O que é um blog?

Só agora me dei conta de algo impressionante: não existe uma boa definição da palavra blog em nenhuma das incontáveis linhas deste espaço. Nem mesmo em nossa seção metalinguística, que está apinhada de referências e discussões. Talvez por conta de uma suposição simplista: só quem me conhece, ou tem um blog, ou sabe o que é um, perde algum tempo navegando por aqui.

Mas essa premissa tem um defeito: não conta os pobres coitados que caem aqui via mecanismos de busca, a procura de mulénua ou ideogramas japoneses. Talvez esse povo, que mal sabe usar o Google, não saiba que tipo de site é este. Por essa razão, vamos ajudá-los, respondendo, em linhas gerais, “o que é blog”.

Comecemos pela definição geral. É um tipo de site, caracterizado pela divisão e atualização do seu conteúdo: são entradas (posts) divididos em ordem cronológica descrescente (os mais recentes aparecem primeiro). Qualquer um pode acessá-lo e participar das discussões, através de links para outros sites ou da caixa de comentários (espécie de mini-fórum).

Parece uma idéia original? Nem tanto. Antes mesmo da popularização do computador e da Internet, já existiam os aficcionados em rádio amador. Isso mesmo, aqueles sujeitos que se comunicam com gente dos quatro cantos do globo usando um transreceptor sintonizado na chamada “faixa do cidadão”. Pessoas que se intercomunicam através de ondas eletromagnéticas – e anotam seus registros em logs.

O termo é popular não apenas entre radioamadores, mas também entre analistas de sistemas e encarregados para suporte técnico em informática: todo servidor conectado à Internet, por exemplo, gera automaticamente um arquivo (o log) contendo um histórico de atividades (data, hora e o ocorrido).

É exatamente como você, ao registrar momentos exatos da sua vida – seja no computador ou no diário de papel – que poderia ser chamado de “personal log”. Ao final da década de 90, surgiram os primeiros “logs particulares na rede”. Não se sabe quem foi o primeiro norte-americano a chamar a brincadeira de weblog. Um dos pioneiros certamente é Dave Winer, criador do sistema Radio UserLand e um dos primeiros blogueiros que se tem notícia.

No começo de 1999, segundo Rebecca Blood, o número de blogs conhecidos eram 23. Como vimos, a coisa se popularizou depressa, tomando o espaço ocupado com newsgroups, BBSsses, listas de e-mail. Fulaninho criava seu blog, escrevia e relacionava páginas que julgava interessante e chamava a atenção de Siclaninho, que começou a fazer o mesmo. De repente, a Pyra criou o sistema Blogger, tornando a coisa ainda mais fácil: até Beltraninho, que não tinha nenhum conhecimento técnico, criou o seu blog e fez referências a Fulaninho e Siclaninho – formando uma entre as milhões de pequenas comunidades virtuais possíveis com os blogs.

Nos últimos cinco anos, a bola de neve só aumentou. Com o 11 de Setembro, descobriram o potencial jornalístico do blog. Com a invenção dos Trackback, solidificou-se a interconexão entre os mesmos. Mesmo a imensa quantidade de informações parece não ser mais problema diante do RSS. Alguma dúvida de que a blogosfera, como chamamos essa tremenda rede de conhecimento e entretenimento, tem um longo futuro?

Muito bem. Agora que você já descobriu o que é um blog, pode opinar sobre outras questões palpitantes: até que ponto os blogs podem ser classificados? Seriam os blogs apenas diarinhos adolescentes? Ou ainda um exercício narcisista e, muitas vezes, arrogante? Será que textos compridos como este não vão dar lugar a imagens e vídeos superficiais, como normalmente a web é vista?

Se você não gostou da idéia, pode continuar a sua busca por muiépelada. Preferencialmente, em outro lugar.

(Não ficou satisfeito? Então leia ainda a resposta dada pelo Ponto Media).

Comentários em blogs: ainda existem? (8)

  1. E omepelado, tem? *sorriso* Pessoalmente, penso que nos blogs há espaço para vídeos, para fotos, para tudo. Porque há gente que gosta de tudo. O cinema e a tv não acabaram com livros e jornais. Uma coisa muito interessante que ninguém fala sobre blog é que ele é uma grande janela pra poesia. Há muitos blogs de poesia ou gente que posta poesias que gosta. Não vamos discutir a qualidade delas, mas há quanto tempo não se via tanta poesia circulando? É a inclusão digital da poesia.

  2. Então, nem consegui ler até o fim. A vista está cansada de ficar o dia todo no computador. Mas anyway: Marmota é cultura!

  3. Blog é sobretudo informação. Desde que virei blogueiro aprendi muita coisa que não sabia (Só falta o endereço dos portentosos sanduiches que vc ficou devendo…)

  4. Gostei do comentário da Ju sober a inclusão digital da poesia. São meus preferidos. Eu mesma tenho um blog onde posto poesias, contos,… O que falta são pessoas interessadas em poesia para entrar nesses blogs todos… o meu pelo menos é um tanto paradinho… :(

Vai comentar ou ficar apenas olhando?

Campos com * são obrigatórios. Relaxe: não vou montar um mailing com seus dados para vender na Praça da República.


*