Umas duas, dez, dezoito medalhas… Preciso, não?

Eu podia jurar que conseguiria escrever meu palpite olímpico, que poderia ser usado em qualquer bolâo chinês, ainda nesta terça-feira. Meu prazo esgotou e, há dias, estou no “quase terminando”. Antes de botar aqui as minhas previsões do “Pai Marmota”, acredito que a brincadeira possa ficar mais interessante questionando os nossos dois ou três visitantes deste espaço. Então responda aí: quantas medalhas, e de qual valor, o Brasil vai conquistar em Pequim?

Agora sim. Antes tarde do que nunca, segue o restante do texto – nem sei mais o quanto era necessário, diante do volume de opiniões (obrigado!) estimuladas por apenas cinco linhas… Sinal de que aquele papo de boicote não colou.

Mas enfim. Imaginar quantas medalhas o Brasil vai trazer dos Jogos Olímpicos não é uma tarefa simples. Não adianta simplesmente projetar o desempenho verde-amarelo em função da quantidade de atletas presentes. A cada ciclo olómpico, partimos com a maior delegação da história. Em Pequim, serão 277; em Atenas, foram 247; em Sydney, 205; e em Atlanta, um pouco mais: 225. O recorde histórico foi justamente nos EUA, em 1996, com 15 medalhas. Em 2000, foram 12 (nenhuma de ouro). E em 2004, 10 – com o recorde histórico de ouros, 5.

Resumidamente, os dados acima não significam absolutamente nada. Em 2004, as únicas apostas certeiras que tinha eram Daiane dos Santos, Robert Scheidt e na dupla Ricardo e Emanuel, na areia. Destes, só o tropeço da gauchinha ao som de “Brasileirinho” furou. Em compensação, ainda tivemos seleção masculina de vôlei, a dupla Torben e Marcelo (na água) e o ouro tardio de Rodrigo Pessoa e Baloubet Vou Refugar com Você, presente de um cavalo irlandês dopado. Isso quer dizer que, na prática, mesmo um chute bem dado só é certeiro com alguma dose de sorte.

Enfim, segue o palpite do Pai Marmota: 4 de ouro, 4 de prata e 6 de bronze, totalizando 14. Chute baseado em uma análise rápida e tosca dos 32 esportes em que teremos algum representante, a seguir:

Atletismo – Historicamente, o país consegue beliscar algum bom resultado nas pistas. Em Atenas, todos esperavam por Jadel Gregório, mas a medalha da modalidade veio aos 44 do segundo tempo com Vanderlei Cordeiro (seria dourada, não fosse o demente padre irlandês). Apesar daquela geração melhorar um bocado nos últimos quatro anos, as chances reais ainda não passam de esperanças: Jadel (concentrado e numa tarde feliz) e Maurren Maggi, no salto em distância, Fabiana Murer (se a Isinbayeva tiver dor de barriga) e o quarteto do revezamento, quarto no último mundial. Mesmo incluindo o Marilson dos Santos e o Franck Caldeira, os “Vanderleis” da vez, só um destes seis vai faturar algo.

Aquáticos – Se em Atenas nossa referência ainda era Gustavo Borges, que se despediu das piscinas da mesma forma que a equipe brasileira (em branco), agora me parece que todos os holofotes estão direcionados ao Thiago Pereira. Numa tentativa insana de tornar a natação ainda mais atraente, jogam-no em uma rivalidade desnecessária com Michael Phelps – este sim um fenômeno. Torcida não vai faltar para ele, que vai disputar três provas. Sem tanta pressão, Cesar Cielo vai competir nos 50m e 100m, as mais velozes (e cujo resultado depende de cento e duzentos fatores). Incluindo o paraibano Kaio Marcio, que costuma ir rápido nos 100m borboleta, e a Poliana Okimoto, dá pra especular uma prata ou um bronze aqui. Saltos ornamentais? Nado sincronizado? Remo? Canoagem? Hahaha!

Basquete – Confesso que ficava indignado com a mídia esportiva durante a cobertura dos eventos pré-Olímpicos da seleção masculina. Eram tantas as confusões de bastidores que qualquer manchete do tipo “Brasil encara mais um desafio rumo a Pequim” poderia ser trocada por “Olha lá, o Brasil vaisiferrá. Vaisiferrá, tô falando. Não disse? Siferrô”. A bem da verdade é que nosso basquete parou no tempo – quer dizer, seguiu o ritmo da administração vagabunda. Assim, só nos resta torcer pela esforçada equipe de Paulo Bassul. Longe de ser a geração de Paula e Hortência, e sem uma referência como Janeth, a única forma de superar obstáculos é mostrar em quadra um enorme “não precisamos de você, Iziane”.

