Alguém leu o regulamento?

A cada nova temporada, o Campeonato Paulista apresenta aos seus torcedores equipes reformuladas, craques, decepções, polêmicas e afins. Mudam as histórias, os campeões e… o regulamento. Esse item, aliás, é responsável por uma das poucas coisas que não se alteram a cada novo Paulistão: a chiadeira de técnicos, jogadores, entre outros, diante das “inovações”.

As reclamações fazem sentido diante dos confrontos das quartas-de-final: o São Paulo, melhor equipe na fase classificatória, não terá qualquer vantagem diante do São Caetano, neste domingo, no Morumbi: o semifinalista será conhecido após um único jogo, e em caso de empate – resultado perfeitamente normal, teremos pênaltis. Nesse caso, ganhar ou perder pode ser questão de sorte. Caso a lógica prevaleça (lembrando que não há lógica no futebol), o Tricolor poderá enfrentar o Santos, campeão do seu grupo. Um confronto que seria bem mais coerente na grande final.

Evidentemente, isso poderia ser revisto – a Federação Paulista bem que tentou mudar o regulamento durante a competição, mas voltou atrás graças ao Estatuto do Torcedor. Assim, não será surpresa alguma a ausência de qualquer um dos “grandes” na próxima fase. Assim como poucos se surpreenderam em 2003, quando ninguém sabia quem jogaria por dois resultados iguais na final entre Corinthians e São Paulo. O regulamento favorecia o Alvinegro, que somava menos cartões; mas a Federação o ignorou, dando a vantagem do empate para o Tricolor. Não fosse a vitória do Timão nos dois jogos, o título seria decidido no STJD…

Na época, o presidente da entidade, Eduardo José Farah, admitiu que o regulamento do campeonato estava “mal redigido”. E sobram casos como este na história recente do Paulistão, e assim como a insatisfação dos boleiros, uma dúvida permanece ano após ano: alguém lê um regulamento antes de assinar? Sabe-se que, além da própria Federação, os clubes também precisam concordar com o que está escrito e sugerir alterações. Ao menos deveria ser assim.

Com um pouco de imaginação, porém, não é difícil elaborar um rápido exercício de ficção, ilustrando a confeção de um regulamento. “Pessoal, rapidinho que o tempo é curto. Como é que vai ser? Dois grupos pra 21 times? Quem joga aonde? Um turno só? Vai ter mata-mata? Boa, põe pênalti aí. Daí A joga com B e C enfrenta D. Ficou legal. Dêem uma lidinha rápida aí, escreve ‘ciente’ e assina”. Assim não dá tempo de ler mesmo.

Brincadeiras à parte, é óbvio que a dúvida atende interesses de quem não dá a mínima para a credibilidade – isso sem falar no festival de liminares e punições por irregularidades – aliás, documentação de jogadores inscritos é outra coisa que ninguém lê. Tudo bem, há quem diga que regulamentos confusos já fazem parte da nossa cultura, e sem eles a graça não seria a mesma. São os mesmos que esperam ansiosos pelas novidades do Campeonato Paulista de 2005, e certamente vão questionar novamente o “complexo” Brasileirão de turno, returno e pontos corridos.

Gauchão – Entre todos os regulamentos dos torneios regionais, o do Campeonato Gaúcho sempre mereceu destaque especial: 15 de Novembro, Santa Cruz, São Gabriel e Glória estão nas duas chaves classificatórias, que definem os finalistas. O Glória, de Vacaria, disputa a semifinal pelo Grupo 1 e pode chegar à decisão. Mas se for mal no Grupo 2, nada impede da equipe ser rebaixada… No artigo três, a ressalva: a fórmula de disputa foi “aprovada em 03 de novembro de 2003”.

Ao menos um avanço em relação aos anos anteriores: até o ano passado, o site da Federação Gaúcha de Futebol apresentava o regulamento, a tabela e um terceiro item: o “esquema”. Tentativa de explicar (ou complicar) o confuso sistema de disputa do Gauchão. Em 2004, no entanto, a Federação optou por não publicar o “esquema”.

(publicado originalmente aqui)

André Marmota acredita em um futuro com blogs atualizados, livros impressos, videolocadoras, amores sinceros, entre outros anacronismos. Quer saber mais?

Leia outros posts em Plantão Marmota. Permalink

Comentários em blogs: ainda existem? (3)

  1. Nem preciso dizer que não li o post inteiro. É, realmente você não fala de futebol no blog…

    Bem, mas sobre regulamentos: você já leu o do I-Best? Nem eu, mas fiquei sabendo que boa parte das maracutaias constam no próprio regulamento do “concurso”… um tal “Academia I-Best” é o protagonista.

    Isso é que é conhecer o próprio público. É ter a certeza de que ninguém ever lerá aquele regulamento…

  2. Os regulamentos são mesmo pra lá de esdrúxulos. Mas agora não adianta os dirigentes reclamarem. E a eliminação do São Paulo tem que servir para que esses “gênios” pelo menos da próxima vez prestem atenção no que está escrito antes de assinarem os regulamentos.

Vai comentar ou ficar apenas olhando?

Campos com * são obrigatórios. Relaxe: não vou montar um mailing com seus dados para vender na Praça da República.


*