Brasil x Argentina

Muitos podem discutir a afirmação de que brasileiros e argentinos protagonizam o maior clássico do futebol mundial – até porque, seria insano desconsiderar outras seleções tradicionais. Mas se levarmos em conta a soberania futebolística no continente ou as onze finais de Copa do Mundo com a presença de pelo menos um deles, já temos subsídio de sobra para concordar com a idéia.


Quarteto fantástico quase assiste a derrota do Brasil para a Argentina, pelas Eliminatórias, no último dia oito de junho: André Marmota, Pedro Cirne, Lello Lopes e Adilson Fuzo optaram por muita conversa e porções de picanha.

Mas um fator estritamente emocional corrobora a tese de que, se houver uma guerra capaz de provocar imenso estrago, será como um jogo entre Brasil e Argentina – seja qual for a modalidade. O atrito fica ainda mais evidente em uma decisão, a primeira entre as duas seleções em um torneio organizado pela Fifa. O maior reflexo desta rivalidade aparece estampado frequentemente na capa do Diário Olé, jornal esportivo argentino. O maior exemplo apareceu na semifinal olímpica de 1996, quando Brasil e Nigéria decidiram o adversário argentino na final: “que vengan los macacos”.

Na manchete desta terça-feira, uma frase típica de qualquer confronto: “que vença o melhor”, apresentando o duelo entre o time de Parreira, de olho na revanche após a derrota por 3 a 1 em Buenos Aires, pelas Eliminatórias, e os comandados de José Pekerman, que esperam mostrar aos alemães e ao mundo que aquilo não foi um acidente doméstico. Para se certificarem que o título da Copa das Confederações é possível, apelam até para o vudu: um boneco espetado, com a cara do Rei Pelé.

Além de significar o primeiro título do time principal da Argentina após doze anos, a decisão desta quarta-feira servirá como um desempate para o total equilíbrio do confronto em sua história: foram 88 jogos, com 33 vitórias para cada lado e 22 empates. Nervos à flor da pele e muita catimba desde a primeira final, em 1914: a Copa Roca, vencida pelos brasileiros. Foi diante dos arqui-rivais, nesta mesma competição, que Pelé fez sua estréia pela seleção. O jovem de 16 anos fez o gol de honra da seleção, na derrota por 2 a 1.

Somente após 54 jogos, brasileiros e argentinos se encontraram em copas do mundo. E virou rotina: quatro vezes, sendo três seguidas. Em 1974, pela segunda fase da Copa da Alemanha, a equipe de Zagallo venceu por 2 a 1, com gols de Rivellino e Jairzinho, eliminando os hermanos. Quatro anos depois, a “Batalha de Rosário” e o empate sem gols dos campeões morais contra os donos da casa. Na Espanha, o esquadrão de Júnior, Falcão, Sócrates, Zico e cia. não tomou conhecimento dos campeões mundiais e fez 3 a 1.

Mas o confronto que ninguém esquece foi nas oitavas-de-final da Copa da Itália, em 1990. A equipe de Sebastião Lazaroni, viu o passe preciso de Maradona para Caniggia. O atacante desviou a bola de Taffarel e mandou os brasileiros mais cedo para casa. Um duelo revisitado 15 anos depois, graças a história da “água batizada” que teria deixado o lateral Branco meio tonto. Meses após a história ganhar a imprensa argentina graças às risadas de Don Diego, um programa de humor aproveitou o último encontro, em Buenos Aires, para fazer uma brincadeira: oferecer água com cuspe ao time de Parreira.

Brasil e Argentina se enfrentaram outras 30 vezes na Copa América. Como em 1983, quando os vizinhos fizeram até desfile na tradicional 9 de Julho após vencerem por 1 a 0, marcando o fim de um jejum de 13 anos sem vencer o rival. Ou na última delas, em julho do ano passado, quando o time B de Parreira entrou para a história em uma grande conquista – com direito a empate dramático de Adriano e disputa nos pênaltis. Também merece registro mais um encontro com Maradona, em 1989, pelas semifinais do torneio. Bebeto e Romário levaram a seleção para a final – e ao título, que não acontecia há 40 anos.

