Estatísticas para melhorar o seu dia

Recebi esta do meu chefe, que já ouviu por aí que “eu tenho um blog jeitosinho”. Coluna de Robson Pereira desta quarta-feira, no jornal O Estado De São Paulo, mostra uma série de estudos e números sobre o tal fenômeno blog. Está preparado?

Vamos a eles. Sabe aquele papo de que a moda não para de crescer? Pois é, existem 4,1 milhões de blogs na rede, que podem chegar a 10 milhões no final de 2004. Mas a taxa de mortalidade também é alta: apenas um terço deles podem ser considerado ativos. Os demais se cansaram em até quatro meses – um milhão deles “morrem” em menos de um dia. Apenas 100 mil blogs em todo o mundo são atualizados ao menos uma vez por semana.

E aquela antiga desconfiança, de que apenas blogueiros lêem blogs? Se isso fizer algum sentido, esse universo corresponde a apenas 2% de todos os navegantes. Mais: acredita-se que 79% dos internautas jamais ouviram falar nesse troço… Reproduzo abaixo techos animadores da coluna.

Jimmy Guterman, um dos especialistas ouvidos no estudo, ressaltou que a maioria da comunidade blog está concentrada em torno de si própria, numa sucessão interminável de referências a outros blogs, como uma porta giratória da qual não se consegue sair… e para Jeffrey Henning, principal executivo da Perseus e um dos responsáveis pelo levantamento, blogs são hoje um serviço típico da chamada nanoaudiência e nada indica que será diferente no futuro.

A falta de um “modelo de negócio forte”, como analisa Robson Pereira, pode não transformar blogs em nada extraordinário. Mas, de repente, até pode: se o seu blog significa alguma coisa para você, não se iluda com os números e siga em frente.

Obs.: Se você conhece alguém que faz parte dos 79% citados acima, mande para ele este texto da Maria Clara.

Obs. 2: Leia o post do Hernani Dimantas sobre a coluna e tenha mais um motivo para seguir em frente.

André Marmota fala, lê e escreve razoavelmente em português castiço, engrish macarrônico e portunhol com legendas. Quer saber mais?

Leia outros posts em Bloguiado. Permalink

Comentários em blogs: ainda existem? (6)

  1. Éééééé….. tem razão!!!
    E daí se eu fico um tempão bolando um post, construindo templates, ajeitando comment pra depois só eu ler o danado….

    Ahhh.
    Que que tem???

    Deixa os 79% pra lá… eles naum sabem o que estão perdendo.

    Bjos.

  2. Eu faço parte então deste seleto grupo de atualizadores semanais? Hum…

    mas é fato: os blogs estão perdendo força… muitos dos blogs das minha lista estão morrendo. O mais recente até tentou se profisionalizar, usando Movable Type e servindo como Host para outros blogs: o Takipariu…

    Mas é isso, eu sigo em frente. Capenga, é verdade, mas sigo…

    Abraços!

  3. Olá grande Marmota, muito interessante esses números…
    Ter um blog não é uma tarefa fácil, eu que o diga. Estou com o meu a quase 6 meses e quase não sou visitado. Praticamente ninguém vai lá, são raras as visitas. Isso realmente desestimulante o “blogueiro” a continuar…
    O que me deixa mais chateado é que a maioria das pessoas só visitam os blogs vicíados no CTRL C & CTRL V, isso quando o blog não traz a vida pessoal da pessoa…
    Mas é vida, ainda tenho esperança que o meu trabalho e a minha dedicação serão reconhecidos.
    Abraço

  4. Caro Márcio,
    Chamou-me a atenção você ser xará do meu irmão. Bicho, não encana com esse negócio de pouca visita. Faz o teu, faz o que você gosta sem se preocupar se é o certo ou não. E visite outros blogs, leia o que os outros escrevem tb. Persevere e daqui a pouco a coisa melhora.

  5. Cometas e Estrelas

    Há pessoas estrelas;
    Há pessoas cometas.
    Os cometas passam. Apenas são lembrados pelas datas que passam e retornam.
    As estrelas permanecem. Os cometas desaparecem. Há muita gente cometa.
    Passam pela vida da gente apenas por instantes, gente que não prende ninguém e a ninguém se prende. Gente sem amigos. Gente que passa pela vida sem iluminar, sem aquecer, sem marcar presença. Há muita gente cometa. Assim são muitos e muitos artistas. Brilham apenas por instantes nos palcos da vida.
    E com a mesma rapidez com que aparecem, também desaparecem.
    Assim são muitos reis e rainhas de todos os tipos. Reis de nações, rainhas de clubes ou concurso de beleza. Assim rapazes e moças que se enamoram e se deixam com a maior facilidade. Assim são pessoas que vivem numa mesma família e que passam pelo outro sem serem presença. Importante é ser estrela.
    Estar presente. Marcar presença. Estar junto. Ser luz. Ser calor. Ser vida.
    Amigo é estrela. Podem passar os anos, podem surgir distâncias, mas a marca fica no coração. Coração que não quer enamorar-se de cometas que apenas atraem olhares passageiros. E muitos são cometas por um momento. Passam, a gente bate palma e desaparecem. Ser cometa é não ser amigo. É ser companheiro por instantes. É explorar sentimentos. É ser aproveitador das pessoas e das situações.
    É fazer acreditar e desacreditar ao mesmo tempo. A solidão de muitas pessoas é conseqüência de que não podem contar com ninguém. A solidão é resultado de uma vida cometa. Ninguém fica. Todos passam. E a gente também passa pelos outros.
    Há necessidade de criar um mundo de estrelas. Todos os dias poder vê-las e senti-las.
    Todos os dias poder contar com elas. Todos os dias ver sua luz e calor. Assim são os amigos. Estrelas na vida da gente. Pode-se contar com eles. Eles são uma presença.
    São aragem nos momentos de tensão. São luz nos momentos escuros. São pão nos momentos de fraqueza. São segurança nos momentos de desânimo.
    Olhando os cometas é bom não sentir-se como eles. Nem desejar prender-se em sua cauda. Olhando os cometas é bom sentir-se estrela. Marcar presença. Ter vivido e construído uma história pessoal. Ter sido luz para muitos amigos. Ter sido calor para muitos amigos. Ter sido calor para muitos corações. Ser estrela neste mundo passageiro, neste mundo cheio de pessoas cometas, é um desafio, mas acima de tudo uma recompensa. É nascer e ter vivido e não apenas existido.

    Reinilson Câmara

Vai comentar ou ficar apenas olhando?

Campos com * são obrigatórios. Relaxe: não vou montar um mailing com seus dados para vender na Praça da República.


*