque, Ceará e Repórter Vesgo, responsáveis pelas melhores performances do programa de TV.

Ousados já estaria de bom tamanho. Mas muitos dos visitantes do MMM aprovam a declaração de Justus e consideram “Pânico na TV” genial, o “novo Monty Python”. Essa foi a alternativa escolhida por 42,6% dos mais de duzentos internautas que participaram de nossa tradicional enquete.

As outras opções – que juntas correspondem a maioria – trazem ao menos algum questionamento. Para 20,8%, “Pânico na TV” não passa de uma moda passageira (o que pode não acontecer, caso a trupe consiga reinventar seu humor a cada semana). 14,4% definiram o programa como “grande porcaria, sem graça nenhuma”. 11,9% revelaram desconhecer a atração, enquanto 10,4% encaram a coisa como exagerada, debochada demais.

Opiniões divididas, mas uma constatação que inclusive já foi observada aqui: trata-se de mais um produto importado do rádio, como acontece há mais de 50 anos.

A partir de agora, Marmota Pergunta muda de assunto, aproveita a Semana Santa e encara o “terreno minado” da religião: topas um churrasquinho na próxima sexta-feira?

Comentários em blogs: ainda existem? (7)

  1. O Pânico acerta ao escancarar a mediocridade dominante da tevê aberta brasileira com um troco na mesma moeda.

    E merece aplausos só por isso: mostra à tevê o quanto ela é ruim, bizarra e pobre, usando exatamente as mesmas armas.

    Abração!

  2. Eu vi a tua enquete e não respondi porque não encontrei resposta que me satisfizesse.
    Sim, eu dou muita risada com os caras, porém acho que às vezes eles passam o limite entre o exagerado e o aceitável.
    Um exemplo simples, na semana retrasada eles convidaram umas tontinhas pra cantar no palco deles, e com certeza existe um motivo maior do que apenas zoeira, deixaram apenas a imagem das gostosas e sobrepuseram com uma música clássica, de Vivaldi se não me engano.
    Agora, depois dessa, se você fosse um cantor, você teria coragem de ir cantar num programa desses?
    Abração

  3. Eu faço parte dos 11,9% dos que desconhece a “atração”…

    E eu já te disse a minha resposta a enquete ne? heheheheh
    Tendo Chocolate de sobremesa, vale qualquer tipo de carne…Se bem que, naturalmente não gosto muito de carne vermelha!
    Beijo

  4. Pânico na TV? É legalzim, mas não é tudo isso…Até porque, não creio que a chamada ironia ácida deles seja proveniente de alguma inteligência…
    A questão do churras: Acho legal o protesto. Principalmente porque a maioria das pessoas não tem como arcar com o famoso bacalhau. Só que eu queria ver a mesma energia pra falar mal de uma Rede Globo ou duma meia dúzia de “jornalistas”. “O umbigo do outro tá sujo, né? E o seu?”

  5. Muito pior que um churrasquinho na próxima sexta-feira, é um churrasquinho ao som de um chorinho.

    No Crematório de Vila Alpina.

Vai comentar ou ficar apenas olhando?

Campos com * são obrigatórios. Relaxe: não vou montar um mailing com seus dados para vender na Praça da República.


*