Interney Facts (ou: como viralizar uma idéia)

Não sei se isso acontece com todo mundo, mas eu já cansei de responder e deletar mensagens parecidas com essa: “Olá, senhores do Marmota! Tem jeito de fazer um post relacionado a um produto que estou viralizando? Manda aí um orçamento, toda hora adquirimos novos clientes para viralizar suas campanhas!”. Vamos brincar de “quantos erros você consegue encontrar”?

#interneyfacts

Aqui estão os mais bacanas – méritos não apenas de quem deu o “start”, mas também dos mais dedicados, responsáveis pela maioria deles: Cris Dias, Bia Kunze e Jonny Ken.

– O Interney comprou a CNN Internacional so para transmitir a eleição de Miss Cangaiba para o mundo todo.
– O Interney lucra mais com o programa de afiliados do Mercado Livre do que o Mercado Livre com o pró;prio Mercado Livre.
– Um dia o Interney resolveu guardar dinheiro em baixo do colchão. Hoje ele precisa de uma escada magiros para conseguir subir e dormir.
– O ultrassom do Interney tinha anúncios.
– O extrato do caixa eletrônico do Interney é impresso na horizontal para caber todos os zeros na folhinha.
– Michael Jackson olhou para o extrato do adsense do Interney e ficou branco.
– Quando o adsense atrasa o pagamento dos afiliados é porque o Interney recebeu primeiro. E isto sempre acontece!
– Certo dia o Interney teve que reiniciar seus servidores. O mundo chamou isso de “estouro da bolha”
– O Interney consegue acessar o Twitter do seu micro-ondas.
– Ao invés do Interney mandar o Inagaki abrir o olho, ele mostra o extrato do adsense.
– O Interney não compra no Submarino. Ele compra O Submarino.
– O futuro não virá, Interney irá buscá-lo.
– O IG mudou de nome depois que Interney entrou na parceria. Agora a sigla é Interney Group e ele gera 90% do faturamento.
– A Embratel entrou em desespero quando Interney disse que faria um backup de servidor.
– Um dia o Edney cansou de fazer posts e resolveu só; escrever frases curtas. Assim nasceu o Twitter.
– O Interney imprimiu a internet. Três vezes. E disponibilizou uma versão em PDF para download.
– O Kibeloco já lincou um post do Interney.
– A internet é uma intranet do Interney.
– Em 2008 você já poderá registrar domínios .ney.
– Interney Shopping é o primeiro resultado de busca no Google. Para qualquer busca.
– O relatório de acessos do Interney, se impresso, daria 5 vezes a volta ao redor do globo terrestre.
– O Interney pode contar até o infinito. Sua visitação, porem, continua incauculável.
– Foi um roundhouse kick do Interney que deixou o Jacaré Banguela.
– O IP 0.0.0.1 aponta para um 486 que Interney usa pra jogar Lakers x Celtics, e que tem no cache do Netscape o primeiro site do Yahoo.
– O pagerank é calculado usando os acessos do Interney como base.
– O Google Earth nasceu depois que o Interney viajou de férias e descarregou as fotos de sua câmera digital.
– Um tal de Torvalds, certo dia, estava em busca de inspiração… Até que olhou em cima da geladeira do Interney.
– Quando disse pra minha vó; que tinha começado um blog, ela perguntou: “ah, igual ao Interney?”
– O Interney já deve ter arrumado uma forma de ganhar dinheiro com os #interneyfacts.
– Interney Blogs é apenas a fachada para a verdadeira empresa do Interney: o Google.
– Chuck Norris já foi blogueiro, mas desistiu quando soube do Interney.
– Interney adiciona o MSN de quem quiser no GTalk. E conversa, com webcam e tudo.
– O Roberto Carlos queria ter um milhão de amigos e bem mais forte poder cantar. Mudou seu blog pro Interney’s e conseguiu.
– O Interney já tem 366 posts agendados para o ano que vem, inclusive já com os resultados das Olimpiadas de Pequim.
– Muitos pensam que o nome Interney é uma referência ao termo “Internet”, mas na verdade é o contrario.
– Se você buscar “Chuck Norris” no Google, a primeira URL retornada é no Interney.Net
– 40% da internet brasileira passa pelo Youtube. os outros 60% passa pelo Interney Blogs.
– Sabe aquele papo de “se eu ganhasse um centavo toda vez que…”? O Interney ganha.

Começamos com o “senhores do Marmota”. Típico escorregão de quem imagina um escritório profissional com dezena de computadores, um para cada membro da equipe. Tem o redator-chefe, o estagiário que corta as fotos, o cara do comercial (que avalia as métricas) e a assessoria de relações públicas, responsável pelo follow-up…

Seguimos com o “post do produto”. Esse debate já fez toda a espuma devida no Barcamp Rio, e continuo achando que qualquer um tem total liberdade para fazer o que quiser. Pessoalmente, tenho restrições em atrelar o conteúdo dos textos com produtos – veja aqui um exemplo. Mas isso não é exatamente um erro: com dois ou três cliques, é possível encontrar blogueiros que topem a parada. E nem por isso eles são ruins.

A discussão mais interessante, no entanto, é outra: então nosso amigo adquire clientes (então tá, né) interessados em “viralizar” produtos e campanhas. Eu tenho que admitir: acredito realmente na existência de técnicas e outras práticas interessantes, na tentativa de botar uma mensagem para circular em redes sociais e afluentes. Mas ao menos para mim, um leigo em marketing, esse tipo de ação deve ser secundária. Algo como: “vamos soltar esse negócio paralelamente e ver no que dá”.

