Chegamos aos sete anos

Nesta sexta-feira, um blog que você conhece (e provavelmente curte) completa sete anos de finca-pé no extenso planeta blogosférico. Num quatro de setembro, surgiu o primeiro post, na ainda moderna ferramenta do Blogger Brasil. O tempo lhe trouxe visibilidade e muitos amigos. Tentou levar seu blog para um condomínio cheio de gente bacana, mas num relance, voltou às origens, colocando um de seus pés num portal familiar com nome alusivo ao conhecimento pelo diálogo. Hoje escreve pouco, mas segue firme – o que garante boas razões para comemorar ao lado de quem o acompanha há tanto tempo.

Pronto para dar os parabéns? Ótimo, mas não são só para mim. Lógico que estou falando do Pirão sem Dono, capitaneado pelo MarcosVP (que também mantém o Escudinhos e é um dos convidados do nosso Blog da Copa). Este espaço aqui não teve apenas a feliz coincidência de ter sido criado na mesma data do Pirão, muito menos o mérito de atravessar longos sete anos em trilhas próximas. Como ocorre na maioria destas paragens digitais, a felicidade maior é a de tê-lo encontrado pessoalmente em diversas ocasiões, como em janeiro passado.

Beiçola e MarcosVP
Beiçola e MarcosVP

Enfim, esta data especial merecia uma celebração. Foi assim quando antecipamos a festa num madrugadão – sonolento mas muito divertido. Improvisamos uma mesa de boteco no Gtalk e conversamos sobre aquilo que nos move nesse mundinho virtual.

MarcosVP: Fala hermano colorado.

Marmota: Aeee! :)

MarcosVP: Par ou ímpar, pra ver quem começa?

Marmota: Eu posso começar… Hehehe! Bom, nossos blogs nasceram no mesmo dia, e também por conta disso permanecemos em contato durante estes sete anos. Os próprios blogs passaram por um caminho parecido: começaram de leve, passaram por um auge romântico, integraram um grande portal e voltaram às origens recentemente. Você acredita em astrologia?

MarcosVP: Olha só… O bom jornalista, o que surpreende logo na primeira pergunta. Bom, recorrendo ao primeiro clichê da noite, eu diria que há mais coisas entre o céu e a terra…

Marmota: Hahahahahahaha!

MarcosVP: De qualquer modo, como bom leonino com ascendente em virgem e lua em touro… Confesso que as coincidências são muitas. Tirando horóscopo de jornal, eu costumo achar os astros interessantes. Você já fez o mapa do MMM, né?

Marmota: Já, sim. Foi em função do registro do primeiro post, quatro e pouco da tarde do dia quatro de setembro de 2002. Vou pesquisar o texto… É virgem com ascendente em aquário. Blé. E lua em leão – confesso que tinha algumas ressalvas ao seu signo, mas ultimamente ando tendo bons motivos pra gostar dele…

MarcosVP: É… complexo. Meu primeiro post foi às 13h16, umas três horas antes do teu.

Marmota: Mas enfim. Dizem que, com o passar dos anos, as pessoas vão assumindo as características do ascendente. Você se considera mais leonino, que valoriza o reconhecimento pelo trabalho, ou mais virginiano, detalhista e organizado?

MarcosVP: Ah, a Luciana é leonina, agora que eu saquei.

Marmota: Exatamente. E se eu falar mal do signo dela em público, tterei problemas…

MarcosVP: Cara, o mais característico de ser leonino com ascendente em virgem é ser um poço de contradições. Começa que o leão quer palco, quer aplauso. O virgem quer backstage, ou pior: não quer nem passar na porta do teatro. O Pirão sofre dessa dicotomia a vida inteira. Minha terapeuta chamaria de auto-sabotagem. Paulo Coelho define como “uma pequena chama derrotista que todos nós carregamos”. Raul Seixas chamaria de frescura, talvez. O fato é que, se a gente não aprende com sete anos de alguma experiência, não vai aprender com oito. Casamentos são bons exemplos dizem. O meu primeiro naufragou justamente depois de sete anos. Meu segundo, oficialmente, fez cinco esse ano… Eu acho que depois de muito tempo, finalmente o Pirão não me causa mais angústia, sabia?

