Festival da Boa Vizinhança em São Paulo

Notícia enviada quase que simultaneamente pelos amigos Lello e Bentão: neste sábado, um colégio de São Paulo vai se transformar em uma vila conhecida de muitos telespectadores e encrustada no México em algum lugar no passado. Fãs de Chaves e Chapolin certamente vão delirar no primeiro Festival da Boa Vizinhança.

A festa, promovida pelo Fã Clube Chespirito, vai ser no Colégio Maria Imaculada (Av. Bernardino de Campos 79, perto da Paulista e do metrô Paraíso). Para entrar, basta levar oito pilas – ou seis pilas mais 1kg de alimento não-perecível. Além do cenário da vila famosa, os organizadores prometem exibição de episódios inéditos (acreditem!), venda de churros e sanduíche de presunto (vai faltar suco de groselha com gosto de limão que parece tamarindo), além de um papo com os dubladores – Nelson Machado, a voz do Quico, aproveita para lançar um livro de memórias.

O nome da brincadeira não poderia ter sido melhor: a festa da boa vizinhança é um dos eventos mais inesquecíveis entre os muitos reprisados insistentemente pelo SBT. São três episódios onde os moradores participam de um festival repleto de atrações, organizadas pelo lendário Seu Madruga “todos os anos anualmente”. Dona Florinda é a única que não quer saber da gentalha. Até descobrir que seu namorado Girafales estava empolgado com a brincadeira…

O ponto alto do festival é a peça com as crianças, precedida por um longo discurso do Professor Girafales. “Esta apresentação teatral foi montada e dirigida pelo Seu Madruga, mas por favor não zombem dele. Talvez a vocês o trabalho dele parece tolo. Inútil. Comum. Vulgar. Sim, concordo. Mas é que devem levar em conta que se trata de um indivíduo sem nenhum preparo. De um pobre diabo que nem sequer concluiu o primário. De um pobre infeliz que mal aprendeu a ler e escrever…”.

Na trama, o casal Nhonho e Chiquinha se desesperam ao encontrar uma carta, anunciando o sequestro da filhinha deles. A pergunta clássica “Oh, e agora, quem poderá nos defender?” é repetida três vezes até que o Chaves aparece em busca do “mal feitoso”. Ao mesmo tempo, Quico (o malfeitor) consegue roubar a boneca. A peça termina com Chaves marretando Quico – briga que deixou o palanque e tomou conta da platéia. Há que diga que a festa da boa vizinhança termine bem, mas a quarta parte da saga nunca foi exibida no Brasil.

Talvez seja a sua chance de descobrir como a festa termina – além de rever Seu Madroga (primo do Seu Madruga), o novo dono da vila (vendida pelo Seu Barriga), sem falar nos inimigos mortais de Chapolin Colorado: Racha Cuca, Alma Negra, Quase Nada, Tripa Seca, Carateca Chimpato Yamasaki… Se não estivesse de plantão, estaria lá o dia todo.

Comentários em blogs: ainda existem? (9)

  1. Eu quero ir nessa festa!

    Lembro de quando eu chegava em casa da escola e almoçava vendo chaves! Tão legal.

    Beijos Andrezito

  2. Ai que inveja.. como que eueria poder ir..

    ah uma boa noticia para você, tão fazendo um desenho animado do Chaves.. não sei ainda se haverá do chapolin, mais tudo indica que sim..

  3. Puts, que dahora!!! queria muito ter estado nesta festa… Quando vai ter outra, por favor me avisem…. pi pi pi pi pi pi pi pi pi….

  4. Foi um “LIXO”, Cheguei ás 10:00h e já eram 16:00h e eu me via no meio de uma multidão de mais de 11.000 pessoas que naum poderiam entrar, acabei indo embora sem poder ver, e ainda por cima fomos expulsos pela policia como cachorros, se querem promover um grande evento procurem o ANHEMBI, se o problema é dinheiro, venda ingressos antecipados para evitar filas, a turma de lá é muito gananciosa e perdeu o controle quando viu 11.000 pessoas revoltadas por um espaço de 1.000 pessoas, faltou organização coisinha de criança, mais uma vez o material do CHAVES foi entregue em mãos incompetentes “QUE PENA” mais uma vez se ja não bastasse o “SBT” que detona agora até os que dizem ser fãns mais são mercenários tambem fazem isso. SEM COMENTÁRIOS A MAIS.

    ABRAÇOS A FÃNS

Vai comentar ou ficar apenas olhando?

Campos com * são obrigatórios. Relaxe: não vou montar um mailing com seus dados para vender na Praça da República.


*