O problema não é você, sou eu. Que tal?

Antes de mais nada, consideramos os três desfechos de relacionamento abaixo, escolhidos aleatoriamente em meio aos milhares que ocorrem diariamente no planeta:

Caso um: Namoravam há poucos meses e se viam apenas quando sobrava tempo e dinheiro. Situação dolorida, suportável apenas enquanto se acredita na história. Um dos dois lados sentiu mais e decidiu parar, salientando que o “problema não era com a pessoa, mas comigo”. Permaneceram o respeito, a consideração e o carinho. E se ainda ficou algo ruim, o tempo dá um jeito nisso.

Caso dois: A paixão entre os dois era muito forte, tanto que foi capaz de passar por cima de histórias das mais conturbadas para sacramentar este grande amor. Ficaram juntos longos anos, até que surgiram os primeiros problemas de convivência. A expressão “o problema não é com você, é comigo” foi ouvida no dia da separação. Atualmente, quem disse vive bem com outra pessoa. E quem ouviu não se convence até hoje.

Caso três: Formavam o casal mais perfeito, os amigos sabiam que, cedo ou tarde, viria casamento. Festa inicialmente adiada por uma viagem ao exterior, daquelas bem demoradas. Verdadeira prova de amor. Num reencontro em pleno Natal, resolvem discutir a relação. E ao invés da boa e velha frase, um surpreendente “não te amo mais, acabou, não quero mais”. Assim, sem rodeios. Não tenho certeza se um dos dois lados está realmente convencido disso. Mas não teria sido melhor dizer que “o problema não é com você, é comigo”?

Não há história semelhante, poderia passar dias elencando desfechos diversos. Mas não há como negar: “o problema não está em você, mas em mim”, desperta dúvidas na maioria dos casos. Não por acaso, apenas uma pessoa (talvez um dos envolvidos no “caso um”), entre os 22 votantes de nossa última enquete, escolheram a alternativa honesto, respeitemos as limitações do outro.

E não há o que duvidar quando sentimos tamanha honestidade. Mas não há como negar que a explosão de uma separação provoca estragos. Muitos deles irreversíveis, como o dos três visitantes (certamente com “casos dois” na cabeça) que consideram a afirmação mentirosa, na verdade, você não vale nada!. E segure-se na baixa estima.

Claro que todos temos defeitos. E quando lidamos com sentimentos, cada um reage de uma forma: tem gente que ouve um “acabou” e fica se perguntando “onde foi que eu errei”, temem parar na mesma vala comum que define toda criatura rejeitada pelas mulheres… Exageros à parte, assumir a culpa, independente da veracidade, pode ser educado, já que sinceridade demais machuca. Não deixa de ser melhor, ao menos na opinião de oito internautas.

A discussão vai além. De repente, a culpa não é de ninguém. “Acho que a verdade costuma ser que o problema está no relacionamento, não em uma ou outra pessoa, mas nas duas juntas… Quero acreditar nisso!”, comentou a Cacau, recentemente. Ou, de repente, pode ser simplesmente medo de se envolver. “Não entendo como é que tantas pessoas – homens principalmente – sentem tanto medo. No segundo ou terceiro encontro já estão arredios, olhando para os lados procurando possíveis rotas de fuga para o caso de precisarem sair correndo e gritando O PROBLEMA NÃO É COM VOCÊ! É COMIGO!”, definiu Marco Aurélio, num post que entrou em nosso Festival Calhau de Verão, em janeiro.

Mas querem mesmo saber? Estão certos os dez que acreditam ser irrelevante perder tempo com essa discussão. Em todo relacionamento, as dificuldades são encaradas até que tudo dê errado, ao menos para uma das partes. Quando isso acontece e a separação é inevitável, hora de usar a filosofia “PAUNUKU”: esqueça e siga adiante.

Mas enfim, o assunto é amplo e histórias nunca vão faltar. Por hora, vamos dar um tempo em relacionamentos por aqui: enquanto cada um segue a sua vida, aproveitamos a sugestão do Marcos VP e sentir a opinião do povo a respeito do filme do momento.

