Impropérios finais sobre Matrix

Sim, patota! Assisti ao filme da moda, e no cinema – ao contrário do que falei aqui, acabei encarando a última sessão da segunda-feira, ao lado de Lello Bebê Diabo Lopes e Fernando Nada de Blog Narazaki, numa sala distante das movimentadas multiplex dos shoppings. Durante a projeção, algumas bobagens circularam entre nossas cabeças enquanto os protagonistas se desdobravam em lutas intermináveis. Prepare-se para um combo de piadas fracas detectedes, entre outras divagações.

– Ao invés de Hugo Weaving, a produção do filme poderia ter usado algum sósia do Saddam Hussein para o papel de Agente Smith. O custo de algumas cenas seria bem mais baixo.

– A versão brasileira do baile funk promovido em Zion poderia contar com o Bonde do Tigrão, a proibida do Funk, a Verônica “Mãe Loira” Costa, aquela da Dança da Motinha ou outras encrencas do finado Furacão 2000. Ao menos, teríamos um belo exemplo de contextualização a partir da nossa cultura.

– A propósito, a cena do baile funk é uma das duas em que o ator Keanu Reeves certamente pediu ajuda a um dublê de corpo. Justamente enquanto contracena com Carrie-Anne Moss, a Trinity. A outra é ao lado da Monica Bellucci, que faz papel de Tender (ou você viu algo além do peito e da região glútea?).

– Ficou sem entender o diálogo entre Neo e o arquiteto, talvez o único momento definitivamente cerebral do filme? Não se desespere. Alexandre Ottoni, o Jovem Nerd, explica tudo aqui, em detalhes. Importante: não convém abrir este link se você ainda não assistiu.

– Lendo esse artigo, constatei o óbvio ululante: as legendas não ajudam em nada – não só nesse trecho, mas no filme todo. Típico.

– Quer apenas se divertir, sem ligar muito para os diálogos ou a trama do filme? Simples: Leve um joystick ao cinema. Faz uma diferença danada!

– Atenção: vou contar agora o final de Matrix Reloaded! Depois dos intermináveis créditos finais ao som de uma banda de rock alternativo (acho que é Deftones), aparece o trailer de Matrix Revolutions, filme que completa a trilogia e que entra em cartaz daqui a seis meses. Para assistir, é só não sair da sala.

– Aliás, os créditos intermináveis é mais uma piada pronta: Matrix Reloaded é um tremendo cabide de emprego! Tem uns vinte assistentes de pedreiro júnior, uns dez coordenadores de pintura de automóveis…

– E já que você vai sentar para conferir o trailer, tente descobrir qual a função do Tody Lindo, um dos figuraças que aparecem nos créditos. E uma piada interna: a atriz que interpreta o Oráculo chama-se Gloria Foster. Deve ser parente da Elaine Foster, patrona do torneio estúpido de boliche.

– Fim provável da trilogia: Neo vai para a cama com o Oráculo, que nove meses depois dá a luz ao novo predestinado, que ganhará o nome Google.

– Predestinados mesmos são os irmãos Wachowski (saúde), que devem estar enchendo a lata de grana com a idéia, os três filmes, o joguinho (que já vendeu um milhão de cópias), entre outros produtos licenciados.

– Se o processo Matrix tomou conta da sua existência a ponto de não perder por esperar o próximo filme, um subsídio extra para o seu bate-papo com os outros fãs: matéria de capa da Superinteressante deste mês, assinada por Rafael Kenski, afirma que alguns cientistas realmente acreditam que tudo não passa de uma enorme simulação criada por um computador! Essa não…

– Por fim, um trecho da matéria, sobre o envolvimento provocado por esse fenômeno: “Mesmo que o nosso mundo seja apenas uma realidade simulada, é possível que nossa vida não mude tanto. Afinal, já somos bombardeados tanto por notícias de lugares distantes, detalhes da vida de celebridades, programas de televisão, anúncios, filmes e tantas fotos e imagens que os nossos próprios assuntos ocupam um pedaço cada vez menor do nosso tempo… O próprio universo de Matrix, com suas cenas, efeitos e histórias envolventes, é capaz de nos transportar para um outro mundo que não vivemos e fazer com que nós fiquemos alegres, ansiosos e emocionados com acontecimentos que não fazem parte da nossa vida. Se os autores quiserem continuar nessa linha, é possível que, depois de tantas lutas e reviravoltas, Morpheus, Neo e os demais rebeldes percebam que a realidade que tanto lutaram para libertar não é muito mais real do que a que viviam na Matrix.

