Blogs se estabelecem no mundo dos negócios

Fiz minha lição de casa, Cumpadi: me diverti com a matéria de capa deste mês da Revista Exame, assinada por Camila Guimarães e Eduardo Vieira. E não me lembro de nenhuma abordagem ao fenômeno dos blogs, entre reportagens publicadas na imprensa brasileira, de maneira tão direta em relação ao mundo dos negócios – e sem citar, em nenhum momento, a história de “diarinho adolescente”.

O fio condutor da reportagem tem a ver com as características mais evidentes dessa ferramenta: o tom pessoal e coloquial de quem o escreve, a possibilidade de conversar com outros visitantes de maneira direta, e finalmente a liberdade que a web proporciona para que qualquer indivíduo expresse suas pensamentos, espalhando idéias e opiniões com facilidade. A amplitude da “voz da web” já foi testada no Brasil em diversas situações, desde Ruth Lemos até as invenções do Cocadaboa.

Agora imagine o mesmo fenômeno envolvendo uma reclamação a uma empresa ou serviço. Nos EUA, há casos em que problemas de consumidores chegaram à jornais de grande circulação graças aos comentários gerados na blogosfera. Aqui ainda estamos longe de fazer barulho – e, quando algum ruído é percebido, corremos o risco de sumariamente processados por danos morais

A força da ferramenta no mundo corporativo, no entanto, não está apenas nos comentários alheios. Muitas empresas perceberam que essa é uma forma simples e objetiva para virar assunto entre seus clientes e aproximá-los cada vez mais. Nesse caso, além de informal, atualizado e com portas abertas para críticas e comentários, o blog precisa ser, acima de tudo, autêntico.

A matéria cita o exemplo da Mazda, que contratou uma empresa de publicidade para inventar um consumidor-personagem. Com a farsa desmascarada, a imagem da empresa foi arranhada – questionando, de certa forma, a criação pura e simples de blogs de mentira.

Resumidamente, o texto busca abrir os olhos de executivos e gerentes para o que nós, pessoas comuns, estamos falando em nossos blogs ou nas nossas comunidades preferidas do Orkut. Se desconsiderada, pode virar um problema sério para as empresas. Bem usado, transforma-se numa promissora oportunidade de fixar sua marca e ganhar dinheiro.

***

A matéria cita ainda um termo que eu desconhecia completamente: marketing de guerrilha, técnicas de vendas que aliam os objetivos de qualquer vendedor à ações ousadas, ágeis e surpreendentes. Uma das agências de publicidade especialistas no assunto, especialmente na Internet, é a Espalhe, que mantém um blog dedicado ao tema. Um de seus funcionários é ninguém menos que Wagner Martins. Ele mesmo, o Mr. Manson, que se especializou em espalhar histórias e gerar discussões na Internet a partir do Cocadaboa. E agora ganha uma grana assim, vejam vocês! A saga de Mr. Manson está no Caderno Link do Estadão.

André Marmota acredita em um futuro com blogs atualizados, livros impressos, videolocadoras, amores sinceros, entre outros anacronismos. Quer saber mais?

Leia outros posts em Bloguiado. Permalink

Comentários em blogs: ainda existem? (2)

Vai comentar ou ficar apenas olhando?

Campos com * são obrigatórios. Relaxe: não vou montar um mailing com seus dados para vender na Praça da República.


*