A misteriosa ética do “famarismo”

Um dos personagens mais inesquecíveis daquela viagem para a Alemanha que fiz há quase um ano era um dos cinco companheiros africanos lusoparlantes. Certamente a figura mais curiosa que já vi em toda a minha vida. Não vou julgá-lo agora, da mesma forma que não o fiz enquanto convivemos lado a lado. Até porque, seu país luta desde 1999 pela democratização, depois de uma longa e desgastante guerra civil. Aliás, dentro de seu ramo de atividade, recebeu o prêmio de melhor profissional de comunicação em 2004, concedido pela federação de futebol desta nação da costa ocidental africana.

Nas primeiras horas ao seu lado, não vi nada de errado com ele. Era um tipo físico diferente, magro, baixo – seu perfil lembra o do ET, o Extraterrestre, de Spielberg. Durante nossa primeira atividade em grupo, conversamos tranquilamente. Inclusive mostrou-se interessado em saber mais sobre o problema envolvendo a arbitragem no Brasil – uma prova de que o escândalo do Edílson e do Danelon cruzou o oceano e foi longe. Mas antes, a turma havia chamado sua atenção: o outono em Bonn não era dos mais quentes, e ele certamente ficaria com frio. Como ele não tinha nenhum agasalho extra, fiz questão de emprestar uma blusa que tinha levado a mais.

Poucos dias se passaram até que nosso amigo cometeu seu primeiro deslize. Quando parte do grupo chegou ao hotel, encontrou o recepcionista desesperado, tentando se comunicar em alemão ou inglês com o estranho hóspede, sem sucesso. Aliviado, o simpático atendente explicou que estava cobrando por algumas chamadas telefônicas feitas no quarto. “Mas eu não liguei, eu não liguei”, repetia, furioso, o nosso personagem. Alguém percebeu que as ligações eram todas para o celular de um dos nossos guias. “Ah, mas ele disse que eu podia ligar para ele, ele disse que podia”… Resumidamente, ele não tinha culpa. Era como se o problema fosse o telefone.

Na mesma semana, nosso amigo decidiu retornar do curso acompanhado – provavelmente para ter certeza de que chegaria bem ao hotel. Naquela tarde, por um descuido, pegamos o U-bahn errado. Nada preocupante: descemos na primeira (e erma) estação possível, tomamos o trem de volta e finalmente corrigimos nossa rota. No dia seguinte, as explicações.

– Pessoal, perdi-me outra vez.
– Mas o pá, tens que ter cuidado.
– Mas não fui eu, foram eles… Fala inglês, tinha o mapa…

“Fala inglês e tinha o mapa” foi uma espécie de mantra repetido exaustivamente por toda a turma, sempre às gargalhadas. Mas nem sempre conseguíamos nos divertir com seu estranho comportamento: logo outras atitudes estranhas viraram motivo de fofoca entre os colegas. “André, sabia que ele encomendou um aparelho de MD portátil daquela oferta em Colônia? Pois é, e reparou ainda que ele não tirou a sua blusa o tempo todo?”. Traduzindo: como é que alguém vindo de uma nação sabidamente problemática economicamente comprava um MD mas não um agasalho?

Ficou muito clara a mudança de postura: a figura comunicativa e interessada do primeiro dia foi se transformando, sabe-se lá por que motivo. Pode ter sentido a hostilidade ou os comentários dos colegas, ou espertamente pode ter se passado por vítima, esperando algum apoio ou ajuda. O fato é que ele não comprou eletrônico nenhum, e assim que ganhou uma sacola de roupas de um dos funcionários da Deutsche Welle, ele devolveu a minha blusa. Lavada.

Mas ele continuou, até o último dia, negando toda a responsabilidade por qualquer ato praticado, culpando sempre os outros ou mesmo objetos inanimados. Nunca era ele. Seu semblante, porém, não transmitia nenhuma indicação de maldade, ingenuidade, burrice… Não dava pra saber as razões que o deixavam assim. Um dos colegas africanos, diante desse sintoma pouco comum, usou o primeiro nome do nosso amigo para criar uma nova palavra, de origem puramente afro-germano-portuguesa: “famarismo”. Substantivo masculino, identifica quem comete ações, mas não se responsabiliza por elas por razões desconhecidas.