Se você ainda não viu o filme, vá ver. O máximo que pode acontecer é a sua cabeça ficar intoxicada, como a minha.

André Marmota tem uma incrível habilidade: transforma-se de “homem de todas as vidas” a “uma lembrancinha aí” em poucas semanas. Quer saber mais?

Leia outros posts em Plantão Marmota. Permalink

Comentários em blogs: ainda existem? (12)

  1. Você também se intoxicou??? Pô, é uma coisa que gruda no giro centro-direito-lóbulo-patelar do cérebro!!!E, devido ao pequeno número de criaturas nos créditos, comentário sócio-econômico inevitável antes de ver o trailer do Revolutions: “Caramba, deviam filmar um Matrix por ano aqui no Brasil”:****Gabi

  2. Porra, eu achei muito foda o filme e não to nem aí.Tá certo que os créditos demoraram mais pra passar que o capeta. Eu também esperei os créditos acabarem pra ver o maldito trailer (fui neste domingo). Fiquei pensando se eles colocaram todos os nomes dos habitantes de Zion, presentes ou não na RAVE maldita, seus ceps, telefones, rgs, cpfs e se já encravaram a unha do dedão do pé direito.Outra coisa, eu entendi o diálogo com O Arquiteto. Eu sou nerd mesmo. Maldição. Mas aquele diálogo é foda demais!!!!Mais uma coisa, eu estou viciado neste maldito filme e meu cérebro provavelmente diminuiu consideravelmente de tamanho durante o filme. Está entre 2 e 3 vezes menor. Você não é o único, Marmota.Depois do filme eu fui no banheiro do shopping e eu me achei num lugar muito estranho, onde as pessoas flutuavam e seus poderes psíquicos afloravam. Aí eu percebi que era apenas mais um bug na Matrix. Depois eles consertaram….Maldição.

  3. Não vou ler o teu post :DNão antes do filme chegar aqui no interior do interior do interior do int ….. .. .. . do Rio Grande do Sul. :P

  4. Se eu tivesse lido os comentários do post antes de ler o próprio post eu teria seguido a idéia do Otávio. Não quero ler mais nada sobre Matrix até essa p… desse filme chegar aqui no interior do interior do interior d…

  5. Eu vi o filme lá em POA – mas a esperta aqui foi embora sem nem imaginar que passaria o trailler depois… (Passa mesmo?)Já estava louca pra assistir de novo, agora sim é que não posso ficar sem ir ao cinema!Gostei do link para o artigo sobre o diálogo com o arquiteto. É… então quem sabe eu não tenha viajado tanto… Foi mais ou menos o que entendi mesmo!

  6. Hoje vou ver o filme! Nem ligo para os comentários que fez… só o que tenho que ficar sentadinha até o final! :) Aposto que vou adorar, porque mais manipulada pela mídia que eu, impossível! E olha que sou formada em Comunicação. tsc, tsc…

  7. Bhá André… quer dizer que e história do cd pirata não é verdade? E olha que eu acho que eu fui uma das únicas que não te joguei aos leões… rs… eu tinha até te citado em um post meu, pela originalidade (e criminalidade…rs)…Beijos!

  8. Já li MUITA coisa sobre Matrix. A mídia explorou MUITO esse filme, a propaganda foi enorme, só se fala nisso essa semana. Os blogs só falam me Matrix. Há teorias filosóficas por toda parte sobre Matrix. E quer saber de uma coisa? EU QUERO MAIS É VER DE NOVO!!! hehehehe… Estou, sim, viciado nesdaporra! Acho que será mais um fim de semana refletindo sobre esse diálogo com o Arquiteto. (aliás, valeu a dica da reportagem, mas eu não concordo com alguns pontos dela, acho que a minha interpretação é diferente…)Abraços!

  9. Maria Clara, eu ainda não li esse post do Marmota. E nÀo vou ler :DDEu TENHO que assitir o filme antes. Não leio mais nada sobre Matrix depois da estreia dele!!!

Vai comentar ou ficar apenas olhando?

Campos com * são obrigatórios. Relaxe: não vou montar um mailing com seus dados para vender na Praça da República.


*