Nos bastidores de nossa agência de turismo

Cenário um: três amigos decidem passear na Europa. Procuram uma mega agência de viagens, escolhem alguns pacotes fechados, desembolsam uma bela grana e aguardam ansiosamente a companhia de casais aposentados, japoneses e outras figuras em passeios pré-determinados.

Cenário dois: os três amigos procuram a mesma agência apenas para garantir o melhor preço para as passagens de ida e volta (uma chegando em Porto e outra saindo de Roma) e o seguro saúde. Todo o resto fica por nossa conta.

Não sei quanto a você. Mas eu prefiro a segunda opção…

O fato de sermos três pessoas que se aturam facilmente, a ponto de encararem uma viagem desse tamanho juntos, traz uma grande vantagem no quesito hospedagem: financeiramente, dá na mesma bancar a diária de um albergue ou de um quarto triplo em uma pensão. Por um lado, teríamos um rico convívio ao lado de pessoas do mundo inteiro – até na hora de dormir… Por outro, garantiríamos alguma privacidade e conforto a mais.

Democraticamente, optamos por quartos triplos. Assim partimos para o Google, abrindo oficialmente a nossa “agência de viagens” caseira. Descobrimos, também com a ajuda dos amigos viajados, que em Portugal os melhores preços estão nas “pensões”; na Espanha, existem os “hostales”; enquanto na Itália, a melhor saída são os “bed & breakfast”. Em Paris, nossa francesa de bordo encontrou um hotel simpático e com preço em conta. “E bem localizado”, garantiu.

Durante a empreitada, constatamos algo que dificilmente percebemos em nossas buscas corriqueiras no Oráculo: toda e qualquer coisa relacionada a um provável gasto altera completamente a relevância das buscas. Ao digitar “pensão do Zé”, por exemplo, o site oficial do estabelecimento aparece (quando aparece) bem abaixo de outras picaretagens, que vendem serviços de hospedagem. Algumas “con descuento”…

Ao mesmo tempo, tomamos outra decisão fundamental durante o planejamento: como seriam os deslocamentos entre as cidades. A grande sacada na Europa é o trem: todo o continente é bem servido por uma portentosa malha ferroviária. Ao mesmo tempo, com um único passe, é possível circular por vários países.

Por outro lado, pipocaram no velho continente as chamadas companhias aéreas low frills. A nossa Gol, para ser bem claro. Isso pesou bastante em nossa decisão, democrática mais uma vez, em optar pelo avião nos deslocamentos maiores, mantendo o trem apenas para circulação dentro de Portugal e Itália.

Com isso, desembolsamos pouco menos de 300 euros – praticamente o preço de um eurail pass para garantir passagens entre Lisboa – Madrid, Madrid – Barcelona, Barcelona – Paris e Paris – Veneza. Levamos em conta ainda o tempo ganho nessa brincadeira: no máximo três horas, incluindo check-in e afins, comparado a dez, doze horas no comboio. Por fim, avaliamos que não valeria uma provável economia em diárias encarando viagens noturnas, em tese, mais cansativas.

Enquanto fechávamos as passagens, outro problema: nem todas as companhias trabalham com o e-ticket. Ou seja, o sujeito compra pela Internet mas precisa ir até a agência em até 24 horas para pegar o bilhete e garantir a viagem – claro que isso só poderia acontecer em Portugal.

Poderíamos correr o risco e comprar as passagens apenas em solo europeu – e constatar que algumas companhias chegam a baixar os preços horas antes do embarque. Cautelosos, como qualquer marinheiro de primeira viagem, verificamos que os sites de viagens brasileiros, como o Decolar ponto com, emitem aqui mesmo essas passagens, cobrando exatamente o mesmo preço. Lugares garantidos, portanto!

Se durante as noites de preparação conseguimos descobrir esse “caminho das pedras”, seja ele o melhor ou não, imaginem o que nos espera durante vinte dias… Mente aberta para encarar roubadas com naturalidade, sem desprezar a diversão!

Comentários em blogs: ainda existem? (2)

  1. O que seria dessas loucuras que a gente faz de vez em quando se nao fossem as famosas “roubadas” em que a gente se mete? Espero que se divirta bastante pelo Velho Continente – que viagem sensacional, to morrendo de inveja!!! – e depois trate de contar tudo no blog. Continuo leitor assiduo, mesmo de longe, embora este tenha sido apenas meu segundo comentario por aqui, eu acho…Abracao!

  2. Óoooootima viagem pra vcs! Registrem tudo e aproveitem bastante. Um dia ainda embarco pro mesmo destino.

Vai comentar ou ficar apenas olhando?

Campos com * são obrigatórios. Relaxe: não vou montar um mailing com seus dados para vender na Praça da República.


*