Descoordenação motora

Levei anos até conseguir fazer o indicador girar para frente, ao lado da orelha direita, enquanto o dedo da mão esquerda gira para trás. Fora isso, sempre tive dificuldade em fazer esses exercícios bobos de coordenação. Como bater com a mão esquerda fechada na coxa, esfregar a mão aberta na outra e, num relance, trocar.

Esses dias, recebi esta pérola por e-mail:

“Quando você estiver sentado à sua mesa, faça círculos com o seu pé direito no sentido dos ponteiros de um relógio. Enquanto estiver fazendo isso, desenhe no ar o número “6” com a sua mão direita. O movimento do seu pé vai mudar de direção… Vai circular contrário aos ponteiros de um relógio…”

O mais interessante é fazer esse tipo de coisa em público, ou no seu local de trabalho, até o primeiro transeunte olhar para você e se surpreender, incrédulo. “Parece bobo”, diria o dito cujo.

Quando as pessoas deixarem de se importar com as bobagens que o “serumano” é capaz de fazer, seja ele descoordenado ou não, nossas vidas serão melhores. E nosso mundo, bem mais feliz.

André Marmota acredita em um futuro com blogs atualizados, livros impressos, videolocadoras, amores sinceros, entre outros anacronismos. Quer saber mais?

Leia outros posts em Curtas. Permalink

Comentários em blogs: ainda existem? (12)

  1. Eu tenho péssima coordenação motora. Até hoje me enrolo com coisas básicas como dançar a dois, dar laço em cadarço de tênis e segurar nos pauzinhos em restaurante de comida japonesa. Meu lado “burro” é triste…

  2. hehe, sofro do mesmo mau. E quando fui escolher um instrumento para aprender a tocar escolhi logo a bateria, que necessita de muita coordenação. Sofri muito, mas valeu a pena para melhorar um pouco minha descoordenação :-)

  3. Ao menos as bobagens da “descoordenação” servem como distração.

    E é verdade, a menina que trabalha ao meu lado me olhou com uma cara de “ahn?”.

    Abraços!

  4. Vai para uns anos li num quadro o seguinte:
    Somos todos iguais. Mais ou menos.

    E hoje entrei neste blog por acaso, porque a minha loucura me deu para investigar o que outros pensam e dizem da descoordenação motora.
    A loucura continua.
    O bebé que é totalmente descoordenado nos movimentos, embora umas vezes agitado e outras tranquilo, certamente será mais um louco que nasceu.
    Quanto tempo leva para coordenar o movimento de levar a comida à boca com a colher ?
    È na realidade coisa de loucos.
    O aprendizado não é uma loucura e coordenar só pode ser possível quando algo está descoordenado.
    E quando tudo parece estar coordenado, outros movimentos não conseguimos coordenar.
    Será que a tentativa da coordenação é entendido por alguns como o princípio da loucura ?
    Afinal o que nos torna loucos ?

    Parece que tudo é mais ou menos louco.
    Um abraço
    João António

Vai comentar ou ficar apenas olhando?

Campos com * são obrigatórios. Relaxe: não vou montar um mailing com seus dados para vender na Praça da República.


*