Corneta vuvuzela não!

Não sei quanto a você, mas algo me incomodou nessa primeira semana de “ensaio para a Copa do Mundo”. Assistir a um jogo da seleção brasileira, seja pela TV ou num estádio na África do Sul, se torna desafiador graças a um incômodo zumbido ao fundo. Trata-se da corneta vuvuzela, um instrumento sonoro, de origem kudu, que representa a alma dos torcedores em campo.

Xô vuvuzela!

Ou seria melhor dizer alma penada! Respeito as tradições sul-africanas e seu modo alegre e espontâneo de torcer – aliás, isso me chamou a atenção nos primeiros treinos do Brasil em Bloemfontein. Mas convenhamos: atrapalha, incomoda, enche o saco…

“Sem a vuvuzela, não sei se estamos aptos a apreciar o futebol. Ela traz uma atmosfera especial aos estádios”. A declaração, pinçada no site da Fifa, é de Sadaam Maake, inventor do instrumento e considerado “torcedor número um” do país (lembrei agora do Gaúcho da Copa). Enfim, eu nunca vi ninguém proibir uma manifestação cultural – menos ainda a Fifa, que já se posicionou, nas palavras de Sepp Blatter: “os treinadores e jogadores devem se adaptar”.

Os sul-africanos podiam celebrar com moderação, alternar o som tribal com batuques, gritos de guerra, entre outras manifestações. Cultuar suas tradições com o direito que merecem, respeitando o nosso de assistir a um jogo sem zoeira. Seriam respeitados e admirados mundialmente. Mas já posso vê-los estorvando com essas cornetas de plástico vagabundas, reverberando para os quatro cantos como se o apocalipse estivesse chegando.

Nesse caso, tanto eu (e certamente outros incomodados) amaldiçoaremos esses cururus até o fim da Copa: ou vocês maneram, ou posicionem vossas vuvuzelas naqueles orifícios impronunciáveis. E que seus beiços rachem, seus pulmões explodam e seus ouvidos zumbizem. E quem estiver de acordo (ou não) pode contribuir com suas ofensas.

Atualizado: o Ubiratan Leal (que não tem nada contra as Vuvuzelas do Apocalipse) dá o link para um blog que faz campanha contra: Ban the Vuvuzela. Pessoalmente, eu apoio essa campanha.

André Marmota pode perder um grande amor, um amigo de longa data ou uma oportunidade de trabalho... Mas não perde a piada infame. Quer saber mais?

Leia outros posts em Marmota na Copa. Permalink

Comentários em blogs: ainda existem? (15)

  1. Cara, isso tá insuportável!!!!!!! Eu tava comentando sobre esse zumbido insuportável de mosca varejeira com meus amigos, daí resolvi pesquisar no google sobre “copa confederação zumbido”…. pesquisem pra ver, tá todo mundo emputecido com essa merda!!!!!!!!!!!!!! Deviam proibir a entrada desses lixos no estádio (as ornetas e o galvão)!

    E bem lembrado, a copa do mundo será toda assim??? Se for, eu me recuso a ver! Dor de cabeça depois de cada jogo não dá!!

  2. Vuvuzela sim! A tradição dos caras é essa, deixa. Proibir seria o mesmo que proibir batucadas nos estádios brasileiros. TEm torcida, como a do Corínthians, que vaia o time adversário o tempo todo em que ele está com a bola. É a mesma coisa…:-)

    Abs.

  3. Só estou assitindo Jogos sem som, se na Copa do Mundo for assim, eu nem quero saber onde fica a África e se o Brasdil vai estar lá. Se alguém assitir mais de 4 jogos inteiros em som normal da TV com certeza vai pro hospital com labirintite. Tradição deles ao raio que os parta. Jogadores não tem que se adptar a isso não; tem sim é que se negarem a jogar e Juízes se negarem a apitar, já que ninguém vai ouvir o apito deles mesmo. A Globo ainda abafa um pouco o som, a Band não. Imagine quem está dentro do estádio? Aqui no Brasil tem estádio que não pode nem entrar com radinho de pilha e na África, só prá não dizerem que tem racismo a Fifa concorda. É como na Fórmula 1. Também acho que deviam enfiar essa corneta em outro buraco do corpo.

  4. Tradição? Que eu saiba trdição se refere a costumes antigos que não saem de moda, e a vuvuzela é coisa recente. Tanto que quando o Brasil jogou o amistoo dos aviõezinhos do Zagallo lá nos anos 90, não tina essa merda de vuvuzela.

  5. Gostaria de saber quem foi que inventou esse instrumento, pois me lembro muito bem que no final da decada de 70 começo da de 80, essa corneta já existia.
    Duvido muito que foi criado pelos africanos. Pode ter sido difundida por eles nessa decada, mas inventada??
    Instrumento simples, tem como se fosse um anel em seu comprimento, mais ou menos 20 cm depois do bocal que distorce o som aplicado na entrada.

  6. assistir um jogo inteiro, é sessão tortura. Deixa qualquer um louco. Assisti apenas 15 minutos do jogo da Africa X México. Desisti, achei que aquela barulheira ia ser apenas nos jogos da Africa, mas no jogo França X Uruguai continuou. E não sei se fiquei menos tolerante estava ainda mais alto! Vou acompanhar a copa pelos resultados na net. Assistir, definitivamente, não dá!

  7. Pingback: EU ODEIO

Vai comentar ou ficar apenas olhando?

Campos com * são obrigatórios. Relaxe: não vou montar um mailing com seus dados para vender na Praça da República.


*