Joint venture do terror?

Nem parecia uma redação de esportes: ontem, logo cedo, todos estavam ligados ao atentado em Madrid, cujas explosões sucessivas nos trens da capital espanhola mataram cerca de duzentas pessoas. “E todo mundo embarcou no eta, eta, eta… É a lua, é o sol, é a luz de…”, disse o Savarese. De fato, as autoridades atribuíram a culpa, inicialmente, ao grupo separatista basco.

“Não foram eles. Eles não usam bombas sucessivas”, cravou o jovem estudante de jornalismo – e profundo conhecedor de assuntos políticos e internacionais. No decorrer desta quinta-feira, as evidências de que ele estava certo: “Marmota, pode ser uma joint venture do terror”, ao enviar por e-mail detalhes das investigações apontando o óbvio: nunca o ETA fez nada parecido. “E os caras da BBC não embarcaram”, constatou Savarese, ao ler este artigo da BBC. “Marmota, alcorão no furgão”, sentenciou o rapaz, por volta das cinco horas.

Até que, minutos depois, um jornal árabe revelou que o Al-Qaeda assumiu a autoria dos ataques, apesar de não descartarem a participação do ETA – sacramentando a tal joint venture do terror. Ao final deste dia, temos duas conclusões. A primeira: podemos esperar sentados no trem por mais terror. A segunda: Savarese, assim que possível, tente uma vaga em alguma editoria internacional.

A propósito, registro feito pelo Alexandre Cruz Almeida: “… Nesse dia negro pra Espanha, eles (o jornal El Pais) estão dando uma aula de jornalismo. Os seus infográficos, animados e clicáveis, e olha que eu odeio coisinhas animadas, me explicaram com clareza e concisão tudo o que aconteceu. Os caras são tão fodas, mas tão fodas, que prevendo a fome de informações que os espanhóis teriam hoje, eles ainda abriram todo o site aos não-assinantes… Em tempo: a melhor notícia da situação é que os bancos de sangue, agora a tarde, precisaram pedir aos madrilenhos que parem de doar sangue, pois já não tem mais onde colocar. Isso é que é povo solidário”. Assino embaixo!

E tem mais: não deixe de ler este artigo, assinado por Miguel do Rosário.

Comentários em blogs: ainda existem? (6)

  1. Confirma-se a máxima: “é nos momentos de crise que o Homem dá o melhor de si mesmo”. Tenho seguido este caso na “diagonal”, pois não acho que a dor dos Madrileños deva ser vampirizada pelos sedentos de informações. Mas como qualquer homem de bem, estou solidário com eles na dor e nos esforços de reconstrução.
    Um abraço.
    Seu blog continua um show

  2. Comentário do meu irmão sobre o atentado: “Não podia mesmo ser o ETA. Eles não pensam alto assim, não pensam em progredir…”

    Abraços!

  3. Burrada minha, nunca sei se estou despindo ou vestindo a camisa. Peço-te perdão pelo lapso do nome, mas ao digitar o comentário olhei para o lado e vi Miguel do Rosário e sem pensar assumi que era esse o teu nome. Lamento muito

  4. Valeu, Marmota… aprendi a fazer esse tipo de análise no Programa Alegria Alegria do Daltro Cavalheiro, que passa na ErreideTV 1:15 da manhã de sábado… lá também aprendi técnicas de sobrevivência em estúdios de TV e a gostar dos Biscoitos Dunga. D-Í-L-I-C-I-A!!!

Vai comentar ou ficar apenas olhando?

Campos com * são obrigatórios. Relaxe: não vou montar um mailing com seus dados para vender na Praça da República.


*