Não chores por mim, Argentina! Epílogo!

Segundo dia. Despertei com a TV sintonizada na Televisa: assisti ao Chaves sem dublagem! Mudei de canal e deparei com Bart Simpson falando “chicanês”. Impagável! Aquela manhã de sábado era destinada ao city tour. Circulamos por toda a cidade, com direito a fotos na famosa Praça de Mayo e compras no tradicional Caminito, no bairro La Boca.

Aliás, o dia pode ser resumido em muitas compras e muitos pedintes. A começar com a própria praça das mães e seus lenços brancos: lá fui abordado por uma velhota amiga dos pombos, que fez questão de pedir uma esmolinha. Tanto no Caminito quanto na Calle Florida, nosso destino da tarde (após o almoço no Burger King), dezenas artistas de rua tentavam chamar a atenção em busca de alguns trocados. Na saída do El Ateneo, uma espécie de “livraria mega-store”, fui abordado por uma menina muito chata – como “lembrança”, dei a ela dois reais. Tadinha.

A Calle Florida, ponto comercial da cidade onde um dólar variava entre $ 2,50 e $ 3,30, nos reservou outras coisas interessantes. Como o aviso num pequeno sebo: “se não for comprar nada, seja breve”! Cansados, os três ainda tiveram fôlego para caminhar pelos corredores das Galerias Pacífico e seus afrescos no teto, com direito a sorvete de pomelo num quiosque chamado La Veneziana. Compartilhamos o final da tarde ao lado dos nossos hermanos sentados na grama da Praça San Martin. Uma beleza!

A noite era uma criança. Mal deu tempo de cochilar duas horas para sairmos em direção a casa de tangos Carlos Gardel. Um lugar onde os espetáculos são formatados especificamente para turistas. “Isso é dança de puteiro”, comentou Narazaki, que aliás pagou a minha entrada. Durante a apresentação, eu e Sakate discutíamos se o músico tocava sanfona ou gaita. No jantar, carinho e fraquinho – até hoje o Narazaki espera pelas “papas fritas”que pediu – conhecemos duas novas amigas, Maria e Sofia, que estiveram conosco no restante da noite!

Assim, os cinco saíram para aproveitar a noite portenha. Primeiro, no cassino flutuante, portentosa instalação em um navio ancorado – a legislação da Capital Federal argentina não permite jogos de azar em seu território, mas não restringe o Rio da Prata… É o nosso jeitinho brasileiro! Tanto no cassino quanto no bairro da Recoleta – point onde estão os bares mais conhecidos e o cemitério da cidade, não ganhamos nada… Terminamos a madrugada ali mesmo, por volta das cinco da manhã. Loucos de sono, num lugar chamado Spell Café, ao som empolgante do Manu Chao…

Claro que perdi o café da manhã do hotel no dia seguinte. Estúpido. Mas ainda deu tempo de pegar o metrô e caminhar até a Feira de San Telmo, uma “praça Benedito Calixto” com shows de tango, muitas quinquilharias e raridades! Foi no caminho da feira que o Narazaki descobriu que precisava ter moedas para pagar os ônibus da cidade… Teve que ser convidado a sair do coletivo!

Em San Telmo encontrei uma banquinha de revistas antigas – entre outras preciosidades, lá estava a edição histórica da El Gráfico da final do Mundial de 1978, sediado e vencido pelos argentinos. Foram 15 pesos bem gastos, para desespero do Sakate, que passou pelo mesmo local instantes depois. Tente imaginar como estava a cara dele após a cena abaixo, horas depois.

– Tive que comprar essa revistinha meia-boca, o vendedor tinha acabado de vender a da final…
– Você tá falando… dessa aqui?

A revista foi o assunto durante a volta, com direito a empanadas num boteco de esquina e almoço. No McDonalds, claro! Onde mais turistas brasileiros iriam pensar em comer? Para o domingo a tarde, o programa era unanimidade: Boca e Vélez em La Bombonera, pela penúltima rodada do Torneio Clausura! Na época, o noticiário esportivo parava constantemente nas páginas policiais, em função das brigas envolvendo torcedores. Ainda assim, corri o risco e levei a máquina fotográfica, para desespero dos meus dois companheiros.

A aventura começou na chegada ao estádio. Policiais perguntaram se “éramos visitantes”. Demorou para a ficha cair: ele se referia a torcida do Vélez… Novamente fizemos a volta no quarteirão, compramos os ingressos, passamos por três revistas até chegar ao segundo andar de arquibancadas, bem atrás do gol. Faltavam duas horas para o início da partida, o estádio ainda estava vazio.

Os minutos passavam e “los xeneizes”, torcedores do Boca, começavam a tomar conta do lugar. Os mais audaciosos subiam nos alambrados para pendurar longas e gastas faixas azuis e amarelas, que além de enfeitar as arquibancadas, serviam de apoio para os torcedores mais afoitos. Minutos antes da partida, parecíamos estar no meio dos barra bravas!

Começa o jogo. Mas ao contrário do que estamos acostumados no Brasil, são poucos que se importam realmente com a partida: o nosso lado da arquibancada não parou de cantar um só minuto durante os 90 minutos de partida. Nem mesmo durante o primeiro gol do Boca, no empate do Vélez ou no gol da vitória do time da casa por 2 a 1: “la hinchada” não deu trégua a ninguém . Foram duas horas em pé, passando frio e cantando em espanhol. Mas como valeu a pena!

Bem, poderia ter sido melhor. Na saída do estádio, um princípio de tumulto fez com que a polícia jogasse bombas de gás para dispersar os torcedores. E nós estávamos bem no meio de tudo aquilo, observando a fumaça e a multidão correndo em nossa direção… Nem deu tempo de gritar “corre”: já estávamos fugindo junto! Como todo castigo pra pobre é pouco, não encontramos o nosso ônibus: fomos obrigados a gastar nossos últimos pesos num táxi.

Nossa última noite em Buenos Aires terminou com uma caminhada na Avenida de Mayo e suas preservadas construções antigas. Encontramos um simpático restaurante de “pizza libre”, o nosso popular rodízio. Além do balanço da viagem, a loirinha que nos atendia também esteve na pauta. Narazaki venceu a aposta, acertando na mosca a idade da garçonete: 22 anos! Sim, perguntamos a idade para a moça antes de sair em direção a um cyber café, onde os dois corintianos nipônicos descobriram que o Corinthians havia vencido a primeira pela final do natimorto Rio-SP.

Não consegui assistir ao filme “Y Donde Estan Las Mujeres”, que estava em cartaz na cidade – pergunta que coincidentemente fiz durante todo o ano. Mas ainda deu tempo de dar uma nova circulada pelos arredores da cidade na segunda-feira pela manhã, antes do nosso embarque para São Paulo. Na bagagem, a minha camisa do River, um CD, alguns jornais e revistas locais, quatro filmes de 36 poses batidos, muitos papéis e algumas lembranças!

André Marmota acredita em um futuro com blogs atualizados, livros impressos, videolocadoras, amores sinceros, entre outros anacronismos. Quer saber mais?

Leia outros posts em Especiais do MMM. Permalink

Vai comentar ou ficar apenas olhando?

Campos com * são obrigatórios. Relaxe: não vou montar um mailing com seus dados para vender na Praça da República.


*