Feliz dia do pato

Alguma vez você já teve a sensação de estar sendo enganado? Como naquela hora em que você ouve uma promessa e, no fim, não é cumprida. Ou quando você resolve trocar de carro sem consultar o amigo especialista e é ludibriado pelos vendedores da concessionária. Pois bem, acho que fui tapeado nesta terça-feira. E não era primeiro de abril.

A história começou semana passada, num telefonema da única pessoa na face da terra que, em 25 anos, tem a honra de ser chamada por mim de ex-namorada.

– Estou pensando em reunir o pessoal que trabalhou com a gente. O que você acha?

Disse o óbvio: a idéia é excelente, mas não teria tempo de convidar todo mundo, culpa do ritmo frenético deste final de ano. Passei alguns números de telefone e ela ficou de marcar com todos, num lugar chamado Mistingett, na Henrique Schaumann, terça às nove.

E chegou o dia. Tive que deixar o carro em casa, numa dessas coincidências do destino. Liguei para ela avisando que teria problemas para chegar lá.

– Tá tudo certo, te dou carona. Passo aí na Paulista pouco antes das nove, tudo bem?

Dito e feito, lá estava ela. Mais magra desde a última vez que nos vimos. Também achei o cabelo curto demais, mas tive o cuidado de moderar a minha trivial insensibilidade. disse a ela que os cabelos nos ombros lhe dava uma aparência mais feminina. “Não, eu prefiro assim”, respondeu.

Já no carro, pergunto quantos dos nossos amigos confirmaram presença.

– Nenhum, acho que vai o encontro será só entre nós mesmo…

Não havia mais o que fazer, o Marmota havia mudado de status: passou para Pato.

Mas confesso que não tive do que reclamar. Pelo contrário, normalmente meus encontros com ela eram regados a reminiscências absurdas, capazes de acabar com a minha já abalada auto-estima. Mas desta vez não!

Mesmo sem ter “decorado a cartilha”, agi da forma como deveria ter feito há quatro anos, quando estávamos juntos. Prestei atenção em cada palavra, interpelei menos piadas infames entre os diálogos, fiquei quieto e atento quando ela interrompia o meu diálogo… “Estou com medo de você, dessa sua expressão”, disse, preocupada com a minha cara atenta – na certa esperando por algum ato de insensibilidade.

De fato, ela precisava de alguém que pudesse ouvi-la. Há um mês, ela terminou um namoro de quatro anos – justamente o cururu que a conquistou depois da minha tentativa. Foi uma decisão demorada – o sujeito a tratava muito mal. Só essa notícia já fez com que o meu queixo caísse, mas ela ainda faria com que ele se espatifasse.

– Mas agora estou feliz, acho que encontrei a pessoa certa!

Muita calma nessa hora. Ela estava falando de um outro rapaz simpático, que apareceu na vida dela durante um curso intensivo de qualquer coisa. Fez questão de esclarecer todos os detalhes da conturbada consumação do novo relacionamento. Finalmente chegou a vez da pergunta de sempre:

– E qual o signo dele?
– Hmmm… Ele é de maio? Acho que é Touro…

Como assim, Touro? Ela é de Aquário! Não pode ser feliz com alguém de Touro! Tá lá no Almanaque do Pensamento: Taurinos são possessivos e sufocantes, aquarianos precisam de muito espaço para respirar, são dois signos incompatíveis, diferentes, vivem em ritmos distintos… Bom, pelo menos foi assim que eu me convenci de que o nosso relacionamento jamais daria certo.

– Bom, pode ser que dê certo, taurinos são fiéis e muito românticos – tive que moderar mais uma vez a minha trivial sensibilidade.
– Românticos? Bom, o último exemplo prático não foi bem assim…

Se ela tivesse dito isso há uns três anos, talvez eu contestaria. Ainda bem que as pessoas acabam mudando para seguir da mesma forma.

– É, mas a sua referência é um crianção de vinte e um anos, que não sabia o que fazer numa situação dessas.

Poderia ter concluído a frase com “ainda não sabe”, mas seria abusar da paciência dela. E mais: o assunto estava fluindo muito bem. Tanto que fui obrigado a interromper quando descobri que eram onze da noite.

– Preciso ir, o último ônibus pro Buraco sai de Itaquera meia-noite.

Ela pagou a conta do Mistingett e ainda me levou para o metrô mais próximo – não é um amor de pessoa? No caminho, ela ainda teve tempo de me contar uma canalhice do cururu, coisa que nenhum palhaço desses aqui seria capaz de fazer.

– Vou te deixar aqui, tudo bem?
– Claro, aqui está ótimo.
– Pena que você tenha que ir embora tão cedo… – nessa eu ganhei a noite!
– Eu também adorei o encontro dos nossos amigos de trabalho!

E assim terminou mais uma dessas datas inesquecíveis: o “dia do pato feliz”.

André Marmota acredita em um futuro com blogs atualizados, livros impressos, videolocadoras, amores sinceros, entre outros anacronismos. Quer saber mais?

Leia outros posts em E eu, uma pedra. Permalink

Comentários em blogs: ainda existem? (13)

  1. Engraçado… Vez ou outra aparece “comentários (a) nos meus posts. Deve ser porque o texto está grande ninguém vai chegar aqui a salvo.

  2. Esse negócio de signo é meio furado já que meu namorado é taurino e eu…aquariana! Mas com ascendente em touro que fique bem claro…

  3. Bom dia Marmota!Bom saber q pato ou não terminaste a noite felizinho… Às vezes as coisas não são exatamente o q esperamos porém não são totalmente despresíveis né?E esse negócio de signo? Eu não entendo nada… Quais são as previsões p/ um casal de capricórnio e aquário????Beijos carinhosos.

  4. André só quero comentar o seguinte. Sempre achei q nunca me daria bem com taurinos pois sou de gemeos com ascendente em peixes e lua em aquário. Bem o Constantine é Touro com ascendente em cancer e lua em touro. Pela astrologia seriamos inimigos mortais.Mas não só somos apaixonados como também nunca nos demos tão bem com outras pessoas como é entre nós.Esquece da astrologia pq é complicado demais pra entender…bjocas

  5. Ai Marmota… que mico! Mas quem não passa por uma dessas né? Escuta… mas será q ela não se tocou não??? Ligar pra ex-namorado para contar as desventuras sentimentais… é o fim!!! Nota 10 pra vc que ouviu todo o blá blá blá xarope sem reclamar… acho que nessa vc garantiu seu lugar no céu (risos).

  6. Puxa! Uma Renata com um blog chamado “licões da história”. Quanta coincidência hein?Bem André o que eu tenho a te dizer é “não troque de carro sem antes consultar seu amigo especilista”. Só isso.

  7. Com essa imagem amarelinha só me resta fazer uma homenagem:lá vem o pato pata aqui pata acolálá vem o pato pra saber o que é que háo pato pateta pintou o canecosurrou a galinha bateu no marreco!rs…

  8. Marmota seguinte… eu acho que a sua ex-namorada tava mais era doida pra te dar umas beijocas sabia?E eu não achei que você foi um pato em nenhum momento. Ela sim talvez tenha dado uma boa bola fora…

Vai comentar ou ficar apenas olhando?

Campos com * são obrigatórios. Relaxe: não vou montar um mailing com seus dados para vender na Praça da República.


*