Comentários em blogs: ainda existem? (6)

  1. Frases como “o problema não é com você, é comigo” são muito perigosas. Além de estar na cara a mentira, cria uma situação de dúvida completa. Afinal, você sempre pensa que o problema está mesmo com você. E fica procurando sem encontrar pistas de onde errou. Um “eu não gosto mais de você” ou “estou a fim de outro cara, vá procurar a sua turma”, embora machuquem mais no primeiro momento, são bem mais honestos. E isso pode fazer toda a diferença para se manter ou não qualquer contato no futuro.

  2. Como os anjos um dia disseram, é melhor esquecer e partir para outra. A vida é cheia de problemas e se a gente ficar pensando no passado, esquece de viver o presente. Um dia quando tive um problema séria no Chapada Diamantina, comecei a ver o quanto a nossa vida é ínfima e nossa existência pode ser decidida em um fração de segundos, basta uma curva para o lado errado. Desde akele dia, resolvi da minha maneira viver cada dia intensamente e estou bem mais feliz.

    Sei que é muito saber seus erros e procurar melhorar, mas nem sempre este é o caminho melhor de se resolver as coisas. Às vezes as pessoas machucam as outras sem saber, às vezes a gente se entrega mais do que deveria e muitas vezes não há reconhecimento disso, apenas um egoísmo desnecessário. Como dizia um anjo desses.

    PAUNUKU !!!!! PAUNUKU !!!!! PAUNUKU !!!!! PAUNUKU !!!!! PAUNUKU !!!!! PAUNUKU !!!!!

    Don’t worry, be happy, my friend

  3. Pior que “o problema não é com vc, é comigo” só o “se eu pudesse escolher alguém pra amar seria vc”. Machuca demais qdo vc está fragilizado, principalmente qdo vc não quer que o outro vá embora. Já estive dos dois lados e não sei o que é pior.
    Ainda bem que no momento estou com uma pessoa compreensiva. Conversamos bastante, sendo confiança e respeito primordiais para nós.
    Como discuti semana passada na aula de inglês, o problme é só achar “the half of orange”…rs

  4. Marmota, meu amigo, você preferia uma opção do tipo a pessoa sumir sem mais nem menos? Terrível. Passei por isso 2 vezes, com 5 anos de intervalo, sujeitos totalmente diferentes. Depois disso, passei a dar muito mais valor à sinceridade “não te amo mais, não dá mais” do que qualquer outra coisa. Melhor assim, sem disfarces, sem subestimar a inteligência de ninguém.
    Ah, e que vala é essa?????? Todos nós somos rejeitados por todos até encontrarmos uma pessoa bem legal. E, quando não der mais certo, seremos rejeitados por esta, pra sermos aceitos por outra. O ciclo acontece e a gente só tem que aprender a amar a si mesmo, porque aí faz fila. :-)
    Quando alguém vier com papinho mole pra cima de você, 10 segundos depois de a pessoa falar “o problema não é com você, é comigo”, use as seguintes frases: “Então tá, foi um prazer. Agora vamos embora que a fila tem que andar”.
    Sai sorrindo, confiante, não olhe pra trás, depois chore por 30 segundos e já vai se preparando pro próximo amor. Vai por mim, é o melhor a fazer. Super beijo!

  5. Eu já fui a vítima do “problema não é você, sou eu” quatro vezes na minha vida.
    O duro não é aceitar, é compreender. Compreender que essa é uma frase honesta, que vem carregada de dor, de lágrimas, de um coração partido, do pensamento “eu não sou suficiente para você, você é boa demais para mim”.
    Nos meus quatro casos de amor o problema não era eu, mesmo. E precisa muita coragem para um homem admitir isso, e ainda mais para dizer. Eu respeito muito os homens que tiveram a coragem de me dizer isso, porque na verdade, dizendo essa frase ao dizer seu adeus, eles mostraram o quanto me amaram.

    beijos

Vai comentar ou ficar apenas olhando?

Campos com * são obrigatórios. Relaxe: não vou montar um mailing com seus dados para vender na Praça da República.


*