Futebol – Sinceramente? Não sei o que pensar do time de Dunga. Ronaldinho Gaúcho, longe da forma ideal, foi convocado pelo presidente da CBF. Outros atletas importantes não foram liberados, e os que estão na idade olímpica também sofreram com a má vontade de seus clubes. A equipe teve pouco tempo pra treinar, e antes de encarar o único torneio que ainda não venceu, chamou Vietnã e Cingapura para se preparar. A coisa é tão ruim que, no fim, pode ser como a última Copa América. Enfim, se eu tiver que apostar em uma medalha aqui, será no feminino.

Ginástica – Diego Hypólito é o cara aqui. O sujeito se preparou como nunca, superou dengue e cirurgia, e está em excelente forma. Concentrado, conquista o primeiro ouro do país nesta modalidade. Não ficaria surpreso se a Jade Barbosa, nossa melhor atleta no feminino, conquistasse mais uma medalhinha em algum aparelho. De repente, sem a pressão de Atenas, até Daiane dos Santos consegue um resultado bacana. Ah, sim: ainda temos as brasileiras da ginástica rítmica, que dependendo do horário, é muito legal para assistir. Mas só.

Handebol – Historicamente, as mulheres conquistam melhores resultados que os homens. Isso quer dizer que as mulheres vão ficar entre sexto e décimo-qualquer coisa, e os homens abaixo disso.

Hipismo – Vamos esclarecer as coisas: no Brasil, considera-se hipismo apenas a prova de saltos, especialidade de Rodrigo Pessoa e o restante da equipe. Desta vez sem Baloubet, seu companheiro de chacota em 2000 e de glória em 2004, dificilmente conseguirá algo no individual. De repente, a equipe repete Sydney e fatura uma medalhinha. Enfim, hipismo ainda conta com o “abestamento” (dá a patinha, cavalinho), o conjunto completo de equitação. Certamente ninguém vai lembrar disso.

Judô – Mais um esporte onde o Brasil se dá muito bem. Aqui, vamos ter duas medalhinhas com certeza, com Tiago Camilo, Luciano Corrêa, João Derly ou Leandro Guilheiro – ou ainda, se a tradição prosseguir, de alguém que não se espera nada. Também será a despedida de um dos nomes mais conhecidos do esporte no Brasil: Edinanci Silva é o Gustavo Borges de 2008.

Taekwondo – Na verdade, aqui não é exatamente o nome da modalidade que conta, mas sim o de uma das minhas ídolas da nova geração do esporte brasileiro: Natália Falavigna. Ela já foi campeã mundial, perdeu o ouro no Pan do Rio por detalhes e ficou fora da disputa por medalhas em Atenas por conta de uma fratura no pé. Desta vez, sinto que ninguém segura a Natália. Vai, Natália!

Tênis – Com Federer e Nadal na disputa do torneio de simples, fica difícil imaginar Thomas Bellucci e Marcos Daniel avançarem para uma semifinal ou final – se bem que, em 2004, também ninguém imaginava os chilenos, com Nicolas Massu e Fernando Gonzalez (que estão de volta) no topo do pódio. Falando em duplas, é aqui que reside nossa esperança na quadra, com André Sá e Marcelo Melo. Esperança, diga-se, não quer dizer muita coisa…

Tênis de mesa – Outra despedida aqui: dificilmente Hugo Hoyama, 39 anos, terá outra oportunidade. Enfim, tanto ele quanto os esforçados jogadores brasileiros, dificilmente conseguirão algo na região do planeta que domina o esporte.

Vela – Essa é a modalidade que rendeu a maior quantidade de medalhas olímpicas para o Brasil. E aqui, uma previsão cíclica: se em 2004 Baloubet se redimiu e trouxe medalha após refugar, em Pequim será a vez de Bimba dar a volta por cima depois do papelão em Atenas. Ainda tem Robert Scheidt na classe Star, ao lado de Bruno Prada, com chances muito boas. Veremos.