Em mais de 90 anos de história, todo torcedor lembra de mais algum momento inesquecível entre as seleções. Seja pelas eliminatórias, como nas últimas vitórias em casa com show de Vampeta em 2000 e Ronaldo em 2004, ou em duelos amistosos, como na comemoração do 7 de setembro em 1999: os gaúchos viram a seleção de Luxemburgo, que vinha de derrota por 2 a 0 no Monumental de Nuñes, derrubar o arqui-rival por 4 a 2 no Beira-Rio, com atuação inspirada de Rivaldo. (Copiado descaradamente daqui).

E qual o seu Brasil x Argentina inesquecível?

Atualizado: Acredito que a goleada na final desta quarta-feira vai entrar no rol das vitórias inesquecíveis sobre os hermanos.

Foto: Reuters

Apesar do show e do desempenho incontestável, não mudei de opinião.

Comentários em blogs: ainda existem? (9)

  1. Meu Brasil x Argentina preferido é sempre a última vitória brasileira. No caso, a de hoje, quando batemos nossos desaventurados primos por 4 x1 e vencemos a Copa das Federações.
    Ciao

  2. 1) Eu mudei de opinião. Não há nenhuma seleção em condições de bater o Brasil na Copa da Alemanha. E aí está o perigo: eu também apostava no bi da França em 2002…

    2) Hoje foi foda, mas o Brasil x Argentina inesquecível foi o da Copa América de 2004, quando eu estava no Canadá e acompanhei o jogo num restaurante brasileiro lotado de argentinos…Surreal!

    Abração,

    Fábio

  3. …por falar em Brasil x Argentina, deixa eu correr para o sofá da sala porque não tô suportando mais esperar o jogo do Tricolor começar…

    Haja coração, amiiiiiigo!

    Abraço!

  4. O mais foda foi a final da Copa América; aquela eu nunca mais esqueço.
    Quanto à Copa, ano que vem, eu continuo apostando no Brasil. Minhas últimas apostas inclusive, têm dado certo: em 2002, eu não disse que a França não chegava às Quartas, e vocês lembram como foi bem pior, né?; em 98, no início, contra todos os palpites, eu apostei na Inglaterra, mas quando eles caíram fora, me conformei com o título da França.
    Isso pra não falar de campeonatos e jogos menores.
    Enfim, tô confiante no Brasil pro ano que vem, e sou tão abusado que já tenho palpite até pra 2010: aí sim vai dar Alemanha.

    Que nos próximos 5 anos o Marmota não suma com meus comentários, viu?

  5. Nunca me esqueço de uma matéria escrita pelo Pelé, na época em que ele tinha uma coluna semanal no Pelé.net, na qual ele demonstrava que o Brasil só ganha a Copa quando chega desacreditado. E o pior é que, apesar do Rei falar muita merda, com essa história, eu, supersticioso que sou, concordei. Espero que quebremos esse tabu!

    Mas que foi muito bom ver essa seleção deslanchar contra os argentinos… ah, isso foi! Com Ronaldo em campo, ela concorre pra ser uma das melhores de todos os tempos.

  6. Meu Brasil X Argentina inesquecível foi em 94, aqui em Recife, no Estádio do Arruda. A primeira vez que eu fui ver um jogo num campo de futebol. Foi uma emoção enorme. O Brasil naquela época entrava no campo de mãos dadas, jogar em Recife era sinônimo de sorte (depois de ter ganho da Bolívia por 6X1)…
    Foi lindo!
    Mas o 4X1 de ontem vai ficar pra história tb! ;)

    Beijo pra tu!

Vai comentar ou ficar apenas olhando?

Campos com * são obrigatórios. Relaxe: não vou montar um mailing com seus dados para vender na Praça da República.


*