Nova Novíssima Reforma Ortográfica da Língua Portuguesa

Nos últimos meses, provavelmente você já decorou todas as regras da Nova Ortografia. Tudo já foi dito, todos já contestaram e reclamaram – tanto aqui quanto em Portugal, onde há um forte movimento contrário. Enfim, o melhor texto que vi sobre as mudanças foi do Mario Amaya – que, curiosamente, repetiu A História do Mundo de Mel Brooks e limitou-se a escrever apenas a “parte 1”.

De toda forma, concordo com o Tuca: os pensadores por trás da reforma perderam a grande chance de ouvir quem realmente usa o português diariamente e adotar algumas expressões correntes, como “asterístico”, “a nível de” e “enquanto”. Para ir além no debate e colaborar com possíveis discussões a respeito do tema, desenvolvi ao lado do amigo Narazaki uma série de modificações, que podem cair ao gosto do povo.

Apresentamos agora a Nova Novíssima Reforma Ortográfica da Língua Portuguesa:

Fim do acento grave. Existe uma espécie de divisão soberana entre os luso-parlantes que sabem reconhecer um “a” formado por preposição e artigo do resto. Como se esta informação fosse capaz de separar as criaturas do meu círculo social de amizades da ralé ignorante e desprezível. Para estimular esta união e acabar com as diferenças, derrubamos o acento grave. Aproveitamos para resolver um problema corriqueiro: quantas vezes você não se sentiu um tremendo idiota ao se perguntar “tem crase aqui?”.

Fim do hifen. Ao invés de resolver o problema, a atual reforma complicou tudo, derrubando o hifen de substantivos compostos que mantenham unidade semântica. Até hoje não sei se “rádio-relógio” tem hifen ou não. Da mesma forma, esse tracinho (que serve ainda para acompanhar pronomes) é sempre confundido com o travessão. Sem falar na trivial separação de sílabas em frases mais longas – coisa que nem todo mundo sabe fazer. Logo, acabamos com o hifen para sempre e pronto!

Fim do ponto e vírgula. Certamente alguém poderá questionar o fim do acento grave e do hifen, mas duvido alguém apresentar algum argumento palpável para a manutenção do ponto e vírgula. “Ele serve para dar uma pausa maior”, entre outras atribuições como enumerações, supressões… Essas coisas que ninguém sente falta. Só existem duas funções claras para este sinal atualmente: associá-lo ao Wagner Montes ou exibir um smiley piscandinho. Nada além disso: fora com ele.

Fim do H. Ninguém pronuncia o H. Tal falha na prosódia faz com que sua existência seja completamente desnecessária. Angar, aver e oje podem parecer monstruosas, mas leia outra vez: faz diferença? “E ouve, é do verbo ouvir ou aver?” Ué, depende do contexto, como em qualquer idioma decente. Quanto aos fonemas do LH ou NH, basta trocá-lo por i. Assim, sua mãe terá que ter cuidado para “coziniar uma galinia velia”. Simples assim.

Fim do tu/vós. É muito estranho para qualquer pessoa chegar a uma sala de aula e exercitar tempos verbais diante dos pronomes “tu” e “vós”. Apenas alguns estados do Nordeste e o sul do Brasil (de maneira equivocada, diga-se) usam estes arcaicos pronomes de segunda pessoa. É você ou vocês, não acham?

Revisão das conjugações. Já que falamos em verbos, por que não incorporar algo que funciona perfeitamente no inglês: vamos acabar com mais da metade destas variações. Até porque, o que vai determinar o direcionamento das ações é o pronome pessoal. Assim, o verbo ir no presente do indicativo ficaria: eu vou, você vai, ele vai, nós vamo, vocês vão, eles vão. Pegou? O próprio verbo estar também seria simplificado, dentro das regras mais populares: eu tô, você tá, ele tá, nós tamo, vocês tão, eles tão.

Fim da desinência de plural. Percebeu como, além de determinar o sujeito da ação do verbo, o pronome também indica singular ou plural? Por que diabos concordar qualquer substantivo, desperdiçando “esses”? Dois pastel, oras. Está claro que é dois pastel.