Marmota: Ih! Será que a tal “crise dos sete anos” de fato é real em relacionamentos amorosos? Mas enfim, tirando isso de lado, faz sentido pra você a idéia de que o blog, assim como qualquer ferramenta similar, é uma extensão dos seus pensamentos, da sua maneira de lidar com o dia-a-dia?

MarcosVP: Faz sentido. Faz principalmente porque justamente ele tem sido cada vez menos a extensão dos meus pensamentos, justamente porque a cada dia que passa eu me forço a externar menos e menos esses pensamentos. Por isso o blog tem andado devagar (porque já teve pressa) e traz esse sorriso porque já chorou demais. Sem falar que depois que se pega o jeito do twitter, a preguiça de escrever longos posts é quase infernal…

Marmota: Sim sim, a agilidade do Twitter não ajuda quem gosta de escrever… Mas juntando esse autocontrole emocional com a presença do Twitter… Qual caminho você vê pro seu blog daqui em diante?

MarcosVP: No momento, continuar como estar. Neste exato instante eu não tenho qualquer plano para o Pirão. Outro reflexo da minha vida atual. Meu plano hoje é sobreviver, criar meus filhos, estar num pedaço só para eles. E isso inclui – talvez você ache estranho, mas não é uma loucura, garanto – não colocar em minha vida nenhum grande projeto pessoal. Isso é difícil, me dói um bocado mas é extremamente necessário no momento. Projetos pessoais de porte por agora só vão me frustrar irremediavelmente. Olhando para trás, eu tinha planos anuais para o blog. Não tenho como bancar isso, nem para o blog nem para mim. Mas isso não é uma desistência da vida. Haverá o tempo de se pensar em planos de novo.

Marmota: Bom, pelo que te conheço – e até por conta do nosso último encontro, fiquei com um sorriso no rosto ao te ouvir falar em comprar instrumentos musicais pra tocar com seus filhos… E nesse sentido, não seria nada leviano dizer que sua família é um grande projeto pessoal, não?

MarcosVP: Aaaah, sim! Com toda certeza. E posso dizer que esse “projeto”, por assim dizer, realmente tem me dado bastante alegrias e justamente nesse aspecto. O Léo, meu caçula, tem demonstrado um gosto fantástico por aprender música. A Érica, menos na teoria mas muito em compartilhar disso com a gente. O engraçado é que eu estava numa toda analógica com eles… Flautas, percussão. O Léo não larga os DVDs, pegou um MP3 player meu e tomou posse e não quer saber de outra coisa que não tocar teclado. Puro hi-tech.

Marmota: Hahahahahahahaha! Sensacional!

MarcosVP: Aliás, ensinar teclado ao Léo tem me feito aprender a tocá-lo, o que é ótimo.

Marmota: Muito bacana! Sem dúvidas, este é um tremendo projeto pessoal… Um dia eu chego lá!

MarcosVP: E nessa, eu devo um voto de gratidão ao Pirão. Foi através dele que eu conheci dois grandes tecladistas – e duas grandes pessoas: Flávio Venturini e Delia Fischer. Das utilidades do blog, fazer amigos e conhecer pessoas (valha-me, Dale Carnegie) é uma das melhores.

Marmota: Antes que você me pergunte, considero esta A melhor das utilidades! Enfim, sabe que nós, jornalistas, reaquecemos uma antiga e calorosa discussão referente ao diploma de graduação, não? Algo que os publicitários nunca precisaram para exercer a profissão. Qual a sua visão sobre a formação em publicidade? E aproveitando o gancho, sente-se um jornalista por manter um blog? Hehehe!

