A paquera, essa grande desconhecida

Enquanto você está aí, preocupado em saber quanto vai gastar no próximo dia 12 de junho para bezequiar sua cara metade, muitos já estão se programando para “caçar”, já que nessa época a vulnerabilidade aumenta. Os “caçados”, geralmente, intensificam o poder de suas antenas a procura de alguém que dê, minimamente, satisfação e segurança.

Enquanto outros manés como eu ficam se perguntando o que há de errado: o mundo ou nós mesmos. Sistematicamente, costumo culpar o mundo. Dessa vez, antes que alguém grite “teimoso”, decidi tomar providências e dar um passo a frente. Fui buscar em uma livraria alguma publicação abalizada, que pudesse fornecer respostas suficientes para mudar, ainda que minimamente, algumas atitudes.

Encontrei um livrinho muito simpático. Chama-se Manual da Paquera, escrita por uma professora de neurolinguística inglesa chamada Peta Heskell. Fui seduzido logo pela contracapa: paquerar não é apenas romance, mas sim conectar-se com as pessoas e conhecê-las melhor. Pode ser seu passaporte não apenas para o amor, mas também em outras áreas do campo pessoal e profissional!

Seguem, resumidamente, as dicas de Peta Heskell. Todas são meio óbvias, mas analisando friamente, é possível que não estejamos dando pelota para as mesmas. Importante ressaltar que elas valem para os bons e velhos ambientes de sempre – não vá tentar paquerar alguém em uma micareta, onde ninguém dá bola pras preliminares.

– O primeiro passo é estar bem. Porque mesmo a emissão de uma pancada de sinais para outra pessoa pode funcionar sem que a dita cuja enxergue o quanto você é interessante. Demonstre interesse no que faz, seguro em seus objetivos e acreditando em sua capacidade. Isso vai trazer o seu melhor à tona.

– Ajustando a si mesmo, as coisas acontecem: hora de mostrar ao mundo que você está bem. E aqui vem a definição de “flerte”: pessoas iluminadas, capazes de fazer o outro sentir bem, conseguem se aproximar com facilidade. Comece sorrindo. Observe sempre o lado positivo das coisas. O alto astral é contagioso: sinta-se confiante e mantenha o bom humor.

– Ao puxar assunto, cuidado para não tentar impressionar demais. Seja interessante interessando-se pela pessoa, ouvindo e deixando ela se abrir e mostrar o que tem de melhor. Outra arma eficaz é o elogio. Não custa nada e faz um bem danado a outra pessoa, faz com que esta sinta vontade de permanecer ao seu lado. Agradecer a um elogio também fortalece o seu contato.

– Em algum tempo você será capaz de aprimorar seus sentidos: perceber a reação das pessoas e saber como agir (cá pra nós, essa é a pior parte). Captar pequenos sinais para saber se as pessoas estão mesmo interessadas em você (um sorriso, olhares fixos, elogios recebidos).

– Chegamos a um detalhe que pode mudar o curso da paquera para todo sempre: um elemento biológico importante, que pode tornar seu alvo um novo amor ou simplesmente mais um amiguinho. É a chamada “energia sexual”. O segredo é fazer o inverso daquela sua tia carola e não reprimir os sinais, mostrando sua sensualidade. Sem medo de ser feliz.

– Outra vez temos aqui algo relacionado a aprimoramento: à medida em que controlamos nossa energia sexual, podemos decidir qual a intensidade dela. É como se fossemos um “termostato”, com um botão que varia de 0 a 5. Seu corpo pode gerar calor o suficiente para emitir um “só se for agora” sem que você tenha que falar alguma coisa. Ou simplesmente permanecer uma geladeira inútil – nesse caso, prepare-se para ouvir um “nunca tive um amigo tão bacana quanto você”.

– Agora que você já viu o be-a-bá da paquera, hora de praticar. Faça experiências em eventos sociais: espalhe seu brilho interior, estabeleça mais contatos visuais (talvez o mais poderoso mecanismo de sinalização seja esse), aproxime-se e faça perguntas interessantes, fazendo a outra pessoa se abrir.

– E o mais importante: se a resposta que tiver não for das melhores, relaxe: existe alguém lá fora interessado em todos esses valores positivos e radiantes que você já aprendeu a demonstrar. A fila anda.

– Tudo isso não surge da noite para o dia. Com naturalidade, você se tornará um “paquerador” com capacidade suficiente para criar empatia instantâne. Captar sinais para se relacionar de forma harmoniosa: respirando no mesmo ritmo, captando seus padrões, identificando qual dos seus sentidos é mais aguçado e se aproveitando disso. Comunique-se bem, demonstre o quanto é parecido com ela e entre na mesma sintonia.

– Por fim, alguns mandamentos. Divirta-se mais e não leve a vida tão a sério. Não tenha medo da sua sexualidade, mas cuidado para não usar o seu “termostato sexual” de maneira inapropriada. Não tenha medo de mostrar a alguém que gosta dele. Não tenha medo de mostrar aos outros quem você é. Ame a si mesmo, liberte o seu lado paquerador e saia flertando: você vai perceber que vai se conectar com os outros na hora certa. E o mais importante: a vida é uma só.

Pode ser que a minha teimosia seja maior que a vontade de mudar algumas maneiras de lidar com as outras pessoas. Se isso acontecer mesmo, talvez use o Manual da Paquera de outra forma: abro-o no metrô diante de uma incauta e, do nada, passo a fitá-la com o meu sorriso discreto e um olhar irresistível, balançando as sombrancelhas.

O que me diz, hein? Hein?