Agora, se uma agência é obrigada a comprar espaço para “gerar uma transmissão espontânea”… Isso não tem nada de viral, é um informe publicitário dos mais vagabundos. E na maior parte desses casos, o público já está vacinado, não há vírus que resista. Vou mais longe: se a proposta é usar o boca-a-boca para economizar, pra quê gastar sem a garantia do resultado?

Enfim, se eu tivesse algum interesse em entender como funciona essa história de “viralizar idéias”, perderia algumas boas horas no Twitter, como fez a Gabi Zago. Uma ferramenta aparentemente sem graça – afinal de contas, pra quê vou perder tempo escrevendo cento e poucos caracteres para dizer o que estou fazendo agora? Na verdade, essa brincadeira se completa com a figura dos “seguidores”. Isto é, quantos usuários do Twitter acompanham suas palavras e podem, a qualquer hora, participar da conversa. Pronto, está criada a mais ampla, dinâmica e interminável sala de chat da web.

Um episódio divertido ilustra bem o impacto dessa onda. Na última sexta-feira, o Paulo GraveHeart executou algo que gostaria de ver desde março: “Pessoalmente, adoraria encontrar na rede qualquer hora dessas… um Interney Facts, já que esse negócio com blogs está ganhando proporções fora do comum (Deus fez a Terra em sete dias. Se tivesse um laptop, wireless e Interney, levaria sete segundos). Criativos do Brasil, uni-vos”. Deu certo! A tag #interneyfacts se espalhou rapidamente, dando origem a frases de impacto como: “no dia 7 de dezembro, Interney contratou com 1% do seu rendimento vários usuários do twitter para criar o Interney Facts”.

O autor da brincadeira explicou, por e-mail, como tudo começou. “O Interneyfacts nasceu a partir de um fato inusitado: eu e o Jonny Ken começamos a criar alguns perfis falsos de políticos e partidos, e de repente ele viu que o Interney apareceu como follower dele logo após o perfil do PSDB ter sido criado, coisa de segundos mesmo. Foi o suficiente para começarmos a brincar, mas ainda não era um #interneyfacts. Somente à tarde, numa sexta-feira monótona, que resolvi criar um tag de brincadeira, achando que teríamos no máximo uns cinco fatos, e…. Bom, como toda idéia que nasce sem maiores pretensões, a coisa explodiu, tomando o final de semana de muita gente”.

“Acho que a grande sacada do Interneyfacts foi utilizar uma figura conhecida no meio, que já possui toda uma série de ‘mitos’ em volta. A bem da verdade, vasculhando em listas de discussão, ou em eventos, você já podia encontrar uma série de brincadeiras com o Interney e sua capacidade de sempre aparecer em qualquer lugar onde ele é citado, ou de ganhar grandes somas em dinheiro, etc. Os fatos do Interney são simplesmente uma coletânea dessas brincadeiras, nada mais do que isso”, continua. Quatro dias depois, as referências ao #interneyfacts ultrapassaram as 200.

Como explicar isso, Paulo? “O grande diferencial nesse caso é que os fatos iniciais eram bem escritos, sem copiar os Chuck Norris facts, ou Capitão Nascimento facts ou [insira um nome em destaque na mídia aqui] facts. Um viral é interessante e divertido quando ele é original. Algo que seja repetido à exaustão torna-se chato, desnecessário, e não ‘pega’. Se os primeiros fatos fossem qualquer coisa do tipo ‘As lágrimas do Interney podem curar o câncer. Mas ele nunca chora, nunca’, não haveria a repercussão que houve”. Realmente, fica bem mais divertido quando a coisa é feita espontaneamente.

Quer dizer então que, se tivermos nas mãos originalidade e um assunto capaz de despertar a motivação de uma comunidade, é possível criar um “viral de laboratório”? O Paulo acha que sim, “desde que ela seja original e divertida o suficiente para chamar a atenção por si só e criar vida própria. O problema é que, se você repete algo duas, três, quatro vezes, ela deixa de ser original e chamar a atenção. Ou seja, o problema não está em usar o marketing viral, mas sim em usar o mesmo tipo de ‘aproximação’ que o produto concorrente, ou de outro produto que ainda esteja na boca do povo”. Alguém lembrou dos mapas, blogurinhas e seus mil derivados?

André Marmota adora usar a função “rand” do PHP, combinada com um array repleto de frases diferentes. Paaaaarabéns! Quer saber mais?

Leia outros posts em Faça fazendo. Permalink

Comentários em blogs: ainda existem? (6)

  1. Pra ser sincera, do que mais lembrei foi de quando conheci seu blog e fiz um post sobre o programa fazedor de placas que “o pessoal do Marmota escreveu”…

    Affff.

  2. Poxa, e pensar que fizeram um Rodrigo Ghedin’s facts (http://www.orkut.com/CommMsgs.aspx?cmm=1823702&tid=2500715577481049545) há mais de um ano, mas que ficou restrito a uma comunidade do orkut. Talvez este tenha sido um caso raro de vírus que, na realidade, não sabia que era vírus – um tipo de crise de identidade protéica.

    Sobre esse lance de tazos, figurinhas e afins de blogs, tem muita gente criticando a banalização da coisa. Vale a pena ler este texto: http://www.gardenal.org/ressacamoral/2007/12/colecoezinhas-bobinhas-da-blog.html .

    []’s!

Vai comentar ou ficar apenas olhando?

Campos com * são obrigatórios. Relaxe: não vou montar um mailing com seus dados para vender na Praça da República.


*