Cabalas estúpidas (ou: a Argentina será campeã em 2010)

O termo “cabala”, de origem judaica, pode ser interpretado, de maneira grosseira, como sendo um código, uma chave, uma lógica que revela mistérios do universo. Quem souber interpretá-la terá subsídios para predizer o que o futuro nos reserva.

Também é usado por pessoas (como meu amigo Narazaki) que valorizam coincidências para garantir coisas menos relevantes para o nosso povo, como por exemplo qual homem levantará a Taça Fifa ao final da Copa.

A Marília reproduziu aqui esses dias uma tabelinha que dá força para uma destas teorias cabalísticas: desde a primeira Copa do Mundo, em 1930, há um visível equilíbrio entre seleções européias e sul-americanas entre as campeãs: em 18 competições, foram nove para cada lado. Levando em conta apenas as últimas doze (por razões absolutamente convenientes), temos uma curiosa alternância entre brasileiros, europeus e argentinos.

Seguindo a sequência lógica, adivinhe quem seria campeão na África do Sul, meu caro Doni? Há um outro registro cabalístico que direciona o título para Buenos Aires: o número 24. Se levarmos em conta que, desde 1930, ao menos Brasil, Itália, Alemanha e Argentina estiveram presentes nas decisões, estas quatro nações poderão atingir o intervalo máximo de 24 anos entre uma conquista da atual taça Fifa. O Brasil quebrou um jejum desse tamanho em 1994. Os italianos, da mesma forma, em 2006. Assim, a Argentina vence este ano e, obviamente, os alemães proporcionariam o novo “maracanazzo” daqui a quatro anos – afinal, se os sul-americanos faturarem agora, a próxima deve ficar nas mãos de um europeu.

Foi graças a uma dessas cabalas estúpidas que os italianos realmente acreditaram no tetracampeonato na Alemanha, há quatro anos. Desde 1970, a Itália chegou a final da Copa do Mundo apenas a cada três copas, vencendo-as alternadamente. Ou seja: chegou e perdeu em 1970, venceu em 1982, caiu em 1994 e faturou 2006. A próxima, portanto, será em 2018 (provavelmente na Rússia), onde será derrotada. Certamente pela Argentina, para seguir a primeira cabala.

Se bem que, na última Copa, meio mundo ignorou a lógica italiana e acreditou em uma pirâmide vagabunda…

A primeira vez que a tal figura circulou pela web foi exatamente antes do Mundial de 2002. Muitos realmente acreditaram que o pentacampeonato estava devidamente agendado, graças a esta incrível sequência. E graças a esta cabala inabalável, 2006 seria o ano do hexa. E mais: as copas seguintes seguiriam a lógica de 1954 e 1950 – ou seja, Alemanha em 2010 e Uruguai em 2014! Enfim, pra pirâmide seguir algum crédito, os alemães podem lembrar que, em 1954, 1974 e 1990, a equipe enfrentou a Iugoslávia. Este ano também – quer dizer, a Sérvia.

Enfim, Argentina x Alemanha, o duelo mais aguardado destas quartas-de-final (pra muitos mais até que Brasil x Holanda) vai confrontar estas teorias. E querem mesmo saber? Esqueçam a pirâmide, a cabala, os economistas, os matemáticos ou qualquer lógica. Nenhuma delas alcança a imprevisibilidade do futebol – a exceção de algumas certezas inabaláveis, como o eterno naufrágio da Espanha.

Atualizado: como lembrou o Rafael Netto nos comentários, a pirâmide estúpida está sendo reencaminhada novamente, dando o título aos alemães. Talvez esta funcione, já que todas as outras não perguntaram pra nenhum germânico se deixariam realmente a Argentina passar por eles nas quartas-de-final…

André Marmota acredita em um futuro com blogs atualizados, livros impressos, videolocadoras, amores sinceros, entre outros anacronismos. Quer saber mais?

Leia outros posts em Marmota na Copa. Permalink

Comentários em blogs: ainda existem? (3)

  1. Como todo “Repasse!!!” estão ressuscitando essa pirâmide em 2010, providencialmente esquecendo de 2006. Isto é, estão pegando a mesma mensagem feita antes da última copa pra dizer que o Brasil ia ser campeão e só trocando o final…

Vai comentar ou ficar apenas olhando?

Campos com * são obrigatórios. Relaxe: não vou montar um mailing com seus dados para vender na Praça da República.


*