Não chores por mim, Argentina!

Viajar é uma delícia, e felizmente 2002 está cheia de boas recordações. Algumas delas você já pode acompanhar aqui mesmo, no MMM: Rio de Janeiro em setembro, Curitiba em outubro… A grande viagem do ano, no entanto, aconteceu no primeiro semestre, época em que um dólar ainda custava R$ 2,50. Em 15 de abril, eu e alguns amigos estávamos voltando da nossa churrascaria preferida. Um deles, o Marcelo Sakate, deu a idéia.

– Vamos para Buenos Aires?

Era o auge da crise argentina, dos panelaços, do curralito e da busca desenfreada por dólares. Ao mesmo tempo, era um período excelente para conhecer o país vizinho: pacote de três dias custando cento e poucos dólares, sem falar nos preços dos produtos por lá, graças a desvalorização do peso. Tínhamos duas opções: ou iríamos antes da Copa ou deixaríamos para o final do ano. O tempo e o mercado atribulado nos mostraram que a nossa decisão foi a melhor!

A viagem do ano começou na manhã de sexta-feira, três de maio. Marcelo Sakate, Fernando Narazaki e eu cuidávamos da nossa programação em território argentino durante o café, no McDonalds do aeroporto de Guarulhos. Minutos depois, já estávamos no boeing da Aerolineas Argentinas, ouvindo instruções do comandante num estranho “inglês espanholado”, a caminho de Buenos Aires! A bordo, não resisti a piada fraca: “Frango! Franguito!! Franguinho!!!”, disse para a aeromoça na hora do almoço. Teve mais: perguntei “como se dice eso en español”, apontando para uma garrafa de refrigerante. Ela respondeu educadamente: “Coca Cola, por supuesto”.

Desembarcamos em Ezeiza por volta da uma e meia da tarde. Traslado ao Hotel Republica, em frente ao Obelisco na avenida 9 de Julio. Deixamos as malas no quarto e tratamos de conhecer a cidade. Precisávamos ainda trocar alguns dólares por pesos, tarefa bastante fácil em uma cidade sedenta por doletas. Entramos numa lanchonete, pedimos pedaços de pizza e pagamos com cinco dólares . O troco, em pesos, não dava para nada: o dono pagou apenas $ 2,80 em cada dólar. “Fomos enganados”, lembra Narazaki.

Mas não foi só aí. Ingrid, nossa guia da agência, foi bastante clara durante o nosso traslado: “aqui em Buenos Aires você não gasta mais de sete pesos em um táxi”. Talvez o estádio do River Plate, no distante bairro de Nuñes, não estivesse no mapa da Ingrid. Entramos em um dos tradicionais carros pretos com detalhes amarelos e logo meus dois companheiros foram abordados pelo motorista.

– Usted son de Japón o Corea?

Até explicarmos que éramos brasileiros, falar muito de futebol, cruzar a Avenida del Libertador e fazer uma bela volta, gastamos dez pesos. “Fomos enganados!”, lembra mais uma vez Narazaki. De qualquer forma, chegamos ao Monumental de Nuñes e conhecemos todas as instalações do principal estádio de futebol da cidade! Bem feito para Lello Lopes, que desistiu da viagem dias antes.

Ainda seríamos enganados mais uma vez naquela sexta-feira. Pedimos uma boa indicação para o jantar na recepção do hotel. A sugestão era uma churrascaria em Puerto Madero, bairro que outrora abrigava o porto da cidade, abandonado na época da mudança mas totalmente reurbanizado há alguns anos. O lugar agora abriga escritórios comerciais, bares e restaurantes, se transfmroando um belo ponto de encontro durante a noite.

Antes do jantar, ainda paramos para telefonar. Narazaki sabia como ligar a cobrar para o Brasil, mas para isso era preciso “hablar” com a telefonista. “Buenas noches, yo quiero hacer una ligacción”. Aquilo revoltou Sakate: “Se não sabe falar, não enrola! Não existe ligacción, se diz llamada!”. Traído pela bronca, foi a vez dele meter um “ligacción” ao pedir seu telefonema… Todos avisados em casa, era hora de conhecer a churrascaria rodízio, que coincidentemente chamava-se Rodízio!

“Fomos enganados. Só se salvou o buffet de frios”, dizia Sakate, decepcionado, ao sairmos do restaurante. Como o metrô já estava fechado, tratamos de caminhar pela Avenida Corrientes.

André Marmota acredita em um futuro com blogs atualizados, livros impressos, videolocadoras, amores sinceros, entre outros anacronismos. Quer saber mais?

Leia outros posts em Especiais do MMM. Permalink

Comentários em blogs: ainda existem? (1)

Vai comentar ou ficar apenas olhando?

Campos com * são obrigatórios. Relaxe: não vou montar um mailing com seus dados para vender na Praça da República.


*