Vôleis – Acreditar na seleção feminina é como imaginar o Flamengo campeão brasileiro de 2008. Mas enfim, depois de tantas amareladas, de repente elas conseguem queimar minha língua. E sinceramente, prefiro torcer para as moças do que vibrar com o time de Bernardinho. Já deu o que tinha que dar essa turbulência nos bastidores, que começaram no Pan com a saída de Ricardinho e continuou após o estranho quarto lugar na Liga Mundial. É por conta disso que o tri não virá. Na praia, Emanuel e Ricardo são as “barbadas” dos Jogos: se levarem o ouro, meio mundo vai ganhar pontos no bolão. No feminino, ainda que Juliana estivesse ao lado de Larissa, não seriam páreo para Walsh e May. Com Ana Paula, então…

“Fica a lição para Londres” – Nessa leva, entra os 80% de atletas brasileiros que estarão lâ, vindos das modalidades como arco e flecha, boxe, ciclismo, esgrima, lutas, levantamento de peso, pentatlo moderno e tiro…

André Marmota acredita em um futuro com blogs atualizados, livros impressos, videolocadoras, amores sinceros, entre outros anacronismos. Quer saber mais?

Leia outros posts em Especiais do MMM. Permalink

Comentários em blogs: ainda existem? (13)

  1. Putz… não sirvo pra isso…

    Tem chance de ganhar em várias… menos no futebol masculino!
    Pronto, fica esse sendo o meu palpite!

  2. Vamos lá: 7 ouros, 9 pratas e 11 bronzes. Basicamente, temos chances na Natação, Judô, Ginástica Artística, nas duas maratonas (aquática e de pista), Vôlei, Vela e Futebol. Tô apostando em um dos triatletas também (porque eu sou do Pinheiros, oras…).

  3. Iiiiiih…

    Olha só, cara, ouro ouro mesmo, eu tenho 5 chutes:

    – Natação. – Com o Cielo, o cara pode surpreender, ninguém está mto de olho no cara.

    – Ginástica. – Com o Diego e a Jade. A baixinha vai tocar o terror no país dos olhos puxados.

    – Voley. – Seleção Masculina Quadra, os caras ficaram mordidos com a perda da Liga, os caras vão pra lá cuspindo fogo!

    – E Futebol. MASCULINO! Essa olimpiada tá com um cheiro de que o Dunga vai calar a boca de todo mundo e vai pegar o ouro nisso aí. Tipico azarão, semelhante a copa de 2002. Ninguém acreditava, até, o 2º gol do Ronaldo contra a Alemanha. E agora não vai ser diferente não.

    Fora isso, uma meia dúzia de bronzes e pratas espalhadas também.

    Veremos!

  4. André!

    Toda vez que vejo o Corinthians jogar, mesmo ele jogando bem ele perde.
    Toda vez que NÃO vejo o Corinthians jogar, mesmo jogando mal ele ganha.

    Não é esse, um sintoma do pé-frio?
    Então, como sou otimista, não vou arriscar meu quadro de medalhas para não azarar o povo por lá.
    Mas será mesmo, a merrequinha de sempre.

  5. Vai ser recorde: umas cinco medalhas de ouro desta vez, seis de prata e nove de bronze. Vinte no total.

    Confio no pessoal da natação, do judô, da ginástica olímpica e, claro do vôlei de quadra e de praia.

    Quanto ao futebol, acho que o ouro ainda não vem dessa vez. Serão duas pratas, no masculino e no feminino.

  6. Eu aposto em 17 medalhas de ouro. Se bem que, era melhor eu subitrair ai a do volei masculino, que pode ser que perca novamente para os Estados Unidos; subitrair a do volei feminino, porque elas sempre espanam na final; subitrair a do volei de prai… hum…

    Faz o seguinte, esquece. 17 medalhas. Brasil é 17. O pior de tudo é que todo mundo vai ficar muito feliz com 17 medalhas de ouro como se isso fosse a coisa mais espetacular do mundo. Em pensar que se juntar 2 Michael Phelps já dá quase isso de medalhas. heheh

  7. Bom… vai no chutômetro mesmo.
    5 de ouro, 12 de prata e 20 de bronze. Pronto! Batata que uma de ouro será no judô e uma de bronze na natação. Agora é pensar que horas terei que acordar para ver boxe tailandês…

  8. O meu palpite otimista é que o Brasil ganharia 23 medalhas, com 13 chances de abocanhar o ouro entre elas. Dessa minha previsão, porém, uma já furou (João Derly).

    Uma coisa é certa: teremos muitos motivos para gritar Ê, Brasil!

Vai comentar ou ficar apenas olhando?

Campos com * são obrigatórios. Relaxe: não vou montar um mailing com seus dados para vender na Praça da República.


*