(Postado em 08/06/2005)

André Marmota dialoga muito com o passado, cria futuros inverossímeis e, atrapalhado, deixa passar algumas sutilezas do presente. Quer saber mais?

Leia outros posts em Faça fazendo. Permalink

Comentários em blogs: ainda existem? (18)

  1. Caríssimo André-Marmota, também admito que não sei paquerar p. nenhuma… Achei as dicas do manual interessantes, embora parecidíssimas com aquelas proferidas em cursos de motivação, liderança e coisas do tipo.
    Mas dentre todas as sugestões, a sua, se não é a mais eficiente, é a mais hilária !
    Não esqueça de nos contar qdo v. resolver utilizar a infalível tática “livro-na-mão-e-sobrancelha-levantada-pra-gostosa-do-metrô” ! Beijo !

  2. Bah, Marmota, se eu não tivesse namorao, até pensaria em ler esse livro, mas acho que a pessoa deve confiar nos seus atributos pessoais, pois livro de auto-ajuda, até o ponto que eu sei, não funciona muito, né? Até deve funcionar, quando o ferece coisa óbvias. Até

  3. Hahahaha… Como todo o respeito: vc é doido!

    Gostei do texto, das dicas e fiquei imaginando vc usando o manual da Paquera de outra forma (como descreveu)… Porque não tenta só para ver no que dá?!?!?! Hahahaha… Tem a manha?
    Beijão!

  4. Mulheres do mundo: tremei!
    Aí vem André-Marmota escolado (e descolado) com dicas de paquera prontas para serem usadas na prática.
    Boa sorte!

    Beijo, André!

  5. Você vai fazer que nem na foto,né?

    O mais difícil é, realmente, saber o que fazer nas horas certas. Identificar. Depois de identificado o momento, você sabe até se é melhor dar uma de chorão ou de boçal (nos extremos, lógico que tem coisas no meio.)

    Boa sorte, man!

  6. Eu confesso que não sei paquerar nadica de nada. A timidez é algo que me deixa paralisada. Essas dicas foram muito boas. e divertidas! :)

    E moço, vc é tudo de bom viu? Tá sozinho pq quer! ou entao pq é teimoso demais e ainda não decidiu tirar o pé do chão um pouquinho! :)

    Em todo caso, boa sorte! :D
    Beijoo

  7. Aaaah, se vc for seguir dicas, vai pensar demais na hora de agir, e vai acabar sendo espontâneo de menos. Minha dica é: Não pense, seja natural. Só isso.

  8. AHHHAHHAHAhA
    E ai Caro Andre tudo na paz, cara depois de uma detalhada e esclarecedora palestra de como paquerar cheguei a uma conclusão “paquerar é muito engraçado” se bem que eu devo estar fazendo alguma coisa errada, nessa minha maneira Zé de ser, pois eis que passo mais um dia dos namorados só, apesar que pra compensar essa data o domingo será muito foda com shows de Hardcore o dia todo e no fim da noite um puta show com Cachorro Grande quer mais o que ????? ( a sim vão ter variar e belas mulheres nos 2 show ahhahahahaha)
    Um Abração do Zé

  9. hahaha…se sou eu a incauta no metrô, esqueço o Alê e corro para os seus braços…olhadinha mesmo irresistível :)

  10. Hahaha! Marmota, meu fio, não pague esse mico de andar lendo esse livro no metrô, faz favô! XD

    Mas olha, conheço algumas pessoas a quem pode ser perigoso dar esse conselho de “liberar a sexualidade sem medo de ser feliz”! Será que a Tia Peta sabe mesmo do que tá falando?

    Abração!

  11. Huahuhuahuahua… se você abrir mesmo seu novo livrinho na frente de uma moça, do jeito que você falou que faria, caraca, acho que é capaz da pobre sair correndo… hauhauhauhau..

  12. A PAQUERA É UMA DAS ETAPAS MAIS IMPORTANTES EM UMA FUTURA CONQUISTA,EU ESTOU PAQUERANDO UMA MENINA DE 22 ANOS,NÃO ESTAMOS AINDA NAMORAMDO MAS SIM NOS CONHECENDO PARA MAS A TFRENTE NAMORARMOS,E ELA NO MOMENTO TEM NAMORADO MAS NÃO ESTÃO TENDO TEMPO UM PARA COM OUTRO,E OUTROS PROBLEMAS,E MAIS A FRENTE ELA DEVE RESOLVER TERMINAR COM ELE,DA MELHOR FORMA POSSIVEL,SEI QUE PARECE SER ESTRANHO DELA TERMINAR E OUTRO DIA ESTAR COMIGO,MAS DEVEMOS CORRER ATRÁS DA NOSSA FELICIDADE,SE ELA ÑÃO GOSTA MAIS DELE ELE TEM QUE SER FELIZ

  13. Adorei as dicas , mas quando eu vejo um homem que me interessa,deixo cair um objeto meu no chão,no momento que ele for pegar,tiro os sapatos e inclino bem os meus pés como se eu estivesse usando salto alto e começo a balançar

  14. Olá!Adorei suas dicas.Sou muito timida na apquera..Sou a tipica timida q tem medo até de corresponder olhares..Porem vejo q a vida passa e algo tem q mudar!E estava eu pela internet..buscano palavras q poderia me aliviar e talvez me conduzir a uma luz!rs
    E econtrei.Parabens suas dicas me motivaram muito!
    Estarei treinando..agora!

Vai comentar ou ficar apenas olhando?

Campos com * são obrigatórios. Relaxe: não vou montar um mailing com seus dados para vender na Praça da República.


*