Qual o seu blog? Vai, fala!!!

Acostumado a participar de “encontros às escuras” envolvendo esse nosso belo povo conectado em rede, fiquei surpreso com o tamanho da minha ranzinzice na última sexta-feira, no bar Opção. Aceitei o convite do João M e do Inagaki: decidi conferir – levando comigo a Luciana, que adora blogs (e alguns blogueiros).

Na chegada, avistei os dois ao lado da Patrícia, o que prometia uma noite muito agradável. Mal deu tempo de acenar e já fui abordado por uma moça afoita.

– Quem é você? Quem é você??? – perguntou, insistentemente.
– Olá, boa noite! Tudo bem? – respondi, tentando acalmá-la.
– Quem é você??? Quem é você????? – prosseguiu, enquanto cumprimentava o resto da turma.
– Sou o André, e o prazer é todo meu – disse, ainda sorridente, dando um boa noite coletivo para aquele povo todo.
– Mas você tem blog??? Vai, me responde!!!!! – insistiu, ainda sem se apresentar.

Foram mais alguns longos segundos antes que eu finalmente descobrisse: era a Sandrinha, da Cabeça Vazia. Ela lembrou que eu fui aluno da ETFSP, assim como seu irmão – só não lembrou quando foi isso: “nossa, você só faz perguntas difíceis”. A conversa foi interrompida com uma constatação: era muita gente para pouca mesa.

Pouco depois do Rafael (ex-Crussificados) ir embora, acabamos nos separando por faixa etária: enquanto os mais jovens circulavam hormônios na mesa maior, a turma de sempre contemplava o barulho, refrigerantes e uma generosa porção de três ou nove cubinhos de provolone à milanesa. Além do excesso de testosterona, deu para sentir outras sensações à distância. “O que são aquelas garrafas de coca-cola? Looosers! Ficam longe só porque são famosos…”. Em tempo: blogueiro consegue ser tão famoso quanto qualquer ascensorista…

Enfim. Algum tempo depois, o Baco tomou a iniciativa e decidiu bater papo conosco. Ele confirmou minhas suspeitas logo no primeiro diálogo: “vocês também estão falando sobre sexo?”, perguntou. Definitivamente, essa juventude está perdida. Seguiu um amplo debate sobre o tema: defendi minha tese de que só a cumplicidade e um envolvimento mais íntimo, independente de questões físicas, já pode ser caracterizado como sexo. Cumpadi Inagaki defende a versão clássica: técnicamente e literalmente, intimidade é o cacete. Nosso jovem samurai trouxe mais uma importante discussão: se um molecote chega ao cúmulo de incorporar Onan mais de 50 vezes para uma mesma pessoa, isso já equivale a um tradicional corpo-a-corpo.

Assim que a Giu chegou, pensei: “agora podemos pedir a conta”. Mas logo o Baco voltou para “interagir” conosco – o que me deixou preocupado, já que a mesa erótica era a outra. Com receio de ver nosso novo amigo excitado demais, decidi mudar o foco da conversa.

– Então, qual é a do seu blog?
– Ah, as pessoas entram nele e gostam por causa do layout.
– Sei… Mas qual a razão de mantê-lo atualizado?
– Ah, não tenho razão nenhuma. Não gosto de escrever. Não gosto de nada muito certinho. Não consigo fazer como muita gente boa, que usa ponto, acento, letra maiúscula…
– Curioso. Você não gosta de escrever, mas ainda assim escreve todo dia…
– Ah, mas é na brincadeira, só pra zoar. E as pessoas gostam.

Num primeiro momento, achei estranho alguém decidir fazer qualquer coisa sem uma motivação, uma causa definida. Só então lembrei que, há algum tempo, já fui assim. Naquela sexta, tive certeza de que estou velho.

Uma pena. Poderia ter conversado e me divertido mais com a “turma da outra mesa”: Camila (saída de um clip da Cyndi Lauper), Dani, Li de Oliveira (justiça seja feita, ela também veio dar “oi” aos tios), Flávio, Alex, Julio, Maurício, Paula Marcela, Dani Dani, Lelê e Eric. De repente, na próxima.

(As fotos que ilustram mais esse passeio são da Luciana, do João M e do Baco – obrigado!)

Comentários em blogs: ainda existem? (19)

  1. O Marmota está com madeixas dignas do Russell Crowe em “Mestre dos Mares”. E eu tô ficando vééééééio… Ai, minhas costas!

Vai comentar ou ficar apenas olhando?

Campos com * são obrigatórios. Relaxe: não vou montar um mailing com seus dados para vender na Praça da República.


*