Mais uma de elevador

É incrível como as mais prosaicas situações do cotidiano podem acontecer em momentos tão corriqueiros. Como em uma rápida viagem entre um andar e outro através deste conhecido e apertado cubículo. Eram dez e pouco da noite, estava ao lado do Narazaki e do Fuzo. Após alguns minutos, o “mesmo” parou em nosso andar (aliás, o que você pensa ao ler que é preciso esperar “o mesmo” ficar parado no seu andar?).

As micagens dos três estúpidos foram subitamente interrompidas, assim que o elevador chegou ao andar da Faculdade Cásper Líbero. Um punhado de alunos e alunas embarcaram no bólido prateado e nos acompanharam até o térreo. Subitamente, uma delas olhou na minha direção.

– Ai, que bonitinho!

Outra, loirinha, acompanhou o coro.

– Nossa, e é grande também!

As duas seguiram dialogando.

– Hmmm… Deve ser tão bom…

– Posso ver de pertinho?

Ah, sim, esqueci de falar. Elas estavam se referindo a caixinha que eu estava segurando. Um delicioso ovo de chocolate ao leite da Kopenhagen, presente da empresa a todos os funcionários (ou você acha mesmo que eu iria gastar uma fortuna nessa palhaçada?). Narazaki, que estava na outra ponta do elevador, também tinha o dele. Resolvi naquele instante demonstrar a minha amizade.

– Prestem atenção no japonês, ele também tem um igual!

Antes de sairmos do elevador, um colega das mocinhas mostrou sua perspicácia, soltando algo parecido com “assim como existem as marias-gasolina, temos ainda as marias-chocolate”. A porta estava quase abrindo quando o lorde aqui resolve defendê-las.

– Opa! Eu consideraria isso uma ofensa, hein?

– Imagine, essa é a pura realidade… – respondeu a loirinha, já saindo do elevador.

An I got a rock, again… Enfim, enquanto pensava na possibilidade de andar o resto do ano com uma caixa dessas na mão, o assunto prosseguia entre Fuzo e Narazaki.

– Nara, tive vontade de fazer um comentário no elevador…

– Uma piada fraca, claro.

– É… Logo quando o André pediu para prestarem atenção em você, pensei em dizer que o seu não era igual, era o Kinder…

– É, Adil? Então vem aqui ver a minha surpresa…

Em tempo, o título refere-se a “mais uma” de elevador. A outra está aqui.

André Marmota pode perder um grande amor, um amigo de longa data ou uma oportunidade de trabalho... Mas não perde a piada infame. Quer saber mais?

Leia outros posts em E eu, uma pedra. Permalink

Comentários em blogs: ainda existem? (8)

  1. Olá! Respondendo a pergunta que tu fez em meu blog, sobre escoteiros… te enganaram, mas só um pouquinho (se é que é possível). Nos EUA é tudo separado. Meninos são escoteiros e meninas bandeirantes. No Brasil temos as duas associações mistas. No escotismo mulheres fazem parte há muitos anos e no bandeirantismo há pouco tempo os homens foram aceitos. É aquela coisa: nem tudo que é realidade nos Estados Unidos se torna parte de nossas vidas aqui. E ainda bem que o escotismo nem começou lá…Beijinhos

  2. Bem, não vou comentar muito sobre isso, pois papos sobre ovos costumam terminar em galinhagem…Hahahahaha!Agora entendi por quê vocês adotaram o nome de “Os Estúpidos”.^_^

  3. Oie!No Empada’s vão: Eu, Eric, Alex, Naninha, Pinguim, e outros q ainda não confirmaram!Vê se aparece tb! Vou confirmar o dia e a hora hj lá no blog, ok?Ixi, mudou de endereço aki! Vou lá atualizar!bjoks

  4. Só tenho um comentário a fazer: Eh, Brasil!Aliás, parabéns pelo site dos virunduns, que foi comentado na Folha. Cheguei ao seu blog hoje através da notícia, inicialmente.

Vai comentar ou ficar apenas olhando?

Campos com * são obrigatórios. Relaxe: não vou montar um mailing com seus dados para vender na Praça da República.


*