Fim do mais-que-perfeito. Coisa mais desnecessária diferenciar um passado de outro ainda mais passado. Já está bom demais diferenciar pretérito perfeito do imperfeito, além de entender o uso do subjuntivo e o condicional. Aliás, só por conta disso valeria repensar essa quantidade de tempos verbais nostálgicos. Vamos pensar pra frente.

Igualdade entre pronomes pessoais. Você sabe a diferença entre “eu” e “mim”? Normalmente “mim” não faz nada, por ser um pronome oblíquo. Mas convenhamos: nem todo mundo leva isso em consideração. Por que não considerar estes dois tipos equivalentes? Será melhor assim, para mim escrever da maneira como der na telha.

Gerúndio liberado e sem o D. Por fim, se não podemos com o gerundismo, aceitamos e pronto. Vou mais longe: com a natural utilização do gerúndio ao invés dos tempos futuros, não vai demorar para que o “D” também ir pro saco. Logo, se “estar fazendo” é horrível, acostume-se com “tá fazeno”.

Enfim, se tivé outras sugestão, você pode tá comentano. Enquanto isso, vô ali no terreiro catá umas galinia veia pra mim tá cozinhano oje a noite.

André Marmota acredita em um futuro com blogs atualizados, livros impressos, videolocadoras, amores sinceros, entre outros anacronismos. Quer saber mais?

Leia outros posts em Faça fazendo. Permalink

Comentários em blogs: ainda existem? (15)

  1. O não também pode virar naum! Tudo bem, tem uma letra a mais e dá mais trabalho pra escrever, mas já que é pra assumir todas as manias coloquiais, então vamo nessa! :D

    Abraço! Esse post ficou ótemo!

  2. Para os verbos, creio que deveríamos adotar a conjugação binária, “eu e os outros”:

    . Eu vou
    . Os outros vai

    Assim:

    . Eu vou
    . Tu vai
    . Ele vai
    . Nós vai
    . Vós vai
    . Eles vai

    Fácil, fácil :)

  3. Assino embaixo, começando pelo ífen (sem “h”, né?), o “traço de uniao que separa duas palavras”.
    (acho que é do MIllor essa definição)

  4. A nível de Nova Novíssima Reforma Ortográfica da Língua Portuguesa devo discordar da queda do H, afinal, nomes belos como Helena ficariam prejudicados.

    Também devo te lembrar que a nível de uso de tu, os paraenses também usam muito e são nortistas.

    Como sugestão, permitiria o uso de “há muito tempo atrás”, que eu enquanto professora de português e jornalista adoro usar.

    Beijo! ;)

  5. Menino! Essa sua reforma seria um arraso! Um arraso total com a forma culta! kkkkkkkk

    Em tempo: qual o plural de arroz? E de mel? Tive um curto-circuito e fiquei na dúvida… me perguntaram esses dias e não soube responder!

  6. “tempos verbais nostálgicos. Vamos pensar pra frente.”

    Rolei de rir!!! É uma nostalgia mesmo esse monte de passado, hahahaha!!

    Ótimas regras, Marmota!

  7. hahahahahaha
    Realmente, o “tá fazeno” é clássico!
    :)

    Por pura preguiça, quando conjugo o verbo ‘estar’ no passado, troco o V pelo R. Algo como “eu tarra fazeno”. Bem mais simples.
    :D

  8. Como assim, “ninguém usa tu”? Tu ficou doido? Tu pirou? Tu enlouqueceu? Se tu estiver se referindo à (opa) conjugação da segunda pessoa do singular, eu até te entendo;(epa) porém, o pronome fica! E pronto!

    (Aliááás, eu tenho pra mim que o único lugar onde se usa “você” é em SP, MG…e na TV. Todo o resto do Brasil usa tu. Opa, isso ficou dúbio.)

    Quanto à (opa) desinência de plural, eu não sei. Raramente uso plural, pois acho MUITO pedante usar plural. Prefiro contorná-lo – um monte de pastel, muito pastel, pastel pra caramba, uma carrada de pastel, quanto pastel! – mas dificilmente eu diria dois pastel ou cinco ovo…

    E quanto a tirar o D do gerúndio, eu fico com a Cyn: aí já é muita iskuliambaçaum.

Vai comentar ou ficar apenas olhando?

Campos com * são obrigatórios. Relaxe: não vou montar um mailing com seus dados para vender na Praça da República.


*