A primeira notícia que tive do homem que inspirou o “famarismo” quando saí da Alemanha foi a de que ele deixou Bonn e foi para Lisboa. Dizem, na maldade, fugindo de alguma coisa. Como diria Dona Milu, usar do “famarismo” em detrimento a uma postura transparente e que não deixe dúvidas, é um grande mistério. E isso vale tanto para um humilde profissional da África quanto para um Presidente da República de um país sul-americano.

Esse texto aproveita o gancho da última semana antes da grande festa da democracia, além da sugestão interessante da Laura, do blog Caminhar, que propôs uma blogagem coletiva sobre ética.

Mas não me peçam para falar muito mais sobre política. Tenho evidentemente as minhas opiniões, uma enquete bobinha (sem pretensão de virar pesquisa eleitoral), muitas restrições ao partido do atual presidente e ao sistema de votos proporcionais para escolha do legislativo. Mas elas só valem para discussões acaloradas com pessoas de esquerda ou direita. Não nego a sua importância, mas a escolha dos nossos representantes ainda não é feita baseada nos decibéis dos aplausos ou dos gritos.

Quer debater e defender seu ponto de vista com unhas e dentes? Muito legal. Quer votar usando um nariz de palhaço e rir para não chorar? Legal também. Quer me convidar? Bacana, mas só se for para assistir.

Comentários em blogs: ainda existem? (11)

  1. ah, durante muito tempo fui um praticante do famarismo. mas me curei e hoje sou uma pessoa feliz. mas ainda conheço uns famaristas natos. Aliás, o fenômeno atinge não só o presidente, mas muitos outros políticos, é algo que ignora partido, cor ou credo.

  2. Grande marmota!
    Bom dia.

    Como vc ja deve ter percebido, de alguma forma, e mesmo nao deixando comentarios em praticamente post algum…diariamente visito teu site atras de boas risadas e belos textos que a vossa pessoa escreve aqui.

    Nao farei comentario sobre o post acima escrito, mas queria falar contigo sobre outra coisa.
    Nao sei se existe um post, pelo menos nao encontrei, falando sobre o tal filme que ontem foi transmitido pela Band. “Super Size Me”.
    O filme daquele americano infeliz que faz uma dieta a base de MC Donalds e bla bla bla.
    Viu aquele filme?
    Pois eh, estou com bala na agulha pra falar nisso o dia inteiro….falar mal, gastronomicamente sobre a tal rede de Fast-Food. Pois na area financeira e de marketing…os caras sao FODA!

    Enfim….admiro muito seus textos e eu gostaria de saber teu ponto de vista sobre tal assunto que o filme em si abrange, que sao redes de Fast Food que pouco se importam com a saude dos seus clientes, mas sim, em vender vender vender, faturar faturar faturar, ter nome, renome, ter o slogan estampado no ceu e no inferno em tudo que eh lugar.

    Poderia fazer isso para gente?
    Acredito que todos os “Blogespectadores” do seu site concordariam comigo!

    Forte abraco!

  3. Sábado, dia 30. Um ótimo dia para discutir política numa pizzada entre amigos…

    Pronto, tá feito o convite. Ah, e será a “saidera” daquele apartamento… :)

    Um abraço!

  4. Pois é, o “famarismo” também pode ser chamado de escapismo, caracteristicazinha insuportável em muitos dos nossos conhecidos.

  5. Devido ao grande número de famaristas neste país, certamente inspirados pelo famarista-mór da nação, acho que o neologismo tem tudo pra pegar.

  6. Seguramente, temos milhares de famaristas, a começar pelos que estão no poder. Agem como se não fossem eles, sempre.
    E sabemos que não é assim.Ótimo texto.

Vai comentar ou ficar apenas olhando?

Campos com * são obrigatórios. Relaxe: não vou montar um mailing com seus dados para vender na Praça da República.


*