MarcosVP: Bicho, sob alguns aspectos eu até já me senti um jornalista em meu blog, mas é pouco. O que eu acho que mais me define no pirão seria a definição “cronista”. E cronistas, bem esses não precisam de diploma mesmo, né? bom protuguês e tempo de janela bastam. E aí está minha idéia básica sobre essa questão dos diplomas de comunicação. Muita gente imagina que, porque sabe escrever, pode ser jornalista ou publicitário. E não pode, principalmente porque o grande equívoco dessa gente – e aí eu costumo incluir muitos probloggers nesse equívoco – e ignorar que existem técnicas para fazer esses trabalhos. Ignora-se por aí que psicologia é mais importante para se fazer publicidade que domínio da língua. De vez em quando aparece um “gênio” dos trocadilhos e das jogadinhas se arvorando um *puta* criador. E é um idiota, porque a criação é 90% psicologia do consumidor e 10% arte. A maioria dos probloggers que eu conheço viu o galo cantar e não sabe onde, direito. Acertou um tiro certo dia e continua dando o mesmo tiro na mesma direção, na esperança de acertar sempre. Isso pra mim não é entender de publicidade e marketing. É empirismo. E a internet é o paraíso dos empíricos, vai dizer? Alguns são #epicwin, mas a maioria é mesmo #megafail, hehe.

Marmota: Hahahahaha! A propósito, como você utiliza hoje seus conhecimentos na área de marketing e publicidade?

MarcosVP: Olha, eu já sonhei em dar aulas de marketing, só para poder entrar numa sala de aula e dizer: bom dia, meu nome é MarcosVP, eu sou seu novo professor de “defesa contra as artes das trevas”…hahahaha. Agora, sério, eu trabalho como programador visual, webdesigner. O que eu uso do que aprendi é nessa área. Isso serve para os blogs também. Minha especialidade, por assim dizer, é criar visuais úteis, eficazes, com o mínimo de ruído. Isso já ajuda bastante no que faço e produzo.

Marmota: Cara, e o Escudinhos? É um negócio que, tanto ou mais que o Pirão, te exige uma dedicação tremenda! Porque não é só redigir textos, mas também pesquisa de uniformes, cores, preparar os arquivos no Corel, exportar para PDF… Como é a relação com os visitantes desse blog tão específico e, ao mesmo tempo, tão bacana?

MarcosVP: Aí é que está… ele parece que exige uma dedicação tremenda, mas nem é tanto. As artes, eu já faço há muitos anos e já tenho uns esquemas de fazê-las com rapidez. O que me custa mais é fazer os posts em si. A pesquisa é extensa sim, mas é relativamente fácil na maioria dos casos. E claro, o que mais me diverte é ter que procurar fatos e fotos de clubes obscuros, extintos, isso é o mais bacana. O caso do Maguary, antigo campeão cearense extinto em 72 e renascido agora me deu um prazer enorme. Eu fui procurado pelos atuais dirigentes, eles queriam opiniões sobre uniformes, divulgação, coisas assim. Foi muito bacana. Também tem sido muito legal conhecer desenhistas de futebol mundo afora. No mais, pela própria estrutura do site, que gera muita chave de pesquisa, a audiência é bem maior do que eu jamais tive no Pirão. Outra coisa boa é em tese, no ritmo atual, eu tenho material para publicar escudinhos por pelo menos uns… 30 anos…

Marmota: Putz, e praticamente não te perguntei nada sobre música, que é um tema recorrente em seus textos! Pelo que acompanho, considero você um cara bastante eclético, interessado em diversos gêneros. Mas existe algum estilo, banda, artista que te emociona mais, que te chacoalha mais, aquele top-top?

MarcosVP: Clube da Esquina, sempre…hehe. Tenho uma amiga que diz que eu sou o representante na terra dos mineiros chatos. É, fazer o quê? Mas eu gosto muito de rock em geral (talvez por ser guitarrista – gozado, quase não há músicos blogueiros, né?), coisas como Rolling Stones, Nirvana, Led Zeppelin, BRock, rock progressivo (aquilo que Ezequiel Neves chamava de música de penteadeira de puta). Dos mais atuais, ainda curto Oasis e Coldplay. Dos artistas que conheci nos últimos anos, Damien Rice foi o que mais me chamou a atenção. Adoro instrumental jazz-fusion, música regional nordestina, e gosto até de polly-music (essas meninas polly-like que fazem pop-roquinho-pseudo-atitude, tipo Avril Lavigne, Kelly Clarkson, Duffy, Hanna Montana, hahaha…). Confesso que não gosto de rockabilly, nem de samba, com raras exceções eu acho bossa nova chato, e não tenho visto nada de bom produzido na área do rock no Brasil, de Los Hermanos a NX-Zero. Como eu gosto de folk eu cheguei a mergulhar em Mallu Magalhães mas bati a cabeça no fundo. Era raso demais…

Marmota: Bom, tenho outra curiosidade, sobre sua ligação com Fortaleza. Ainda é forte?

