Dezembro, tudo ao mesmo tempo agora

Por que diabos o ano não acaba de uma vez? Ficamos nessa agonia, esperando por uma data simbólica antes da chegada de doze meses novos em folha. E pior: dando a impressão que não fizemos o suficiente nos últimos doze e, assim, fazendo o impossível para recuperar o tempo perdido.

Sem parar de trabalhar, tentamos lembrar dos amigos que, inconscientemente, foram ignorados. Seja usando aquele tradicional e-mail de Natal, ou ainda correndo atrás deles, marcando festas de confraternização – com ou sem amigo secreto. Por um lado, agradeço a Deus por ter proporcionado a aproximação de muita gente valiosa em minha vida. Mas por outro, é extremamente complicado atender ao desejo deles, que contam com a presença de todos.

Desde o início do mês, é um evento desses por dia. Ou às vezes dois ou mais: aniversários, casamentos, festas de empresa, festas em casa, formaturas… Bem que alguns poderiam ser transferidos para o ano que vem, num desses meses em que nada acontece. Otimiza o tempo e melhora nossa qualidade de vida.

A impressão que dá é que o mundo vive o mesmo drama: ninguém fica em casa, todos lotam ruas e calçadas procurando evitar pendências para o ano novo. Uma loucura. No fim, janeiro vai chegar e nada vai mudar. Talvez uma ou outra esperança ou proposição mentirosa à meia noite, mas a verdade é que continuaremos do mesmo jeito: aguardando a chegada de um novo dezembro e deixando as pendências para ele.

Será que não existe ninguém que possa decretar o fim desse desespero? Deviam proibir qualquer tentativa de aproveitar o tempo exageradamente neste mês. Obrigar o ser humano a distribuir seus objetivos e resoluções proporcionalmente durante o ano. Ou deviam simplesmente fornecer subsídios para dedicarmos o mês inteiro apenas às pessoas. Até o tal Espírito de Natal se sentiria menos pressionado e, quem sabe, ficaria mais à vontade.

(Postado em 20/12/2004)

André Marmota dialoga muito com o passado, cria futuros inverossímeis e, atrapalhado, deixa passar algumas sutilezas do presente. Quer saber mais?

Leia outros posts em E eu, uma pedra. Permalink

Comentários em blogs: ainda existem? (5)

  1. Será que fins de semana com 4 dias não resolveriam o problema? Mais tempo para aproveitar com os amigos, menos tempo para passar trabalhando :)

  2. É muito engraçado essa correria toda.

    Todo mundo corre para chegar o próximo ano, para correr até chegar o próximo.

    O pior é que, tu dissestes bem, todo mundo quer deixar para fazer tudo que poderia ter feito o ano todo, só em dezembro – na ultima semana.

    No fim isso tudo é uma palhaçada!

    Abraço cara, fica na paz de Deus!!

  3. Pessoalmente, adoro esse clima de fim de ano – não só porque tenho simpatia por esses “ritos de passagem” como, principalmente, porque meu aniversário está logo aí, hehehe!

    Mas é meio deprimente mesmo: essa correria maluca faz com que a gente tenha de correr ainda mais, nos poucos dias que ainda restam de 2007, para compensar o prejuízo ao longo do ano. Enfim, faz parte, né?

    Aproveito para te desejar um baita Natal e um 2008 iluminado, cara! Até o ano que vem!

Vai comentar ou ficar apenas olhando?

Campos com * são obrigatórios. Relaxe: não vou montar um mailing com seus dados para vender na Praça da República.


*