MarcosVP: Minha família é de lá. Passei minha adolescência lá. Não tem como não ser. Essas últimas férias foram lamentáveis porque há mais de seis anos eu não ia para lá e quando fui, passamos – eu, Thania e Léo – o tempo todo doentes. Eu adoro Fortaleza e o Ceará em geral. Não sei se ainda sonho em morar lá. Mas visitar, sempre. Imagino que seja como sua ligação com o Rio Grande, tchê.

Marmota: É, tem mais esse paralelo nosso, coincidência, ou frescura…

MarcosVP: Eu tenho uma teoria de que cada gentílico brasileiro tem sua alma gêmea em outro. Pelo menos três eu já tenho catalogados e provados cientificamente: gaúchos + baianos, cearenses + mineiros e paulistas + goianos.

Marmota: Provados cientificamente? Uau! Como é, por exemplo, essa relação entre gaúchos e baianos?

MarcosVP: Simples. Eu tenho um grande amigo gaúcho que, após anos de residência na Bahia, teve seu dna completamente convertido. É hoje um baiano absurdamente legítimo.

Marmota: Hahahahaha! Sabe que uma das cidades que pretendo construir uma vida familiar é exatamente Salvador. Mas por ser meio paulista, nunca pensei em Goiás… Quanto ao namoro de cearenses e mineiros eu tenho prova ainda mais contundente. No livro “Os Sonhos não Envelhecem”, de Márcio Borges – irmão do Lô, ele descreve certo músico cearense que conheceu um dia como “bonito”. Era ninguém menos que Raimundo Fagner.

Marmota: Hahahahahahaha!

MarcosVP: Pois é, os goianos são meio irmanados dos capixabas também, mas acho que a música sertaneja é um traço de união mais característico e profundo que a mania de ter empadões como comida típica… Mas, como diria um velho conhecido nosso, tergiverso.

Marmota: Hahahahahahahahahahahaha!!!

Se você chegou até o fim, parabéns pra você também! Mas ainda não acabou. O bate-papo prossegue no Pirão Sem Dono. O que você ainda está fazendo aqui? Vamos lá, pô!

André Marmota acredita em um futuro com blogs atualizados, livros impressos, videolocadoras, amores sinceros, entre outros anacronismos. Quer saber mais?

Leia outros posts em Bloguiado. Permalink

Comentários em blogs: ainda existem? (6)

  1. Hahahahahaha! Sensacional, cara! E parabéns aos dois, é claro.

    Sete anos??? Caralho! Bom, estou por aqui há mais de 5, desde 2004. E não me canso de voltar. Vida longa!

  2. Paaaaarabéns!! (Hahahahahahaha… sempre quis dizer isso pra você! Brincadeirinha…)

    Cara… olha só, se começar a escrever aqui tudo o que seu blog – ele me apareceu primeiro – e você – que veio logo depois – significam pra mim, a caixa de comentários vai ter que levar a tarja de “proibido para diabéticos”. Eu sou meio seca e, comprovadamente, uma péssima amiga, mas, putz… esquece. Beijos e parabéns messsmooooo!!!!

    Amo você e amo sua noiva. Muito.

  3. Parabéns!
    E, já que a bola da vez é esta, sabe de uma coisa bacana? Seu blog vai poder completar 10 anos antes de o mundo acabar, em 21/12/2012 o.O

Vai comentar ou ficar apenas olhando?

Campos com * são obrigatórios. Relaxe: não vou montar um mailing com seus dados para vender na Praça da República.


*